Influência da China nas Ilhas Salomão provoca distúrbios

Resultado da influência dominadora de Pequim nas Ilhas Salomão e da exploração econômica das ilhas distantes da capital é uma guerra civil quase étnica, com a ilha mais populosa do arquipélago, Malaita, apoiada pelos Estados Unidos e Taiwan

Por Anders Corr

Análise de notícias

Chinatown e uma delegacia de polícia em Honiara, capital das Ilhas Salomão, foram parcialmente incendiadas durante os protestos que começaram em 24 de novembro.

Muitos salomonianos estão insatisfeitos com a virada do primeiro-ministro Manasseh Sogavare em 2019, saindo de Taiwan em direção a Pequim (conhecida localmente como “A Mudança”), sem falar na pobreza, nas preferências dadas aos residentes chineses e empregos destinados a estrangeiros contratados por empresas chinesas, em vez de locais.

Diz-se que Pequim ofereceu aos parlamentares até $ 615.000 cada para votarem pela mudança, e os documentos mostram pagamentos de $ 200.000 da embaixada a 39 parlamentares pró-Pequim, o número necessário para emendar a constituição, algo que Sogavare deseja fazer.

O resultado da influência dominadora de Pequim nas Ilhas Salomão e da exploração econômica das ilhas distantes da capital é uma guerra civil quase étnica, com a ilha mais populosa do arquipélago, Malaita, apoiada pelos Estados Unidos e Taiwan. Tudo isso vai contra o primeiro-ministro do país, apoiado por Pequim, e, de acordo com alguns relatórios, a população étnica da ilha capital e os chineses étnicos locais, incluindo imigrantes de primeira e segunda geração.

Essa bagunça política é culpa dos Estados Unidos, Austrália e seus aliados, que negligenciaram as Ilhas Salomão a tal ponto que Pequim foi capaz de aumentar sua influência lá e explorar as ilhas de forma econômica e política a ponto de provocar violência étnica multivetorial que, provavelmente, causou recentemente três mortes por incêndio em Chinatown.

Epoch Times Photo
O primeiro-ministro das Ilhas Salomão, Manasseh Sogavare, e o primeiro-ministro chinês Li Keqiang inspecionam os guardas de honra durante uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo em Pequim em 9 de outubro de 2019 (Wang Zhao / AFP via Getty Images)

Em 2017, as Salomão assinaram um tratado de segurança com a Austrália, que ativaram em resposta à crise atual.

Agora que Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Papua Nova Guiné (PNG) estão intervindo – com centenas de policiais, soldados e um navio da Marinha – alguns analistas dizem que a intervenção não é apenas pequena e tardia demais, mas está do lado errado, pois apoia um governo pró-Pequim.

De acordo com Cleo Paskal, membro da Chatham House, a corrupção no governo de Pequim, a instigação dos motins com os protestos pacíficos que os precederam e as promessas de perseguir os que supostamente estão por trás dos distúrbios,  podem ser facilmente estendidos a um ataque mais geral contra elementos pró-democracia na ilha.

“Canberra não parece estar vendo a atual agitação pelas lentes da competição com a China”, disse Alex Gray, ex-chefe de gabinete do Conselho de Segurança Nacional. “O governo de Sogavare provou ser um instrumento das ambições chinesas no Pacífico e a intervenção australiana reforçará o poder de Sogavare em Honiara. Embora condene a violência das últimas semanas, Washington deve reconhecer que este resultado é diretamente contrário aos seus interesses. ”

No entanto, o Dr. James To, autor de um livro sobre chineses no exterior, argumenta que a intervenção foi necessária.

“Canberra não tinha outra escolha: estava sujeita ao Tratado e tinha que agir, não apenas falar, quando se tratasse de provar sua responsabilidade para com o Pacífico”, disse ele. “Qualquer outra coisa teria minado tudo o que a Austrália tentou projetar como uma potência regional.”

Para continuar, “a alternativa para Canberra teria sido desagradável: a China aumentar sua presença, influência e atividade na ‘correção’ de Canberra.”

Como Gray, Paskal critica a intervenção da Austrália, que ela diz ir contra os residentes pró-democracia que buscam proteger seus direitos à liberdade de religião.

Ele comparou os distúrbios aos de Hong Kong, dizendo que “o PCC [Partido Comunista Chinês] que obtém o controle de um país, mesmo ‘apenas’ pelos delegados, destrói o crescimento econômico de todos, exceto da elite, e leva a um autoritarismo crescente (e cada vez mais brutal) que prospera ao abrir brechas internas. A população local é obrigada a se submeter a um estado policial explorador ou a arriscar suas vidas tentando se defender ”.

Paskal apela a um maior apoio à democracia em todo o mundo. “Se o mundo livre não se unir agora para apoiar aqueles que estão lutando na linha de frente, a linha de frente se expande, o PCC ganha mais acesso e recursos estratégicos e acabamos lutando contra um PCC melhor posicionado e mais forte mais tarde. ”

Paskal, Gray e To estão certos. A Austrália e seus aliados devem intervir para fortalecer a democracia e parar a violência contra as comunidades chinesas locais nas Ilhas Salomão. Mas, ao fazer isso, eles também deveriam remover os políticos cúmplices da crescente influência de Pequim. Sogavare, que apoia Pequim, deveria ser demitido por ser um acessório do terrorismo. As relações diplomáticas com Pequim devem ser cortadas e novas eleições realizadas.

Quando um estado apoia o totalitarismo, pode-se dizer que é um estado falido e deixa de ser legítimo (mesmo que tenha sido eleito democraticamente), especialmente quando o chefe de estado é privado de apoio popular por meio de subornos autoritários. Quando os estados falham, suas populações e outros estados legítimos (que por uma definição lockeana devem ser democráticos) devem restaurar a democracia.

Portanto, é responsabilidade da Austrália e de seus aliados intervir e facilitar a saída de Sogavare para que a verdadeira democracia possa florescer mais uma vez nas Ilhas Salomão.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas