EUA e Coreia do Sul consideram expandir exercícios militares para deter ameaça nuclear da Coreia do Norte

“Ambos os líderes concordaram em iniciar discussões para expandir o escopo e a escala de exercícios militares"

Por Aldgra Fredly

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul concordaram em iniciar negociações sobre a expansão de exercícios militares conjuntos na Península Coreana em resposta à crescente ameaça nuclear da Coreia do Norte.

O presidente dos EUA, Joe Biden, e seu colega sul-coreano, Yoon Suk-yeol, realizaram sua primeira reunião em Seul no sábado, durante a qual discutiram medidas para impedir a crescente ameaça nuclear da Coreia do Norte.

Em uma declaração conjunta, os dois líderes disseram que vão reativar o Grupo de Consulta e Estratégia de Dissuasão Estendida de alto nível “o mais cedo possível” e reforçar a postura de defesa combinada.

“Ambos os líderes concordaram em iniciar discussões para expandir o escopo e a escala de exercícios militares combinados e treinamento em e ao redor da Península Coreana”, diz o comunicado.

Biden também reafirmou o compromisso estendido de dissuasão dos EUA com a Coreia do Sul “usando toda a gama de capacidades de defesa dos EUA, incluindo capacidades de defesa nuclear, convencional e de mísseis”.

Os dois líderes condenaram a retomada dos testes nucleares pela Coreia do Norte como uma “grave ameaça” ao mundo, mas permaneceram abertos ao diálogo com Pyongyang. Eles também expressaram a vontade de ajudar a Coreia do Norte no combate ao surto da COVID-19.

Biden e Yoon concordaram em expandir a cooperação para garantir as redes de fornecimento de energia, incluindo combustíveis fósseis e urânio enriquecido, seguindo a volatilidade do mercado global de energia resultante da invasão da Ucrânia pela Rússia.

Pedestres passam por faixas pedindo o fortalecimento da aliança Coreia do Sul-EUA perto da embaixada dos EUA em Seul em 20 de maio de 2022, antes da visita do presidente dos EUA, Joe Biden, à Coreia do Sul (Jung Yeon-je/AFP via Getty Images)
Pedestres passam por faixas pedindo o fortalecimento da aliança Coreia do Sul-EUA perto da embaixada dos EUA em Seul em 20 de maio de 2022, antes da visita do presidente dos EUA, Joe Biden, à Coreia do Sul (Jung Yeon-je/AFP via Getty Images)

Yoon prometeu uma postura mais dura em relação à Coreia do Norte e um compromisso de segurança mais forte com os EUA, dizendo que ataques preventivos podem ser necessários se Pyongyang mostrar sinais de um ataque iminente.

Durante sua posse em 10 de maio, Yoon disse que forneceria à Coreia do Norte o que chamou de “um plano audacioso” para fortalecer a economia de Pyongyang em troca da desnuclearização completa.

“Se a Coreia do Norte genuinamente embarcar em um processo para completar a desnuclearização, estamos preparados para trabalhar com a comunidade internacional para apresentar um plano audacioso que fortalecerá enormemente a economia da Coreia do Norte e melhorará a qualidade de vida de seu povo”, observou.

A Coreia do Norte aumentou seus testes de armas, sendo o mais recente em 12 de maio, quando disparou três mísseis balísticos de curto alcance no mar. Washington antecipou que Pyongyang poderia realizar seu sétimo teste nuclear durante a visita de Biden à Ásia.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, prometeu no mês passado “continuar a tomar medidas para desenvolver ainda mais as forças nucleares de nosso estado na velocidade mais rápida possível”.

“As forças nucleares de nossa República devem estar totalmente preparadas para cumprir sua missão responsável e colocar em ação sua dissuasão única a qualquer momento”, disse Kim.

Os Estados Unidos têm pedido um retorno para o diálogo, um apelo que Pyongyang ignorou devido ao que diz ser as políticas hostis dos Estados Unidos e de seus aliados.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas