Assaltante é condenado a 15 anos por morte de sobrevivente do Holocausto de 100 anos

Por Simon Veazey

Um viciado em heroína que quebrou o pescoço de uma sobrevivente do holocausto de 100 anos de idade, quando ele a assaltou na rua, foi condenado a 15 anos de prisão por sua morte.

Artur Waszkiewicz, 40 anos, foi condenado por homicídio e roubo em 14 de fevereiro por atacar Sofija Kaczan quando ela passeava pela rua perto de sua casa em Derby, na Inglaterra. Ele a empurrou por trás, roubou sua bolsa e a deixou ferida e sangrando na calçada.

Kaczan, que se mudou para a Inglaterra em 1948, após sobreviver à ocupação nazista na Polônia, morreu duas semanas depois de pneumonia causada por seus ferimentos.

Artur Waszkiewicz. (Plícia de Derbyshire)

O policial Darren De’ath, que liderou a investigação sobre o incidente, disse em um comunicado: “Ela era uma mulher incrível, que era bem conhecida e muito amada na comunidade”.

“Tendo acabado de comemorar seu 100º aniversário, ela estava com saúde notável – e foi vista andando regularmente até a igreja perto de sua casa em Normanton”, ele continuou.

Foi em uma dessas caminhadas que a tragédia aconteceu.

De acordo com o Serviço de Promotoria da Coroa, Waszkiewicz se aproximou de Kaczan por trás em 28 de maio, bateu na parte de trás da cabeça e empurrou-a para o chão, quebrando o pescoço e causando vários ferimentos.

Sofija Kaczan, que morreu em 6 de junho de 2018, aos 100 anos, após um assalto violento em 28 de maio de 2018 (Polícia de Derbyshire)

Ele saiu com a bolsa, que depois descartou, mas só depois de deixar uma peça vital de provas incriminadoras dentro dela – uma impressão digital em um recibo.

Waszkiewicz mudou de aparência para evitar ser preso, antes que a polícia acabasse por alcançá-lo. Sua tentativa de aparentemente fugir e mudar sua aparência, raspando o cabelo, foi usada como prova de sua culpa.

Artur Waszkiewicz
Artur Waszkiewicz é mostrado antes e depois que ele mudou de aparência após o assalto de Sofija Kaczan em 28 de maio de 2018, que morreu em 6 de junho de 2018 (CPS)

Kaczan, que estava com boa saúde antes, morreu em 6 de junho.

O juiz, Nicholas Dean QC, disse que Waszkiewicz não demonstrou preocupação com sua presa, apenas se importando em satisfazer seu desejo por heroína.

More to follow…

Gepostet von Metro am Donnerstag, 14. Februar 2019

“Fiel à sua natureza como um pequeno criminoso e viciado em heroína, esse era um crime oportunista do tipo mais desprezível e repugnante”, disse ele, segundo a BBC.

O juiz Dean acrescentou: “Há uma trágica ironia no fato de que a sra. Kaczan sobreviveu ao horror inimaginável de um campo de concentração nazista e do trabalho escravo, bem como à execução iminente, apenas para enfrentar seu fim por causa das ações sórdidas e covardes de um pequeno criminoso e viciado em drogas nas ruas de Derby”.

Ela orou por seu atacante e o perdoou

Lynsey O’Donnell, do Serviço de Promotoria da Coroa, disse que o quebra-cabeça de evidências “mostrou que ninguém mais poderia ter realizado o ataque”.

CCTV mostrou a Sra. Kaczan deixando sua casa em sua caminhada regular.

Outras imagens mostram um carro chegando ao local, que se tornou uma pista vital para a polícia e mais tarde foi ligado a Waszkiewicz.

A polícia foi capaz de usar reflexos nas janelas dos carros e nas janelas das casas, captadas pela CCTV, para mostrar uma figura saindo do carro e atravessando a estrada em direção a Kaczan.

Sua bolsa abandonada foi encontrada a várias centenas de metros de distância, contendo um recibo com a impressão digital de Waszkiewicz.

Essa bolsa tornou-se uma pista vital para identificar Artur Waszkiewicz como o assaltante que atacou Sofija Kaczan em 28 de maio de 2018 (CPS).

Quando a polícia encontrou Waszkiewicz, eles o encontraram escondido debaixo da cama na casa de sua mãe em Londres, para onde ele havia fugido depois de raspar a cabeça para mudar sua aparência.

Após o ataque, e antes que ela morresse de seus ferimentos, Kaczan orou e perdoou seu agressor.

 
Matérias Relacionadas