Trump cumpriu sua promessa de terminar ‘carnificina americana’, diz procurador-geral dos EUA

Jeff Sessions, o procurador-geral dos Estados Unidos, disse que o crime violento está baixo, enquanto os indiciamentos e a moral aumentaram sob a gestão Trump.

Sessions lembrou o chamado do presidente Donald Trump para a ação em seu discurso de inauguração: “Esta carnificina americana para aqui e para agora.”

Num artigo de opinião no USA Today em 23 de janeiro, Sessions disse que Trump cumpriu essa promessa.

“Pela primeira vez nos últimos anos, o povo americano pode ter esperança num futuro mais seguro”, disse Sessions.

O crime violento aumentou dramaticamente em 2015 e 2016, com 20% mais homicídios, de acordo com as estatísticas do Departamento Federal de Investigação (FBI). No mesmo período, estupros aumentaram quase 11%; os roubos subiram 3%; e assaltos agravados saltaram quase 10%.

Leia também:
• Grupo MS-13 quer enviar membros “mais jovens e mais violentos” aos EUA
• Relatório: três em quarto terroristas condenados nos EUA são nascidos no estrangeiro

Porém, disse Sessions, a maré virou, e ele atribui isso à abordagem simples e direta de Trump em relação ao crime e seu apoio aos policiais e à aplicação da lei.

“Nos primeiros seis meses do ano passado, o aumento da taxa de homicídio diminuiu e os crimes violentos diminuíram”, disse Sessions, acrescentando que os dados para o resto de 2017 mostram mais progressos.

Sessions disse que o Departamento de Justiça (DOJ) processou mais casos contra criminosos violentos em 2017 do que em qualquer ano em décadas.

“Nós processamos o maior número de casos federais de armas de fogo em uma década. Nós condenamos quase 500 traficantes de seres humanos e 1.200 membros de gangues, e ajudamos nossos aliados internacionais a deter cerca de 4 mil membros da gangue MS-13. Também detemos e processamos centenas de pessoas suspeitas de contribuir com a crise dos opiáceos em curso”, disse Sessions.

Ele disse que a estratégia do DOJ é concentrar-se nos criminosos mais violentos, derrubar as redes violentas de gangues, priorizar processos criminais de armas e apoiar os parceiros estatais, locais e tribais responsáveis ​​pela aplicação da lei.

EUA, Trump, crime, violência, indiciamento, homicídio, estupro, tráfico humano, tráfico de drogas - O presidente norte-americano Donald Trump fala com funcionários da aplicação da lei em Long Island, Nova York, em 28 de julho de 2017 (Spencer Platt/Getty Images)
O presidente norte-americano Donald Trump fala com funcionários da aplicação da lei em Long Island, Nova York, em 28 de julho de 2017 (Spencer Platt/Getty Images)

Sessions disse que o número de policiais mortos no serviço declinou pela primeira vez desde 2013 e atingiu seu segundo nível mais baixo em mais de meio século.

“Qualquer perda de vida é demais, mas essa mudança é encorajadora”, disse ele. “A moral está em alta entre nossa comunidade de aplicação da lei.”

Trump frequentemente visita os militares e policiais quando viaja fora da capital de Washington, demonstrando seu apoio aos indivíduos e profissionais nessas forças.

“Claro, nosso trabalho não está terminado. O crime ainda é muito alto, especialmente nos bairros mais vulneráveis​​”, disse Sessions. “As taxas de criminalidade não são como as marés, nós podemos ajudar a mudá-las. E sob a forte liderança de Trump, nós faremos isso.”

Leia também:
• Opinião: Trump luta contra violações dos direitos humanos
• Trump convoca democratas e republicanos para negociarem sobre imigração e segurança de fronteira
• EUA: altos funcionários do FBI discutem ‘sociedade secreta’ trabalhando contra Trump
• EUA: Perspectiva econômica é excelente
• Burocracia estatal: imposto oculto sobre crescimento
• EUA: Trump divulga quedas recordes nas taxas de desemprego
• EUA: Adeus neutralidade da rede, olá competição
• A reforma tributária corporativa nos EUA e seu efeito dominó internacional
• Maioria dos economistas concorda: Trump está impulsionando mercado, crescimento e emprego

 
Matérias Relacionadas