Milhares protestam contra lockdown de longa duração no atual foco do vírus na China

Moradores sofrem com os bloqueios e restrições

Por Alex Wu

O distrito de Gaocheng na cidade de Shijiazhuang, província de Hebei, é um dos pontos críticos do mais recente ressurgimento do COVID-19 na China. O distrito de cerca de 800.000 pessoas está sob bloqueio total desde o início de janeiro, apesar das autoridades recentemente terem rebaixado o nível de risco da doença.

Milhares de residentes da comunidade residencial Hengda Oasis no distrito protestaram contra os bloqueios esta semana e entraram em confronto com funcionários do governo local. Enquanto isso, as pessoas na cidade vizinha de Nangong, outro ponto importante, estão ficando mentalmente perturbadas depois de ficarem presas em casa por um longo período. Uma teria cometido suicídio. O governo de Hebei anunciou que o bloqueio em massa continuará no futuro próximo.

Em 7 de fevereiro, eclodiram conflitos entre residentes e funcionários do governo. Os proprietários acusaram o governo de não agir. As tensões aumentaram e, eventualmente, um confronto estourou, de acordo com residentes locais.

O Sr. Li, que é proprietário e mora em um dos apartamentos do complexo, disse ao Epoch Times que algumas pessoas do governo visitaram a comunidade naquele dia e deixaram os moradores expressarem suas opiniões. Milhares de pessoas de toda a comunidade desceram e pediram que as rígidas políticas de bloqueio fossem suspensas.

De acordo com o Sr. Li, existem cerca de 15 prédios em sua comunidade, com um total de cerca de 10.000 residentes.

Ele disse que funcionários do governo, que não usavam uniforme, entraram na comunidade residencial sem apresentar permissão de trabalho. Os moradores ficaram descontentes e perguntaram por que eles estavam entrando. “Talvez tenha havido algumas palavras acaloradas. E então um confronto estourou”, disse ele.

O Sr. Li disse não saber de ninguém ferido no confronto, mas a cena foi caótica. O conflito começou por volta das 15h e terminou por volta das 18h.

O Epoch Times obteve um vídeo do confronto.

Li disse que em 5 de janeiro, depois de voltar do trabalho, ele descobriu que as autoridades decretaram um bloqueio e ele não podia mais sair de casa. Ele espera que o bloqueio possa ser retirado logo para que ele possa trabalhar e ganhar a vida. Ele acrescentou que os vegetais estão ficando mais caros.

“A questão principal é que você tem que viver e não pode ganhar dinheiro. Algumas pessoas têm família para sustentar,  hipotecas e empréstimos de automóveis para pagar. As pessoas estão ficando loucas. Acabei de ouvir que algumas pessoas em nossa comunidade já perderam seus empregos [devido ao bloqueio], chorando em casa.”

Em 14 de fevereiro, as autoridades anunciaram que um caso COVID-19 foi confirmado na aldeia Xiaoguozhuang, distrito de Gaocheng. As pessoas no distrito de Gaocheng foram obrigadas a fazer outra rodada de testes de ácido nucléico, como uma medida para detectar todas as infecções. Todas as comunidades e aldeias também foram colocadas sob bloqueio total.

O Epoch Times obteve um vídeo mostrando funcionários com roupas de proteção na cena do bloqueio no distrito de Gaocheng.

O Sr. Li disse que todos os residentes em sua comunidade já haviam feito testes de ácido nucléico 13 vezes, conforme exigido pelas autoridades. “Depois de fazer testes de ácido nucléico tantas vezes, minha garganta ficou ferida a ponto de ter inflamação”, disse ele. Na China, esfregaços de garganta são geralmente coletados para o teste de COVID-19.

Enquanto isso, em 15 de fevereiro, na cidade vizinha de Nangong, a 11ª rodada de testes de ácido nucléico para todos os residentes foi concluída. Embora as autoridades tenham designado a cidade como uma área de baixo risco de propagação da doença em 8 de fevereiro, os moradores ainda estavam trancados em casa. Depois de passar o feriado do Ano Novo Chinês isolados, muitos residentes sentiram forte pressão mental e estavam à beira do colapso, de acordo com um morador local.

Uma postagem na mídia social por um residente de Nangong descrevendo suas dificuldades sob o confinamento (Captura de tela via Weibo)

O Sr. Wang em Nangong disse ao Epoch Times que em 10 de fevereiro, dois dias antes do Ano Novo Chinês, um homem de 60 anos da comunidade Nanguan de Nangong se enforcou. As circunstâncias específicas não foram divulgadas pelas autoridades, mas os moradores especularam que ele não suportaria mais a vida sozinho e optou por acabar com sua vida.

O bloqueio total em Nangong começou no início de janeiro.

Wang disse que as pessoas estão ficando angustiadas com o isolamento de longo prazo. “Acho que estou prestes a ficar deprimido. As pessoas estão ficando sufocadas e enlouquecendo. Ninguém vai nos dizer quando podemos ser libertados do bloqueio! ”

Gu Xiaohua, Ling Yun e Hu Yuanzhen contribuíram para esta reportagem.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas