Guerra comunista silenciosa da China contra os EUA

Sem o conhecimento da maioria da população, o PCC se infiltrou em quase todos os aspectos da vida americana, deixando praticamente nenhum setor intocado

Por Bowen Xiao

Análise

Disfarçadamente, secretamente e com uma precisão avassaladora, o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou uma guerra de décadas contra os Estados Unidos pelo domínio mundial, usando uma estratégia militar conhecida como “guerra irrestrita” que continua até hoje.

Sem o conhecimento da maioria da população, o PCC se infiltrou em quase todos os aspectos da vida americana, deixando praticamente nenhum setor intocado. Embora essa ameaça tenha existido em grande parte sem ser detectada, o impacto que teve sobre a nação e as conseqüências geopolíticas são de grande alcance.

Ignorando as ofensivas tradicionais de confronto militar direto que se tornaram um pouco datadas nos tempos modernos, essa estratégia não convencional tornou-se o foco da abordagem do regime comunista à guerra.

A estratégia é destacada no livro “Guerra Irrestrita”, de 1999, escrito por dois coronéis da força aérea chinesa – Qiao Liang e Wang Xiangsui – e publicado pelo Exército de Libertação Popular, as forças armadas do PCC. O livro foi traduzido para o inglês com base em documentos originais do Exército.

Pequim usa uma ampla gama de táticas subversivas, incluindo – mas não se limitando à guerra de propaganda – guerra cultural, guerra memética, operações de frente, infiltração política, guerra tecnológica e de telecomunicações, guerra legal, espionagem econômica, espionagem educacional, guerra cibernética, guerra de sanções e a lista continua.

Exploração, infiltração e espionagem são temas recorrentes. O PCC emprega todos eles em diferentes graus e simultaneamente em múltiplos setores da sociedade, a fim de minar ou influenciar os Estados Unidos, seu principal impedimento à dominação mundial.

Embora alguns exemplos sejam mais óbvios, como a longa história da China de roubo de propriedade intelectual e práticas comerciais desleais com os Estados Unidos, há outros, como o chamado “soft power” que são mais difíceis de detectar.

Um desses caminhos é o controverso Instituto Confúcio (IC), apoiado pelo partido, que se infiltra e opera nas universidades americanas para melhorar a imagem do PCC. Eles também buscam promover um objetivo de política externa para tornar o regime uma superpotência cultural, não apenas econômica.

Os ICs atraíram a atenção dos legisladores, organizações nacionais e do FBI, acusando o programa de prejudicar a liberdade acadêmica. Os CIs foram acusados ​​de promover propaganda comunista chinesa sob o pretexto de promover a história e o idioma chinês. Existem milhares de ICs em todo o mundo e, em média, pelo menos 75 nos Estados Unidos.

Outros exemplos são mais flagrantes. De um ex-presidente do departamento de química da Universidade de Harvard que foi recentemente acusado de fazer declarações falsas sobre o financiamento que recebeu da China, a um cidadão chinês que foi condenado por espionagem econômica, roubo de segredos comerciais e conspiração.

No último caso, um homem identificado como Hao Zhang, 41, tentou roubar segredos comerciais de duas empresas americanas “em benefício da República Popular da China”, segundo o Departamento de Justiça. Zhang roubou informações especificamente relacionadas à operação de dispositivos sem fio.

Referindo-se ao caso de junho em que Zhang, o agente especial do FBI encarregado, John F. Bennett, disse que a espionagem econômica “é uma ameaça generalizada nos Estados Unidos, particularmente na área da Baía de São Francisco e do Vale do Silício, eles são o centro de inovação e tecnologia”.

O Thousand Talent Program, um dos mais conhecidos planos de recrutamento de talentos do PCC – ou programas de “fuga de cérebros”, como alguns chamam na China – incentiva o roubo de propriedade intelectual de instituições americanas, de acordo com o FBI. Por meio de salários competitivos, instalações de pesquisa de ponta e diplomas honorários, esses programas atraem talentos do exterior para a China “, mesmo que isso signifique roubar informações proprietárias ou violar os controles de exportação”, afirma o escritório.

O diretor do FBI Christopher Wray testemunhou em 2018 que eles estavam tentando ver o perigo que a China representa “não apenas como uma ameaça para todo o governo, mas para toda a sociedade”. Para combater sua estratégia com eficiência, Wray disse que os Estados Unidos também devem empregar uma “resposta em toda a sociedade”.

Walter Lohman, diretor do Centro de Estudos Asiáticos da Heritage Foundation, disse que os Estados Unidos trataram “as sensibilidades da China com cuidado e não receberam nada em troca”.

“O comportamento agressivo da China nos últimos 15 anos só piorou apesar dos nossos melhores esforços”, disse Lohman ao Epoch Times.

Atualmente, a China representa a maior ameaça para os Estados Unidos porque é muito “poderosa em toda a gama de indicadores e porque está ameaçando diretamente tantos interesses americanos quanto nossas redes de comunicação, como Taiwan, liberdade em Hong Kong e liberdade de expressão, os mares”, disse ele.

O PCC também promoveu e impulsionou agressivamente suas empresas de telecomunicações como Huawei e ZTE, além de aplicativos de propriedade chinesa como TikTok e Zoom nos Estados Unidos e em todo o mundo.

Os legisladores e autoridades dos Estados Unidos começaram a perceber as ameaças à segurança nacional colocadas por essas empresas chinesas. Em junho, a Federal Communications Commission (FCC) designou formalmente a Huawei e a ZTE como ameaças à segurança nacional, proibindo, assim, o acesso ao dinheiro com o dinheiro anual do Fundo de Serviço Universal de $ 8,3 bilhões da FCC para adquirir ou modificar qualquer equipamento ou serviço fornecido pelos fornecedores.

Uma das razões por trás dessa decisão que o presidente da FCC, Ajit Pai, aponta é que as duas empresas estão intimamente ligadas ao PCC e a seu aparato militar, uma vez que “elas estão amplamente sujeitas à lei chinesa que as obriga a cooperar com os serviços de inteligência do país”. Ambas as empresas negam que seja esse o caso.

A empresa chinesa TikTok, que teve um crescimento meteórico nos Estados Unidos, também foi descoberta recentemente lendo secretamente os dados da área de transferência do usuário. O aplicativo agora afirma que corrigiu o problema. Existem preocupações semelhantes sobre o Zoom, onde os pesquisadores descobriram que as chaves de criptografia estavam sendo transmitidas aos servidores na China.

Enquanto os Estados Unidos estão intensificando seus esforços para combater as ameaças de Pequim, o regime comunista está intensificando simultaneamente seus próprios esforços agressivos através do Departamento de Trabalho da Frente Unida do PCC.

Este departamento coordena milhares de grupos para realizar operações de influência política estrangeira, suprimir movimentos dissidentes, reunir informações e facilitar a transferência de tecnologia de outros países para a China, de acordo com um relatório de junho do Instituto Australiano de Política Estratégica.

As iniciativas de influência política da unidade têm como alvo as elites estrangeiras, incluindo políticos e executivos de negócios, e geralmente são de natureza secreta, de acordo com o relatório. As comunidades chinesas no exterior também são alvos-chave, pois o partido procura cooptar e controlar grupos comunitários, associações empresariais e a mídia chinesa.

Alex Joske, autor do relatório, disse que o trabalho da Frente Unida no exterior equivale a uma “exportação do sistema político do PCC”. Seu esforço “mina a coesão social, exacerba a tensão racial, influencia a política, prejudica a integridade da mídia, facilita a espionagem e aumenta a transferência de tecnologia não supervisionada”, afirma o relatório.

Com essas empresas apoiadas pelo PCC, o regime tenta exercer sua influência em todo o mundo, não apenas nos Estados Unidos. Alguns dos principais programas apoiados pelo regime que também contribuem para suas ambições internacionais são a controversa Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) e seu plano “Made in China 2025”.

O PCC, por meio do BRI, injetou bilhões de dólares em países de baixa renda para construir seus projetos de infraestrutura. Desde 2013, a iniciativa lançou mais de 2.900 projetos no valor de US$ 3,87 trilhões. O BRI foi chamado de “armadilha da dívida” por causa das práticas predatórias de empréstimos de Pequim, que deixam os países vulneráveis ​​às agressivas campanhas de influência da China.

Nas últimas duas décadas, a China se tornou um dos principais financiadores do mundo, com uma dívida pendente superior a US $ 5,5 trilhões em 2019, ou mais de 6% do produto interno bruto do mundo, de acordo com um relatório do Instituto de Finanças Internacionais.

E o plano industrial “Made in China 2025” do PCC, lançado em 2015, visa converter o país concorrente global em dez setores de tecnologia até 2025. No final de 2018, Pequim também lançou os “China Standards 2035” para acelerar os esforços para se tornar líder em setores de tecnologia em expansão, como big data, inteligência artificial e Internet das coisas (IoT).

Enquanto isso, um relatório divulgado em março descobriu que Pequim estava explorando a pandemia global do vírus do PCC, que entrou em erupção em Wuhan, na China, para promover seus objetivos econômicos e cumprir suas ambições mais amplas.

“Pequim pretende usar interrupção global e recessão para atrair investimentos estrangeiros, aproveitar a participação de mercado e os recursos estratégicos, especialmente aqueles que obrigam a dependência [da China]”, segundo o relatório da Horizon Advisory, uma empresa de consultoria independente com sede nos Estados Unidos. O grupo revisou políticas e avisos recentes anunciados por agências do governo central chinês, governos regionais e institutos de pesquisa.

Embora um número crescente de países expresse sua raiva e frustração pelo fracassado manejo do surto em Pequim, exacerbado por um encobrimento de longo alcance, a reação contra seus esforços para se destacar como líder mundial na luta contra a pandemia também vai aumentar.

Na tentativa de melhorar sua imagem, Pequim enviou um monte de médicos especialistas e suprimentos, como máscaras faciais e respiradores, para países que precisavam desesperadamente deles.

Porém, muitos dos produtos entregues estavam com defeito, enquanto os países desesperados por suprimentos não tinham escolha a não ser rejeitar suprimentos defeituosos. Países Baixos, Espanha, Turquia, Finlândia, Grã-Bretanha e Irlanda são apenas alguns dos países que receberam suprimentos defeituosos que se mostraram inutilizáveis.

“Fontes autorizadas na China afirmam explicitamente que as devastações e perturbações econômicas criadas pela COVID-19 dão à China a oportunidade de expandir seu domínio nos mercados mundiais e nas cadeias de suprimentos, tanto na economia real quanto na virtual”. Declara o relatório consultivo da Horizon.”Eles também destacam que a crise atual permitirá a Pequim reverter os esforços dos EUA para proteger seus sistemas e os de seus aliados da China”.

Siga Bowen no Twitter: @BowenXiao

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

Manipulando a América: o manual do Partido Comunista Chinês

 

 
Matérias Relacionadas