EUA: Militares recebem maior aumento salarial em oito anos

Membros dos militares dos EUA receberão o maior aumento salarial em oito anos neste mês.

O presidente estadunidense Donald Trump aprovou o aumento salarial de 2,4% para os membros do serviço uniformizado e 1,9% para os funcionários federais, numa ordem executiva em 22 de dezembro.

O salário é um aumento dos 2,1% que membros do serviço militar receberam em 2017 e o maior desde 2010, quando receberam um aumento de 3,4%.

O aumento de salário foi incluído na Lei de Autorização da Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês), que Trump assinou em 12 de dezembro.

A lei viu um aumento geral nos gastos militares e a aquisição de novos equipamentos de defesa. Entre as despesas orçadas estão os aviões de combate F-35 Joint Strike, veículos de combate terrestre e submarinos da classe Virgínia.

Leia também:
• A Doutrina Trump
• Estratégia de segurança de Trump pode restaurar poder global dos EUA, diz analista da China

A lei também aumentará o tamanho das forças armadas americanas pela primeira vez em sete anos.

“A história nos ensina que quando você enfraquece suas defesas, você convida a agressão. A melhor maneira de prevenir o conflito é estar preparado, realmente estar preparado. Somente quando o bem for forte, a paz prevalecerá”, disse Trump numa cerimônia de assinatura do projeto de lei.

O projeto marca o início do fim de uma série de cortes no orçamento militar dos EUA nos últimos anos.

Trump disse que esses cortes “afetaram severamente nossa prontidão, reduziram nossas capacidades e colocaram fardos substanciais sobre nossos guerreiros”.

EUA, Trump, militares, aumento salarial, restruturação militar - Soldados estadunidenses fazem fila enquanto se despedem de veteranos feridos durante a operação "Proper Exit" na Base Shank de Operação Avançada na província de Logar, no Afeganistão, em 28 de maio de 2014 (Brendan Smialowski/AFP/Getty Images)
Soldados estadunidenses fazem fila enquanto se despedem de veteranos feridos durante a operação “Proper Exit” na Base Shank de Operação Avançada na província de Logar, no Afeganistão, em 28 de maio de 2014 (Brendan Smialowski/AFP/Getty Images)

O secretário da defesa, James Mattis, disse ao Congresso em junho que “nenhum inimigo no campo fez mais para prejudicar a prontidão de combate dos nossos militares do que a sequestração”. A sequestração refere-se aos cortes amplos e automáticos do orçamento sobre gastos discricionários, que incluem os gastos militares.

A NDAA, no entanto, ainda não recebeu financiamento dos comitês de apropriação no Congresso.

No mês passado, a Câmara e o Senado aprovaram uma resolução para manter o governo financiado até 22 de janeiro de 2018.

Na terça-feira, o presidente Trump disse que os democratas estão buscando paralisar o governo em função da anistia da Ação Diferida para Chegada de Jovens Imigrantes (DACA, na sigla em inglês), que os democratas têm a intenção e o interesse de promover.

Trump e outros líderes republicanos tentaram negociar um acordo com os democratas que inclui uma solução para a DACA, bem como o financiamento de um muro de fronteira e mudanças no sistema de imigração, incluindo limitações à migração em cadeia e o fim do programa de loteria de diversidade.

EUA, Trump, militares, aumento salarial, restruturação militar - Soldados do Exército dos EUA e do Exército Nacional do Afeganistão assumem posições após desembarcarem de um helicóptero UH-47 Chinook durante a Operação Shir Pacha no Vale de Derezda, nas escarpadas Montanhas Spira, na província de Khost, ao longo da fronteira afegão-paquistanesa, diretamente na fronteira da região do Waziristão, no Paquistão, em 20 de novembro de 2008 (David Furst/AFP/Getty Images)
Soldados do Exército dos EUA e do Exército Nacional do Afeganistão assumem posições após desembarcarem de um helicóptero UH-47 Chinook durante a Operação Shir Pacha no Vale de Derezda, nas escarpadas Montanhas Spira, na província de Khost, ao longo da fronteira afegão-paquistanesa, diretamente na fronteira da região do Waziristão, no Paquistão, em 20 de novembro de 2008 (David Furst/AFP/Getty Images)

“Os democratas querem paralisar o governo sobre a Anistia para todos e a Segurança de Fronteira. O maior perdedor será a nossa rápida restruturação militar, num momento em que precisamos disso mais do que nunca. Precisamos de um sistema de imigração baseado no mérito, e nós precisamos disso agora! Não mais esta perigosa loteria”, escreveu o presidente Trump no Twitter.

Trump enfatizou a importância de aumentar a segurança na fronteira sul para impedir o influxo de cruzamentos ilegais. Ele exigiu que qualquer acordo sobre a DACA incluísse uma melhor proteção da fronteira, para evitar novas ondas de cruzamentos ilegais.

“Devemos ter segurança em nossa MUITO PERIGOSA FROTEIRA SUL, e devemos ter um grande MURO para ajudar a nos proteger e parar o influxo maciço de drogas que invadem nosso país!”, escreveu Trump no Twitter.

Leia também:
• Trump avisa que não haverá DACA sem muro na fronteira com México
• Anistia Daca: o que é a lei Dream?

 
Matérias Relacionadas