Tribunal popular decide que extração forçada de órgãos está de fato acontecendo na China

Por Jane Werrell, Epoch Times

LONDRES – Membros de um tribunal popular independente concluíram, por unanimidade, em um julgamento provisório que a extração forçada de órgãos de prisioneiros de consciência está ocorrendo na China “em escala significativa”.

A minuta do parecer, que é incomum para um tribunal popular, foi emitida em 10 de dezembro com a esperança de salvar vidas inocentes na China.

“[O] oxigênio da publicidade pode permitir que o oxigênio da vida real continue para aqueles que poderiam ser mortos”, disse o presidente do tribunal, Sir Geoffrey Nice, QC, que anteriormente estava encarregado de processar Slobodan Milošević no Tribunal Internacional para a antiga Iugoslávia.

A sentença final será proferida na primavera do próximo ano e determinará se os crimes internacionais foram cometidos, quem são os autores e o número de vítimas de extração forçada de órgãos.

Enquanto isso, a apresentação de evidências permanece aberta, assim como o convite feito ao regime chinês para ingressar no processo, que até agora não respondeu.

O primeiro dia de audiências públicas no Tribunal da China na sala De Vere Grand Connaught, em Londres, em 8 de dezembro de 2018 (Justin Palmer)

Evidência perturbadora

As audiências públicas para a Corte da China começaram em 8 de dezembro e duraram três dias, durante os quais mais de 30 testemunhas, incluindo refugiados, investigadores e médicos, apresentaram evidências perturbadoras.

“As acusações são de que muitos grupos, incluindo praticantes do Falun Gong, uigures, alguns cristãos e budistas, foram tomados como prisioneiros, examinados regularmente para verificar se estavam em boas condições médicas e que, quando a hora chegou, eles tiveram seus órgãos removidos. Algumas histórias dizem que foi sem o uso da anestesia, de uma maneira muito horrível, e que o órgão foi imediatamente transplantado para um visitante”, disse Hamid Sabi, consultor jurídico do tribunal, antes do início das audiências.

Enquanto as testemunhas relataram suas experiências durante as audiências, alguns dos presentes acharam difícil conter as lágrimas. Vários refugiados que escaparam da perseguição na China disseram se lembrar de quando foram detidos, torturados e submetidos a exames médicos.

Uma testemunha recordou momentos dolorosos de tortura, incluindo estar acorrentada ao chão por mais de 10 horas, ser eletrocutada e alimentada à força por 58 dias. Depois disso, ela explicou como foi sexualmente assediada por criminosos na prisão, bem como por policiais.

Hamid Sabi, consultor jurídico do tribunal no primeiro dia de audiências públicas no De Vere Grand Connaught Rooms, em Londres, em 8 de dezembro de 2018 (Justin Palmer)
Hamid Sabi, consultor jurídico do tribunal no primeiro dia de audiências públicas no De Vere Grand Connaught Rooms, em Londres, em 8 de dezembro de 2018 (Justin Palmer)

“Eles fizeram exames físicos … mas perceberam que eu estava à beira da morte”, disse ele.

Ela pratica a disciplina espiritual Falun Dafa, também conhecida como Falun Gong, que é brutalmente perseguida na China desde 1999.

Outra testemunha lembrou que um raio-X foi feito com mais de 50 praticantes do Falun Gong durante sua detenção, e ele ouviu o médico dizer: “Esses praticantes do Falun Gong, seu peito está muito limpo”.

Um relatório recente da Freedom House encontrou “evidências confiáveis ​​que sugerem que, no início dos anos 2000, os detidos do Falun Gong foram mortos por seus órgãos em larga escala”.

“A indústria de transplante de órgãos na China ainda é enorme e crescente, embora o número de prisioneiros executados judicialmente tenha diminuído na última década”, acrescentou o relatório.

Justiça

O painel do tribunal foi composto por sete membros, presididos por Sir Geoffrey, com experiência em direito internacional, medicina, negócios, relações internacionais e história chinesa.

Enver Tohti, um cirurgião uigur, ofereceu evidências de como ele foi forçado, sob as ordens de seu supervisor, a remover órgãos de uma pessoa que ainda estava viva na China em 1995.

“Existe uma expressão em inglês: ‘Bom demais para ser verdade.’ Nesse caso, é “muito ruim para ser verdade”, disse ele em uma entrevista após apresentar suas evidências.

“Espero que isso transmita uma mensagem séria ao líder chinês, as coisas que ele está fazendo com seu povo, Hitler tentou”, enfatizou. “Portanto, não tente, porque um dia você estará neste tribunal para ser julgado.”

Os tribunais populares são geralmente criados por vítimas de um crime grave, quando organizações internacionais não estão dispostas a investigar um assunto.

 
Matérias Relacionadas