Relato de uma testemunha ocular rara sobre a extração de órgãos vivos: “nenhum anestésico foi usado”

"Os órgãos não foram todos vendidos, alguns foram estocados"

O Partido Comunista Chinês (PCC) fará tudo o que estiver ao seu alcance para impedir que a verdade sobre seu lucrativo comércio de transplantes, bem como o modo como eles removem os órgãos dos praticantes do Falun Gong à força, seja divulgada. Mesmo assim, pessoas com senso de consciência estão se manifestando, algumas correndo grande risco de morte, para expor os crimes do regime contra a humanidade.

"Corneas, rins, corações ... eles até extraíram cérebros, eu não sei com que propósito". Foto ilustrativa (Getty Images | Kyodo News)
“Corneas, rins, corações … eles até extraíram cérebros, eu não sei com que propósito”. Foto ilustrativa (Getty Images | Kyodo News)

“Os órgãos não foram todos vendidos, alguns foram estocados”, disse a testemunha em primeira mão, um policial que trabalhava para o Departamento de Segurança Pública da cidade de Jinzhou, na província de Liaoning, nordeste da China. “Corneas, rins, corações … eles até extraíram cérebros, eu não sei com que propósito”.

O nome do oficial foi retido por sua segurança. Ele sabe que o PCC extrai órgãos, e ele admite ter participado da tortura de praticantes do Falun Gong “muitas vezes”, mas esta foi a primeira vez em que ele testemunhou a extração forçada de órgãos, foi demais para ele.

“Quando a tesoura cortou um vaso sanguíneo no coração, ela começou a convulsionar, foi extremamente aterrorizante” (©The Epoch Times)(©The Epoch Times)
“Quando a tesoura cortou um vaso sanguíneo no coração, ela começou a convulsionar, foi extremamente aterrorizante” (©The Epoch Times)

Ele sentiu um tremendo estresse psicológico e ficou com trauma após testemunhar o crime, ele aceitou uma entrevista de 30 minutos com um investigador da Organização Mundial para Investigar a Perseguição ao Falun Gong em dezembro de 2009, que o havia chamado pela terceira vez para uma entrevista.

“A extração começou às 17h em 9 de abril de 2002 e durou 3 horas.”

“Eles seguraram o bisturi no peito dela. Suas mãos não exitaram de modo algum.”Foto ilustrativa (Getty Images)
“Eles seguraram o bisturi no peito dela. Suas mãos não exitaram de modo algum.” Foto ilustrativa (Getty Images)

Em uma sala de operações localizada no 15º andar do Hospital das Clínicas do Comando Militar de Shenyang, Exército Popular de Libertação, uma praticante do Falun Gong de 30 anos foi mantida contra sua vontade simplesmente por sua crença.

“Nós já havíamos interrogado e brutalmente a torturamos por uma semana”, disse a testemunha ocular. “Seu corpo estava coberto de inúmeras feridas e cicatrizes. Nós a tínhamos chocado com armas de choque, atordoando-a.

Dois cirurgiões militares entraram na sala. O mais antigo era do Hospital Geral da Região Militar de Shenyang do Exército Popular de Libertação (ELP), o mais novo era graduado pela Segunda Universidade Médica Militar.

A testemunha disse que os cirurgiões começaram a cortar a mulher enquanto ela ainda estava viva, sem usar nenhum anestésico.

“Eles seguraram o bisturi no peito dela. Suas mãos não exitaram de modo algum.”

“Eles já haviam atingido o interior do corpo dela, ela gritou, a mulher gritou e gritou: ‘Falun Dafa é bom’”.

“Na época, minha arma foi carregada. Eu até tive esse pensamento, eu tinha 10 balas na minha arma, e havia 5 pessoas naquela sala. Eu queria atirar em todos eles" (©The International Coalition Against Human Trafficking)
“Na época, minha arma foi carregada. Eu até tive esse pensamento, eu tinha 10 balas na minha arma, e havia 5 pessoas naquela sala. Eu queria atirar em todos eles” (©The International Coalition Against Human Trafficking)

“[Ela] disse, ‘você pode me matar’. Basicamente, ela queria dizer que ‘você pode me matar, mas você terá que matar centenas de milhões de pessoas, pessoas que estão sendo perseguidas por acreditar em uma fé verdadeira’. Naquele momento, os médicos, os médicos militares, hesitaram. Eles me lançaram um olhar e, em seguida, dispararam um olhar para a nosso alto funcionário e o oficial assentiu. Ele continuou com o vaso sanguíneo … primeiro foi a extração do coração e, em seguida, a extração dos rins. Quando a tesoura cortou um vaso sanguíneo no coração, ela começou a convulsionar, foi extremamente aterrorizante. Eu posso imitar seus gritos, mas eu não sou bom nisso. Seus gritos eram como se algo estivesse rasgando, rasgando, e então, ah, ahhh … sua boca estava aberta, seus olhos estalando, boca aberta. Minha nossa… eu não posso continuar falando sobre isso.”

Quando perguntado pelo nome da mulher, o policial estava com medo de que, se ele revelasse, ele se expusesse. “Eu não posso lhe dizer isso, porque havia apenas alguns de nós naquela sala de cirurgia”.

Ele disse que a mulher era uma professora do ensino médio. Ela era casada com um operário de fábrica e eles tinham um filho de 12 anos. Foto ilustrativa (Getty Images | AFP Contributor)
Ele disse que a mulher era uma professora do ensino médio. Ela era casada com um operário de fábrica e eles tinham um filho de 12 anos. Foto ilustrativa (Getty Images | AFP Contributor)

A vítima foi torturada e estuprada por um mês antes de ser morta.

O oficial de Jinzhou tinha 22 anos na época da extração de órgãos vivos. Ele disse que a mulher era uma professora do ensino médio. Ela era casada com um operário de fábrica e eles tinham um filho de 12 anos.

“Antes de sua morte, ela havia passado por um  indescritível abuso sexual ” (©The Epoch Times)
“Antes de sua morte, ela havia passado por um indescritível abuso sexual ” (©The Epoch Times)

“Antes de sua morte, ela havia passado por um indescritível abuso sexual. Muitos policiais são muito pervertidos sexualmente. Eles fizeram coisas com ela, usaram alicates, espéculo vaginal. Eu não sei onde eles conseguiram esse equipamento. Essas coisas eu testemunhei em primeira mão. Só lamento não ter tirado fotografias do que fizeram. Os policiais a violaram sexualmente. Ela era bonita, meio bonita. Eles a estupraram … eles fizeram tantas coisas assim [com ela] ”.

Ele diz que toda essa tortura não ocorreu na Secretaria de Segurança Pública, mas sim nos fundos de um hotel que os policiais alugaram como “centro de treinamento”, também conhecido como prisão negra.

“Alugamos 10 quartos em um prédio, eles fizeram essas coisas naquele prédio.”

Ele disse que nunca machucou a mulher, mas que sente um imenso remorso por não ter sido capaz de salvá-la.

“Todos os outros policiais tinham posições hierárquicas superiores à minha, eu não consegui salvá-la.”

“Havia outras coisas que eram ainda mais sinistras, basicamente … basicamente … eu sinto que estou em falta com ela, sempre que penso naqueles momentos, sinto que devo a ela. Eu não consegui salvá-la.”

O policial relembra o que passou pela sua cabeça naquele dia em que ocorreu o assassinato sancionado pelo Estado:

“Na época, minha arma foi carregada. Eu até tive esse pensamento, eu tinha 10 balas na minha arma, e havia 5 pessoas naquela sala. Eu queria atirar em todos eles.”

Furioso, ele diz que repreendeu severamente os cirurgiões na sala de cirurgia, gritando: “Você ainda é um ser humano?” O oficial de 22 anos foi então criticado pelo diretor do Gabinete Político do Departamento de Segurança Pública e rebaixado. Ele acabou deixando o Departamento de Segurança Pública e entrou no governo local.

Quando o investigador elogiou a testemunha como “um grande homem” por se apresentar, o ex-oficial discordou, dizendo que ele é “uma pessoa repugnante”, acrescentando que sente muita culpa por se envolver com a política genocida do PCC.

Ainda assim, ele acrescentou: “Quero que mais pessoas como eu falem, que tenham coragem de dizer a verdade”.

Aqui está a gravação da entrevista, com legendas em inglês:

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma disciplina de meditação baseada nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância. Temendo a enorme popularidade da prática pacífica – com 100 milhões de praticantes no final dos anos 90 – o ex-chefe do Partido Chinês, Jiang Zemin, ordenou ao Partido que eliminasse o Falun Gong e coletasse os órgãos dos praticantes para obter lucro. O genocídio continua até hoje.

Para a entrevista completa, consulte o documento WOIPFG.

 
Matérias Relacionadas