Política de vistos H-1B de Trump ajuda trabalhadores de tecnologia americanos

Trump disse que não é contra trazer talentos do exterior, mas não às custas dos americanos

Por Petr Svab

As empresas vêm demonstrando uma crescente preferência pela contratação de norte-americanos desde que o presidente Donald Trump impôs um exame mais rigoroso dos vistos, que são muito usados ​​para contratar trabalhadores de tecnologia estrangeiros.

Enquanto algumas empresas dizem que precisam de mais vistos para compensar a falta de talentos americanos, os dados sugerem que os vistos foram alvo de abusos ​​no intuito de substituir os trabalhadores americanos. Em abril de 2017, Trump emitiu uma ordem executiva para “comprar de americanos e contratar americanos”.

Em resposta, os Serviços de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS) começaram a reprimir as fraudes e abusos no programa de vistos H-1B.

Os H-1Bs permitem que empresas dos Estados Unidos contratem até 85.000 trabalhadores estrangeiros por ano por até seis anos e depois os patrocinam para obterem residência permanente. Os trabalhadores elegíveis podem ser contratados geralmente para qualquer trabalho que requeira pelo menos um diploma de bacharel. A maioria dos que usaram o visto são trabalhadores da área de computação.

“O programa de vistos H-1B deve ajudar as empresas dos Estados Unidos a recrutar estrangeiros altamente qualificados quando houver escassez de trabalhadores qualificados no país”, afirmou o USCIS em seu site. “No entanto, muitos trabalhadores americanos que são tão qualificados, dispostos e merecedores de trabalhar nesses campos foram ignorados ou injustamente desfavorecidos”.

A agência deixou claro que irá atrás de trapaceiros e “protegerá os interesses econômicos dos trabalhadores americanos”. Parece ter mirado em empresas que fornecem terceirização de tecnologia, como a Cognizant Corp., a HCL Technologies Ltd., a Infosys Ltd., a Tata. Consultancy Services Ltd., Wipro Ltd., unidade da IBM na Índia e Accenture.

Sonho americano terceirizado


As empresas de terceirização têm sido as usuárias dominantes dos vistos H-1B, com as 15 principais delas obtendo mais de 1 em cada 4 aplicações aprovadas no ano fiscal de 2017. Essas empresas obtêm uma proporção muito alta devido ao grande número de aplicações que fazem, pois o USCIS seleciona as aplicações por sorteio, até que o limite de 85.000 seja alcançado.

Essas empresas atraem dezenas de milhares de estrangeiros todos os anos (geralmente da Índia) para uma tecnologia de gerenciamento mais barata, como sistemas de computador, para empresas americanas. As empresas, por sua vez, demitem trabalhadores técnicos locais.

“Às vezes, os trabalhadores H-1B são 40% mais baratos que os americanos e, como um bônus adicional para os empregadores, é improvável que os trabalhadores do H-1B se queixem de salários e condições de trabalho abaixo do padrão”, escreveu Ron Hira, pesquisador do Economic Policy Institute.

Por causa de uma brecha na lei de imigração, os trabalhadores americanos têm pouco recurso.

Em 2015, a Walt Disney Co. terceirizou suas operações de computação em Orlando com a Cognizant e a HCL America, demitindo 250 trabalhadores de tecnologia americanos como resultado.

Alguns dos que foram demitidos levaram a Disney e seus contratados ao tribunal por infringirem as leis de imigração, porque os patrocinadores do H-1B têm que certificar que as contratações estrangeiras “não afetarão negativamente as condições de trabalho dos trabalhadores” com empregos semelhantes. Os peticionários alegaram que foram afetados negativamente porque tiveram que treinar as pessoas que os estavam substituindo por salários menores.

O juiz descartou o caso, dizendo que a Cognizant e a HCL não mentiram na papelada H-1B porque não foram os funcionários delas que foram afetados, mas os da Disney’s, relatou o Orlando Sentinel.


A interferência de Trump

O presidente disse que não é contra trazer os maiores talentos do exterior, mas não às custas dos americanos.

“Neste momento, os vistos H-1B são concedidos em uma loteria totalmente aleatória, e isso é errado. Em vez disso, eles devem ser dados aos candidatos mais qualificados e mais bem pagos, e eles nunca devem ser usados ​​para substituir os americanos”, disse Trump no ano passado.

Em abril de 2017, o USCIS suspendeu o processamento rápido de duas semanas para petições H-1B, fazendo com que os solicitantes esperassem seis meses para confirmar a aprovação. O fast track foi restaurado em outubro.

O USCIS também trocou verificações aleatórias dos empregadores H-1B para verificações direcionadas para aqueles que têm uma alta proporção de contratações H-1B, têm credenciais comerciais difíceis de serem validadas ou trazem pessoas em H-1Bs que trabalham em outras unidades das empresas.

Em fevereiro, foi anunciado que as empresas que enviavam trabalhadores do H-1B para “um local de trabalho terceirizado” deveriam fornecer a “documentação detalhada para garantir uma relação legítima empregador-empregado”.

E em março, o USCIS emitiu um memorando com uma política que torna mais difícil para os candidatos do H-1B aumentarem suas chances caso existam várias empresas patrocinando-os separadamente para o mesmo trabalho. Normalmente, cerca de 200.000 candidatos competem pelos 85.000 vistos.

Parece que as empresas perceberam o escrutínio de Trump, patrocinando 7% menos pedidos iniciais de H-1B no ano fiscal de 2017 do que no ano anterior.

“Quarenta e sete por cento das empresas americanas planejam ou estão dispostas a contratar talentos internacionais em 2018, abaixo dos 55% que tinham tais planos em 2017”, disse o relatório do Graduate Management Admission Council, baseado em uma pesquisa de 2018 de mais de 600 empresas americanos.

Além disso, as empresas deram ao H-1B um aumento médio de 6,2% em 2017 – o maior desde 2009 -, o que relaxa a pressão negativa do H-1B sobre os salários de tecnologia americanos.

Escassez em tecnologia?

Algumas empresas e defensores da imigração dizem que a América precisa de mais H-1Bs.

“O sistema universitário dos Estados Unidos não está atualmente fornecendo alunos qualificados em ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Nossa economia precisa desses talentos ”, disse Jason Finkelman, um advogado de imigração de Austin, Texas.

Os campos da ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) deverão precisar de quase 2,3 milhões de novos trabalhadores qualificados entre 2016 e 2026, de acordo com um relatório de 2017 do Serviço de Pesquisa do Congresso (com base em dados de 2016).

Quase todos os empregos STEM exigiam um grau de bacharel ou similar, de acordo com um relatório de 2017 pelo Bureau of Labor Statistics. Apenas 5% requeriam um doutorado ou um diploma profissional e quase nenhum necessitava de um mestrado.

Durante o período de 2016–2026, as universidades americanas deverão conceder quase 4,5 milhões de bacharelados em STEM para cidadãos americanos ou residentes permanentes, com base nos dados da National Science Foundation 2015, e assumiram tendências similares de crescimento de interesse nesses campos de estudo como no período de 2009 a 2015.

Estudantes estrangeiros com vistos temporários representavam menos de 10% dos diplomas de matemática e computação em 2015. Mas eles dominaram os programas de pós-graduação, respondendo por quase 4 em 5 estudantes de pós-graduação em ciência da computação, de acordo com um relatório de 2017 da National. Fundação para a política americana.

A mudança está mais direcionada à imigração do que aos acadêmicos.

Da faculdade para o green card

No atual mercado de trabalho em expansão, com mais vagas de emprego do que as pessoas oficialmente desempregadas, os estudantes americanos em lucrativos campos STEM têm uma boa chance de conseguir um emprego de interesse com um diploma de bacharel. Em vez de um diploma de pós-graduação, o que muitas vezes significa aumentar a dívida de estudante e atrasar os contracheques, os candidatos podem optar por ter mais anos de experiência em seu currículo.

Os estudantes estrangeiros, por outro lado, são incentivados a ingressar em programas de pós-graduação, porque 20.000 vistos H1-B são reservados a cada ano para graduados dos programas de mestrado dos Estados Unidos.

Os alunos são incentivados a se formar em doutorado, porque os artigos publicados reforçam seu processo de imigração. Se um empregador patrociná-lo por um green card, as leis de imigração darão prioridade para a comprovação de “habilidade excepcional em ciências, artes ou negócios”.

Muitos dos alunos nunca atingem o objetivo do green card, mas isso não impede as faculdades de lucrarem com as mensalidades.

Um relatório de 2017 do Centro de Estudos de Imigração (CIS) acusou 55 faculdades com mais de 100 campus em todo o país de serem “fábricas de vistos”, com até 95% de seus estudantes sendo estrangeiros com vistos temporários.

Os estudantes estrangeiros nas áreas STEM podem obter autorização de trabalho como treinamento por até três anos após a graduação no programa Optional Practical Training (OPT). O programa também dá aos empregadores uma redução de impostos de 7,65%.

David North, pesquisador do CIS e autor do relatório, disse que cerca de 40 mil estudantes estrangeiros estão vinculados às 55 escolas, com uma rotatividade estimada em 20 mil por ano à medida que novos alunos chegam e os antigos partem.

“Muitos dos que estão partindo estão entrando em situação ilegal ou o farão após um período no programa OPT”, afirma o relatório.

O USCIS reforçou as regras para a elegibilidade da STEM OPT em janeiro, impondo condições para garantir que seja realmente um treinamento prático e não apenas a contratação de estrangeiros como mão-de-obra mais barata.

Enquanto os estudantes estrangeiros estão lutando para descobrir se o oleoduto de visto para cidadania H-1B ainda é válido, os trabalhadores americanos da STEM podem esperar salários mais altos e demanda por suas habilidades.

 
Matérias Relacionadas