Polícia francesa relata quase 900 atos de vandalismo anti-cristão em 2018. O que está acontecendo?

Daily Caller Logo

A polícia francesa informou 129 furtos e 877 atos de vandalismo em espaços católicos em 2018, mas nem a Igreja nem a mídia francesa estão chamando a atenção para os incidentes generalizados, informou a RealClearInvestigations na quarta-feira, 10 de julho.

“É difícil dizer exatamente, mas sabemos que o governo minimizou os números oficiais por anos … O governo francês e a mídia parecem ser mais cúmplices em seu silêncio, talvez porque a igreja e o cristianismo sejam vistos como uma maioria historicamente poderosa”. Ellen Fantini, do Observatório sobre Intolerância e Discriminação contra Cristãos na Europa, disse à Daily Caller News Foundation em um e-mail, na quinta-feira.

Os números de 2018 contam apenas parte da história. O Ministério do Interior da França disse que os ataques contra locais cristãos quadruplicaram entre 2008 e 2019, segundo a RealClear.

Estes ataques incluem a micção em fontes batismais, a profanação de cemitérios católicos e a destruição de arte centenária. Alguns apontam para o crescimento da “cristianofobia” e citam os exemplos extremos de suspeita de terrorismo, como o tiroteio num mercado de Natal lotado, em Estrasburgo, na França, em dezembro e no assassinato de 2016 do padre Jacques Hamel.

Polícia francesa protege a área na Avenida Champs Elysées depois de um incidente em Paris, França, 19 de junho de 2017 (Charles Platiau / Reuters)

Que mudanças culturais estão levando vândalos a cometer crimes como atear fogo à porta de Saint-Sulpice, a segunda maior igreja de Paris? Especialistas entrevistados pelo RealClear deram explicações variadas: eles culparam a falta de respeito pela religião em vez do Cristianismo em particular, o fato de que esses locais católicos são desprotegidos e, portanto, alvos fáceis para ataques, e o crescente sentimento anticristão no país alimentado pelo abuso sexual do clero.

Por exemplo, a revista cristã, Avenir de la Culture, analisou o exemplo de uma manifestante nua posando em frente à estátua da Virgem Maria na Gruta em Lourdes, relatou RealClear.

“Estes não são atos isolados”, escreveu o autor em setembro, de acordo com a tradução da RealClear. “Eles testemunham um clima na França que é profundamente anti-cristão”.

Mas o filósofo político francês, Pierre Manent, adotou uma perspectiva diferente.

“Esse vandalismo é atraído para locais cristãos porque eles são menos defendidos e apresentam pouco risco, e há muitos deles”, disse ele de acordo com a RealClear.

Polícia francesa no local de um incidente de tiroteio perto da Catedral de Notre Dame, em Paris, França, em 6 de junho de 2017 (Charles Platiau / Reuters)

As histórias dessas profanações podem permanecer incalculáveis porque muitos membros da igreja que são mais afetados não querem protestos da mídia.

“Não queremos desenvolver um discurso de perseguição”, disse o arcebispo Georges Pontier, chefe da Conferência dos Bispos da França, a Le Point, de acordo com uma tradução incluída no RealClear. “Nós não queremos reclamar.”

A mídia e o governo podem não chamar a atenção para os ataques para evitar provocar sentimentos anti-islâmicos, embora evidências mostrem que os muçulmanos estão por trás de uma “pequena fração” de crimes anticristãos, segundo a RealClear.

Muitos perpetradores nunca são apanhados, mas a imprensa francesa indica que cerca de 60% dos detidos são jovens, de acordo com a RealClear.

No entanto, outros jovens estão avançando para combater o vandalismo, disse Fantini.

“Em uma nota positiva, uma nova iniciativa de cidadãos foi formada (principalmente jovens católicos, até onde eu sei, chamada Protège ton église … para coordenar voluntários para verificar igrejas e educadamente dispersar encrenqueiros”, disse ela.

Por Evie Fordham

Da The Daily Caller News Foundation

 
Matérias Relacionadas