Milhares de pessoas desafiam proibição policial de homenagear o massacre da Praça da Paz Celestial em Hong Kong

Por Eva Fu e Frank Fang

Milhares de moradores de Hong Kong ignoraram a proibição da polícia e realizaram uma vigília à luz de velas no Victoria Park para comemorar as vítimas do massacre da Praça da Paz Celestial de 1989 em 4 de junho.

A vigília anual em Hong Kong é a única comemoração pública do evento em território governado pela China; os protestos pró-democracia de 1989 que foram brutalmente reprimidos pelo regime chinês são um assunto tabu na China continental. A polícia de Hong Kong proibiu o evento, citando preocupações sobre a propagação do vírus do PCC.

Os moradores haviam expressado preocupação de que essa poderia ser a última vez que um evento público seria realizado, à luz da decisão de Pequim de promulgar uma lei de segurança nacional em Hong Kong para penalizar quaisquer atividades que o regime chinês considerar como “secessão, subversão, infiltração ou sabotagem”.

A Aliança de Hong Kong em Apoio aos Movimentos Democráticos Patrióticos na China, organizadora da manifestação anual desde 1990, acendeu as primeiras velas por volta das 18h30 hora local perto de uma fonte de água no parque, antes de entrar nos campos de futebol do parque, apesar das barricadas criadas pelas autoridades locais.

Os membros da aliança se juntaram a centenas de habitantes locais, apesar da presença de policiais de choque nas estradas próximas ao parque.

Ao contrário das vigílias dos últimos anos, as pessoas fizeram mais do que se lembrar das vítimas. Elas também aproveitaram a oportunidade para expressar suas demandas como parte de um movimento pró-democracia local contra a invasão de Pequim, que eclodiu em junho de 2019 por causa de um projeto de extradição desde então descartado.

Joe, que participou de uma vigília no bairro de Tsim Sha Tsui, disse que os objetivos do movimento de Hong Kong e dos manifestantes de 1989 eram o mesmo.

“Todos esperamos democracia e um modo de vida livre. Se não nos lembrarmos da história, talvez daqui a uma dúzia de anos, isso acontecerá novamente”, afirmou.

Lam se emocionou ao se lembrar daquela noite, 31 anos atrás, quando ficou acordada a noite toda assistindo na televisão o que aconteceu em Pequim.

“Eu não conseguia dormir”, disse ela ao Epoch Times. “Como a vida pode ser tão desesperadora? Eu nunca imaginei que eles seriam tão cruéis”.

Ela expressou frustração com a proibição da polícia em uma manifestação oficial.

“Por que uma esperança tão singela seria suprimida?” disse ela, embora estivesse otimista com o futuro do movimento de Hong Kong. “A verdade sempre prevalecerá. Confio nos moradores de Hong Kong”.

As pessoas seguram cartazes com as palavras “Os céus destruirão o Partido Comunista Chinês” em uma vigília no Victoria Park, Hong Kong, em 4 de junho de 2020 (Song Bilung / The Epoch Times)
As pessoas seguram cartazes com as palavras “Os céus destruirão o Partido Comunista Chinês” em uma vigília no Victoria Park, Hong Kong, em 4 de junho de 2020 (Song Bilung / The Epoch Times)

Os participantes do Victoria Park gritaram slogans como “Hong Kong Livre, Revolução dos Nossos Tempos”, “Vindique em 4 de junho”, “Fim da ditadura de partido único” e “Oposição contra a lei de segurança nacional”.

“Glória a Hong Kong”, o hino não oficial do movimento democrático, também foi tocado.

Por volta das 21h no distrito de Mong Kok, manifestantes tentaram estabelecer barreiras nas estradas, de acordo com a mídia local. Policiais à paisana logo usaram spray de pimenta e subjugaram vários indivíduos.

No início do dia, a legislatura da cidade, com uma maioria pró-Pequim, aprovou um projeto de hino nacional controverso, que puniria qualquer um que desrespeitasse o hino nacional chinês. Também exigiria que as escolas ensinassem a história do hino e a “etiqueta do Partido Comunista Chinês para tocar e cantar o hino nacional”.

Os participantes expressaram preocupação com o futuro de Hong Kong à luz da recente mudança de Pequim. “Nosso antigo modo de vida em Hong Kong era [que] você pode dizer o que quiser. … A menos que você queira cancelar um país, dois sistemas – caso contrário, é errado não permitir que as pessoas se manifestem”, disse Joe.

Lee, que também participou da vigília em Tsim Sha Tsui, disse acreditar que era sua responsabilidade lembrar a próxima geração de “quão autoritário é o regime [chinês]”.

“Está se tornando ainda mais opressivo agora e até quer nos silenciar, mas as vozes das pessoas só ficaram mais altas”, disse ela, referindo-se ao movimento de protesto em andamento. “Quanto mais você os proíbe, mais altas são as vozes de resistência”.

Em Taipei, Taiwan, cerca de 2.000 pessoas se reuniram para uma vigília no One Liberty Plaza.

Wu Renhua, que testemunhou o massacre e escapou da China com a ajuda de pessoas de Hong Kong, disse que estava feliz em ver a vigília no Victoria Park. Ele alertou que, se não fosse interrompido, o regime usaria táticas semelhantes para suprimir a dissidência.

“O massacre de 4 de junho não é história, é uma realidade”, disse ele em discurso.

A edição de Hong Kong do Epoch Times contribuiu para esta reportagem.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Você sabia que somos independentes?

O Epoch Times é independente de qualquer influência de empresas, governos ou partidos políticos. Nosso único objetivo é levar aos leitores informações precisas e ser responsáveis perante o público.

Estamos trabalhando dia e noite para cobrir o surto de vírus do PCC para você. Doar tão pouco quanto uma xícara de café ajudará a manter nossa mídia em funcionamento.

Ajude-nos agora doando um ‘CAFÉ’ para a equipe.

Veja também:

A conexão de Wall Street com a pandemia

 

 
Matérias Relacionadas