Limpando Pequim: campanha anticorrupção investiga 80 oficiais em quatros meses

Durante os primeiros quatro meses deste ano, as autoridades anticorrupção da China investigaram 80 oficiais por violação à disciplina do Partido Comunista. Dentre os investigados, três quartos foram acusados formalmente.

No dia 10 de maio, a Comissão de Pequim para a Inspeção da Disciplina publicou no seu jornal oficial, chamado “Supervisão para a lei e a ordem na China”, que estava contratando “inspetores especiais” para realizar investigações, tanto públicas como privadas, a instâncias oficiais de Pequim.

Os oficiais implicados receberam a acusação habitual de “violar a disciplina do partido”, aceitar subornos, contratar prostitutas etc.

Leia também:
Troca de militares em Pequim indica intensificação da campanha de Xi Jinping
Devido à poluição do ar, Pequim é “inabitável para o ser humano”, diz estudo
Cidadãos de Pequim são presos por distribuírem calendários sobre Falun Gong

Wang Haisheng, diretor da agência de Pequim da China Telecom, ficou na mira do partido depois de ter usado fundos públicos para contratar massagistas, e pelo menos em uma ocasião contratar uma prostituta, relatou a mídia chinesa Sina, no dia 7 de maio. O diretor da firma estatal foi demitido de seus cargos e foi lhe retirado o estatuto de membro do Partido Comunista.

No mesmo dia, a revista chinesa Caixin reportou que Qiao Rui, diretor de finanças do Comitê de Pequim do Congresso Popular, antigo vice-diretor do Hua Xia Bank e ex-presidente do Beijin Rural Commercial Bank, foi detido por oficiais para a inspeção da disciplina no mês passado.

No caso de Qiao, foi aplicada a “Shuanggui”, uma ferramenta extralegal pouco conhecida e usada normalmente pela agência de disciplina para investigar e interrogar oficiais do Partido. O termo chinês significa “designação dupla”, e descreve o processo em que o oficial investigado é detido pelas autoridades em determinado lugar por um período de tempo indefinido. Em alguns casos, os detidos nestas condições são torturados ou até assassinados para extrair informação e confissões.

Hua Xia Bank, fundado em 1991, está cotado publicamente na República Popular da China, e sediado em Pequim. Desde 2011, o banco alemão Deutsche Bank  é dono de um quinto das ações do banco.

 
Matérias Relacionadas