Cuba continua perdendo atletas: dois jovens velejadores vão aos EUA

A ditadura cubana admitiu que o número de desertores é significativo

Por Alicia Marquez 

O regime cubano continua perdendo atletas, na segunda-feira foi anunciado que dois jovens velejadores, Iris Laura Manso e Carlos Miguel Expósito, da delegação cubana, deixaram a ilha para ir para os EUA, informou o SSL Team Cuba.

“Iris Laura Manso e Carlos Miguel Expósito não farão parte da equipe SSL TEAM CUBA”, informou a equipe da delegação cubana de regata no Facebook nesta segunda-feira.

“Os jovens velejadores Iris Laura Manso e Carlos Miguel Expósito não estarão com a equipe PIRATAS DO CARIBE em junho, na próxima na Copa do Mundo SSL na Suíça”, acrescentou.

A equipe destacou que os jovens da província de Caibarién decidiram partir para os Estados Unidos e depois de semanas “conseguiram seu objetivo de levar uma nova vida no país do norte”.

E acrescentou que “a Comissão Nacional de Vela juntamente com Nélido Manso, seu capitão, estão trabalhando na seleção dos novos substitutos para a competição internacional SSL”.

O capitão da delegação cubana, Nélido Manso López, campeão mundial de snipe em 1999 em Múrcia, na Espanha, é pai da jovem velejadora Laura Manso e, junto com sua filha, se juntou à dupla de snipes nos últimos anos, depois de mais de uma década longe de o esporte.

O veleiro da classe snipe é um pequeno barco usado para competições de esportes de velocidade entre barcos.

Até recentemente, em 8 de março, ambos os atletas ainda eram considerados parte da equipe, em um post que dizia “Membros dos ‘Piratas do Caribe’” da SSL Team Cuba no Facebook.

A revista esportiva cubana, Revista Play-Off, disse esta semana que, há cerca de dois meses, os jovens Manso e Expósito foram para os Estados Unidos depois de empreender “a arriscada jornada” e “se reuniram com suas famílias naquele país”.

Expósito também liderou o pódio da ilha em snipe, segundo a revista especializada.

A perda desses dois velejadores da classe snipe se soma a uma longa e crescente lista de atletas desistentes na ilha, que aumentou durante o ano passado.

Na semana passada, foi revelado que o boxeador cubano Kevin Brown escapou de sua delegação esportiva antes de sua participação no Campeonato Continental de Boxe na cidade de Guayaquil, no Equador.

Em fevereiro, a Comissão Nacional de Canoagem (CNC) havia anunciado que o cubano Fernando Dayán Jorge, medalhista de ouro olímpico em canoagem em Tóquio 2020, abandonou a delegação com a qual iria treinar no México.

No início de março, o saltador em distância Lester Lescay Gay, campeão dos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018 na Argentina, abandonou a delegação de atletismo da ilha durante uma turnê pela Europa.

No mesmo mês, também foi anunciado que dois jogadores de beisebol cubanos deixaram a delegação da ilha para buscar melhores opções no exterior.

Um deles é o arremessador Leam Méndez, que assinou com o time do New York Yankees na República Dominicana, segundo o jornalista esportivo Francys Romero.

E o segundo, Maykol Valdivia Brown, que era capitão da seleção sub-15 e veio para a República Dominicana em busca de um time. O jogador de beisebol seria listado, informou o Nuevo Herald.

A ditadura cubana admitiu em janeiro que o número de desertores é significativo, já que um total de 635 jogadores de beisebol deixaram o país nos últimos seis anos, destacando que o número inclui a saída por canais “legais ou ilegais”, segundo o jornal estatal “Trabajadores”.

Siga Alicia Marquez no Twitter: @AliceMqzM

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas