Cobertura de Xi-Trump pela mídia estatal chinesa no G-20 omite detalhes sobre grandes questões

Relatório é insuficiente sobre questões comerciais e falha em especificar controles de fentanil acordados

Poe Annie Wu, Epoch Times

A mídia estatal chinesa deixou de fora alguns detalhes conspícuos em sua cobertura do encontro entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o líder chinês Xi Jinping, na cúpula do G-20 em Buenos Aires, Argentina.

As negociações do G-20 resultaram em um cessar-fogo. Após a conclusão da reunião em 1 de dezembro, o secretário de imprensa da Casa Branca enviou uma declaração com detalhes sobre o resultado, incluindo a decisão principal de Trump de suspender o aumento da tarifa sobre as importações chinesas no valor de US$ 200 bilhões de 10 para 25 por cento em 1 de janeiro.

Enquanto isso, a China concordou em comprar mais bens dos Estados Unidos para reduzir o superávit comercial que tem atualmente com o país – incluindo produtos agrícolas.

Os dois líderes concordaram com uma trégua, desde que nos próximos 90 dias, a China e os Estados Unidos negociem “sobre mudanças estruturais no que diz respeito à transferência forçada de tecnologia, proteção à propriedade intelectual, barreiras não-tarifárias, intrusões cibernéticas e furto cibernético, serviços e agricultura”. Mas se no final do período de 90 dias, as duas partes não conseguirem chegar a um acordo, o aumento tarifário programado entrará em vigor.

A mídia estatal chinesa pintou um quadro diferente das negociações. A mídia estatal Xinhua publicou seu artigo sobre a reunião Xi-Trump após 1 hora da tarde. em 2 de dezembro, horário de Pequim, com descrições de como os dois líderes se reuniram em uma “atmosfera honesta e amigável”.

O relatório menciona que os Estados Unidos concordaram em “parar de adicionar novas tarifas”, mas não explicam o prazo de 90 dias, nem o acordo para negociar questões de roubo de propriedade intelectual e barreiras comerciais. “As equipes econômicas dos dois países vão intensificar as consultas, avançando no sentido de eliminar todas as tarifas adicionais, para um acordo concreto de benefício mútuo”, diz o relatório.

A Xinhua também não fez menção às promessas da China de comprar mais produtos dos Estados Unidos e a um detalhe na declaração da Casa Branca sobre a tentativa fracassada da Qualcomm de comprar a NXP Semiconductors depois dos reguladores chineses não aprovarem o acordo.

“O presidente Xi também declarou que está aberto a aprovar o acordo não aprovado da Qualcomm-NXP, caso seja novamente apresentado a ele”, dizia o comunicado da Casa Branca. A Qualcomm anunciou que cancelaria sua oferta para comprar a empresa com sede na Holanda em julho, depois que o regulador desconfiado da China não tomou nenhuma decisão sobre a aprovação do prazo.

A Qualcomm precisava da aprovação da China porque o país respondia por quase dois terços da receita da empresa no ano passado, segundo a Reuters.

Os únicos detalhes que combinaram tanto na declaração da Casa Branca quanto no relatório da Xinhua foram a decisão de Xi de controlar mais rigorosamente o fentanil na China e o compromisso dos dois líderes com a desnuclearização na Coréia do Norte.

É importante salientar que o artigo da Xinhua em chinês não detalhou as medidas de controle sobre o fentanil que a China irá implementar, enquanto a declaração da Casa Branca disse que Xi decidiu designar o fentanil como uma “substância controlada, significando que as pessoas que vendem fentanil para os Estados Unidos estarão sujeitas à penalidade máxima da China sob a lei”.

Essas óbvias omissões pintam a China com uma posição mais positiva nas negociações comerciais, parecendo que os Estados Unidos haviam cedido com o fim da progressão das tarifas.

Fentanil

A China é o país de origem da maior parte do fentanil ilícito encontrado nos Estados Unidos. A droga, cerca de 100 vezes mais potente que a morfina, está no centro da atual crise de opióides, com quase 30.000 mortes por overdose envolvendo fentanil e similares – apresentando um total de mais de 72.000 mortes por overdose por drogas em 2017, segundo o U.S. National Institute on Drug Abuse.

A administração dos Estados Unidos descobriu que os fabricantes na China conseguiram explorar brechas no sistema de embarque dos Estados Unidos para contrabandear fentanil para o país e há muito tempo buscam cooperação das autoridades chinesas para reprimir o fentanil e outros fabricantes de drogas sintéticas na China.

Sacos de heroína, alguns com fentanil, são exibidos antes de uma coletiva de imprensa no escritório do Procurador Geral de Nova York, em Nova York, em 23 de setembro de 2016 (Drew Angerer / Getty Images)
Sacos de heroína, alguns com fentanil, são exibidos antes de uma coletiva de imprensa no escritório do Procurador Geral de Nova York, em Nova York, em 23 de setembro de 2016 (Drew Angerer / Getty Images)

No entanto, as empresas farmacêuticas chinesas – até empresas de capital aberto – operam sem repercussões há muito tempo.

As autoridades chinesas também já negaram que a China fosse o principal produtor de fentanil.

Por exemplo, durante uma coletiva de imprensa diária com o Ministério das Relações Exteriores da China em 27 de novembro, o porta-voz respondeu à pergunta de um repórter sobre os esforços da China para conter o fentanil: “O lado americano denunciou a China por ser a principal fonte de fentanil nos Estados Unidos mas nunca forneceu à China dados precisos e evidências efetivas [sobre isso]”.

Em um artigo de agosto de 2018 do jornal estatal Global Times, Yu Haibin, chefe da Comissão Nacional de Controle de Narcóticos da China, reiterou essa posição e foi citado dizendo: “Eu não sei onde se originou a base para essa afirmação. A China não pode absolutamente aceitar isso”.

Após as notícias das negociações do G-20, a mídia chinesa continuou a negar a responsabilidade.

Um artigo de 2 de dezembro publicado pelo China Securities Journal tentou explicar o que é o fentanil, descrevendo-o como “um bom remédio” para reduzir a dor após a cirurgia ou usado como anestésico.

Da mesma forma, um artigo de 2 de dezembro do jornal financeiro chinês National Business Daily citou o artigo do Global Times de agosto para refutar as críticas dos Estados Unidos à produção desenfreada de fentanil na China.

As empresas farmacêuticas chinesas também se manifestaram em defesa própria para alegar à mídia chinesa que não exportam fentanil para os Estados Unidos. A Humanwell Hi-tech, uma empresa farmacêutica sediada na cidade de Wuhan, fez essa observação ao jornal chinês Economic Observer, enquanto a Nhwa Pharmaceutical Co., localizada na província costeira de Jiangsu, fez uma declaração similar ao National Business Daily em 2 de dezembro.

Frank Fang contribuiu para este relatório.

Siga Annie no Twitter: @annieeenyc

 
Matérias Relacionadas