China afirma que conta do embaixador foi hackeada no Twitter após ele ‘curtir’ vídeo adulto

Comportamento incomum do embaixador Liu gerou muita zombaria

Por Alexander Zhang

A embaixada chinesa no Reino Unido alegou que a conta oficial do embaixador Liu Xiaoming no Twitter foi hackeada depois que ele “curtiu” um vídeo adulto da plataforma de mídia social.

A conta do embaixador, que tem 85.700 seguidores, atraiu atenção na manhã de 9 de setembro, quando alguns usuários descobriram que ele “curtiu” um vídeo de 10 segundos de um ato sexual, postado por uma conta do Twitter com temas adultos.

Luke de Pulford, um defensor dos direitos humanos com sede em Londres, alertou outras pessoas sobre a descoberta, postando uma captura de tela como prova.

“AVISO: NÃO LEIA ISSO SE VOCÊ ESTÁ COMENDO”, escreveu de Pulford, que é membro da Comissão de Direitos Humanos do Partido Conservador Britânico.

“Eu me senti um pouco mal com isso”, disse ele sobre a postagem, constrangendo publicamente o embaixador. “Mas então me lembrei dos campos de concentração com #Uyghurs e #HongKong, e isso rapidamente passou por mim”, referindo-se à perda de liberdade nas regiões de Xinjiang e Hong Kong pelo regime chinês.

“Graças a Deus ele me bloqueou”, disse Benedict Rogers, diretor executivo da ONG britânica Hong Kong Watch. Os usuários do Twitter podem bloquear o acesso de usuários específicos ao conteúdo de suas contas.

“Então é isso que [o embaixador] faz com seu tempo, quando não está espalhando mentiras ou perseguindo os críticos”, escreveu Rogers em sua conta no Twitter.

O comportamento on-line incomum do embaixador Liu gerou muita zombaria antes que a conta finalmente retirasse o “Curtir” da postagem pornográfica no Twitter.

Horas depois, a embaixada chinesa emitiu um comunicado furioso. “Recentemente, alguns elementos anti-China atacaram violentamente a conta do embaixador Liu Xiaoming no Twitter e usaram métodos desprezíveis para enganar o público”.

A embaixada “condena veementemente este comportamento abominável” e instou o Twitter a “conduzir investigações completas e tratar o assunto com seriedade”, disse o comunicado, acrescentando que “reserva-se no direito de tomar outras medidas”.

O Epoch Times contatou o Twitter por e-mail sobre a acusação de hacking, mas não recebeu resposta até o artigo ser publicado.

Liu, de 64 anos, é o principal enviado de Pequim à Grã-Bretanha desde 2009. O diplomata aparece com frequência na televisão britânica atacando críticos do regime chinês e evitando críticas sobre seu péssimo histórico de direitos humanos.

Desde que ingressou no Twitter no ano passado, Liu tem usado a plataforma para atacar os críticos das políticas de Pequim em Xinjiang e Hong Kong, defender a gigante das telecomunicações chinesa Huawei e elogiar a resposta do regime chinês à pandemia do coronavírus do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês).

Como outras redes sociais americanas, o Twitter é proibido na China e os cidadãos chineses não são livres para usar a plataforma, mesmo quando viajam para o exterior. Em janeiro, um estudante da Universidade de Minnesota foi preso na China e condenado a seis meses de prisão por postagens que postou no Twitter enquanto estava nos Estados Unidos.

No entanto, o regime chinês tem usado ativamente o Twitter e outras plataformas de mídia social americanas para intensificar suas campanhas de influência no Ocidente.

Nos últimos meses, diplomatas chineses promoveram agressivamente o regime no Twitter como um exemplo nos esforços globais para conter o vírus do PCC e para promover alegações infundadas de que o vírus não se originou na China. Em março, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, afirmou em sua conta no Twitter que o vírus do PCC foi introduzido em Wuhan pelos militares dos EUA, levando os legisladores dos EUA a exigirem o banimento dos oficiais do PCC da plataforma.

Em junho, o Twitter anunciou que havia removido mais de 170.000 contas vinculadas ao regime chinês que estavam gerando narrativas sobre a pandemia, os protestos em Hong Kong e os protestos Black Lives Matter nos Estados Unidos.

Em agosto passado, o Twitter também removeu centenas de contas vinculadas a Pequim que tentavam difamar o movimento de protesto pró-democracia de Hong Kong.

Com informações dos repórteres do Epoch Times Bowen Xiao, Cathy He e Frank Fang.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas