Caos nas estradas francesas diante dos protestos dos “coletes amarelos”

Manifestantes iniciaram um protesto contra o aumento do imposto sobre o combustível que se transformou em uma reação mais ampla contra as políticas econômicas liberais do presidente francês Emmanuel Macron

Por Reuters

PARIS (Reuters) – Manifestantes franceses de “colete amarelo” ocuparam as cabines de pedágio das rodovias e as incendiaram, provocando caos nos transportes em algumas partes do país, dias antes do feriado de Natal.

A maior operadora de rodovias com pedágio da França, Vinci Autoroutes, disse que houve manifestações em cerca de 40 locais ao longo de sua rede e que alguns cruzamentos rodoviários foram danificados.

Manifestantes incendiaram a estação de pedágio de Bandol, a leste de Marselha, durante a noite forçando o fechamento da rodovia A50 que liga Marselha e Toulon, disse Vinci. A rede da empresa está localizada principalmente no sul e oeste da França.

“Os motoristas devem ter o máximo cuidado ao se aproximarem das portagens e das rampas de acesso às rodovias, devido à presença de inúmeros pedestres”, disse Vinci em um comunicado.

Várias pessoas morreram em acidentes na estrada por conta dos bloqueios dos coletes amarelos nas últimas semanas, principalmente nas muitas rotatórias bloqueadas por grupos de manifestantes.

Os “coletes amarelos” – nomeados em homenagem às jaquetas fluorescentes que os motoristas franceses devem ter em seus carros – bloquearam estradas e rotatórias em toda a França desde meados de novembro.

As manifestações, que começaram como um protesto contra o aumento do imposto sobre o combustível, se transformaram em uma reação mais ampla contra as políticas econômicas liberais do presidente francês Emmanuel Macron. Enquanto os manifestantes tomaram as ruas de Paris e outras cidades em 15 de dezembro, no quinto fim de semana das manifestações, as multidões eram visivelmente menores do que nas semanas anteriores, depois que Macron anunciou concessões de impostos e salários.

Vinci estima que os danos às suas instalações desde o início dos protestos custarão “várias dezenas de milhões” de euros, sem incluir a perda de receita, já que os manifestantes permitiram que milhares de motoristas entrassem nas rodovias gratuitamente. A empresa planejou enviar faturas para motoristas que passavam por pedágios sem pagar e cujas placas foram capturadas em câmeras de vigilância, mas recuou em 18 de dezembro.

Por Geert De Clercq e Gilles Guillaume

 
Matérias Relacionadas