Membro do EI fala sobre ataque horas antes do show de Ariana Grande na Inglaterra

Uma explosão na noite de segunda-feira (22) durante o concerto da cantora dos Estados Unidos, Ariana Grande, na cidade de Manchester, Inglaterra, deixou pelo menos 22 mortos e cerca de 59 feridos segundo a polícia local.

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI ou ISIS, em inglês) assumiu nesta terça-feira (23) a autoria do atentado no Reino Unido, e afirmou que um “soldado do califado” colocou muitos “pacotes-bomba” em vários locais da cidade britânica.

A polícia local afirma que o autor do atentado é Salman Abedi, 23, já investigado pelas autoridades britânicas antes do ataque.

Uma testemunha que assistiu ao concerto disse que sentiu uma enorme explosão enquanto ela estava saindo da arena, após ela ouviu gritos e começou uma correria com milhares de pessoas tentando escapar. A arena tem capacidade para 21 mil pessoas.

“Estávamos saindo e quando estávamos bem perto da porta, houve uma explosão maciça e todo mundo estava gritando”, disse Catherine Macfarlane à Reuters.

“Foi uma explosão enorme – você podia sentir isso em seu peito. Foi caótico. Todo mundo estava correndo e gritando e apenas tentando sair”, ela acrescentou.

Testemunhas relataram que muitas crianças estavam no concerto.

O ataque chocou o Reino Unido com políticos cancelando a campanha para as eleições gerais de 2017, segundo a mídia inglesa Express.

No entanto, relatos estão começando a surgir sobre avisos no Twitter quatro horas antes do ataque por membro do EI.

Fãs do Estado Islâmico (EI) celebram o ataque a bomba na Arena Manchester antes e depois do ataque (Reprodução)
Fãs do Estado Islâmico (EI) celebram o ataque a bomba na Arena Manchester antes e depois do ataque (Reprodução)

Um porta-voz de Ariana Grande, 23, disse que a cantora estava “bem”. Grande também se manifestou pelo twitter.

A Grã-Bretanha mudou seu nível de segurança para “grave”, o segundo na escala, o que significa que um novo ataque de militantes do EI é considerado altamente provável.

Com informações da Reuters

 
Matérias Relacionadas