Publicado em - Atualizado em 12/10/2017 às 17:29

Estados Unidos anunciam saída da Unesco por “viés anti-Israel”

Falta de reformas no think thank educacional da ONU também está entre as justificativas

A sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris (Loic Venance/AFP/Getty Images)

A sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), em Paris (Loic Venance/AFP/Getty Images)

O governo dos Estados Unidos comunicou nesta quinta-feira sua decisão de retirar o país da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). Dentre as justificativas elencadas pelo Departamento de Estado americano está a continuidade do ‘viés anti-Israel’ do órgão. A saída se efetivará em 2018, a partir de quando os EUA intentam estabelecer uma missão permanente de “observadores”, segundo o comunicado.

“Não foi uma decisão fácil e reflete as preocupações dos EUA com pagamentos em atraso na Unesco, a necessidade de reformas fundamentais na organização e a continuidade do viés anti-Israel na Unesco”, comunicou o Departamento de Estado.

Ainda em 2011, os Estados Unidos cortaram significativamente suas contribuições à Unesco, por conta da admissão plena da ‘Palestina’ na entidade ─ pelos votos de Brasil, Rússia, China, Índia, África do Sul e França, entre outros, contra EUA, Canadá e Alemanha, que votaram contra, tendo o Reino Unido se abstido. O financiamento estadunidense equivalia a mais de 20% das receitas do órgão.

Em julho deste ano, os EUA haviam advertido que seus vínculos com a Unesco estavam sob revisão, depois que a entidade declarou como “zona protegida” do patrimônio mundial em perigo a Cidade Velha de Hebron, na Cisjordânia. Na ocasião, a embaixadora americana nas Nações Unidas, Nikki Haley, chamou a decisão de “uma afronta à história” que desacredita “ainda mais uma agência da ONU já altamente discutível”.

Após ter recebido a notificação oficial do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, disse: “Lamento profundamente a decisão dos Estados Unidos da América a retirar-se da Unesco”. Ela acrescentou que o fato representa uma perda para o ‘multilateralismo’ e para a “família das Nações Unidas”.

Israel

Ano passado, Israel suspendeu sua participação na Unesco depois que a entidade aprovou uma repreensão contra a restrição da entrada de muçulmanos ao Monte do Templo, local sagrado na parte leste de Jurusalém, após atentados terroristas na região. Para os israelenses, a decisão negaria o vínculo milenar dos judeus com a cidade.

Os islâmicos, que também frequentam o local, chamam-no al-Aqsa ou Haram al-Sharif. Ocupada desde 1967 por Israel e anexada posteriormente, a parte oriental de Jerusalém é cobiçada por muçulmanos como futura capital do projeto de um Estado ‘palestino’.

Leia também:
O cavalo de Troia de Pyongyang
Por que não é livre o comércio com a China
Trump diz que Irã não tem vivido espírito do acordo nuclear

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016