China é nomeada para lidar com disputas marítimas na ONU, apesar de seus conflitos no Mar do Sul

ITLOS foi estabelecido por um mandato da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS), um tratado que estipula direitos e responsabilidades sobre como os países usam os oceanos e seus recursos marinhos nacionais

Por Frank Fang

Em meio às críticas internacionais à agressão do regime chinês no Mar da China Meridional, um candidato de Pequim ganhou recentemente as eleições para servir em um órgão judicial apoiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que lida com o disputas marítimas.

Duan Jielong, o atual embaixador chinês na Hungria, venceu as eleições realizadas de 24 a 26 de agosto, tornando-se um dos 21 juízes do Tribunal Internacional do Direito do Mar (ITLOS, na sua sigla em inglês). Ele começará seu mandato de nove anos em outubro, após uma cerimônia de juramento.

A escolha foi indiscutível, de acordo com a ITLOS, já que ninguém concorreu contra Duan, que obteve 149 votos, com a abstenção de 17 estados membros.

O ITLOS foi estabelecido por um mandato da Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS), um tratado que estipula direitos e responsabilidades sobre como os países usam os oceanos e seus recursos marinhos nacionais. No total, 167 países e a União Europeia ratificaram o tratado. Os Estados Unidos assinaram em 1994, mas não o ratificaram.

O tribunal é composto por 21 juízes que representam áreas geográficas diferentes: cinco juízes representam a África e a Ásia, três são da Europa Oriental, quatro são da América Latina e Caribe e quatro são da Europa Ocidental e outros estados.

Duan foi uma das cinco pessoas recentemente escolhidas para serem juízes, de acordo com um comunicado de imprensa da ITLOS de 26 de agosto.

A China atualmente tem um juiz no tribunal, Gao Zhiguo, que foi escolhido em 2008. Seu mandato terminará no final de setembro.

Influência

O regime chinês tenta aumentar sua influência nas Nações Unidas e seus órgãos relacionados. Atualmente, os cidadãos chineses chefiam quatro agências das Nações Unidas: a Organização Internacional da Aviação Civil, a Organização para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas, a União Internacional das Telecomunicações e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Industrial.

O comentarista político Lan Shu, em uma entrevista à NTD, um meio de comunicação associado ao Epoch Times, explicou como o regime comunista pressiona as organizações internacionais a adotarem seus interesses.

“[Pequim] compra de certos países, especialmente países em desenvolvimento, oferecendo-lhes dinheiro ou fornecendo assistência financeira, como o cancelamento de suas dívidas”, disse Lan. “Em troca, esses países expressam seu apoio [à China] no cenário internacional, como votar nela nas Nações Unidas em questões como o histórico de direitos humanos da China”.

Um exemplo importante é a Hungria, que recebeu bilhões de dólares em investimentos chineses para projetos de infraestrutura. Em 2017, foi relatado que a Hungria pressionou o bloco da União Europeia a não incluir seu nome em uma carta conjunta de embaixadas internacionais denunciando a suposta tortura de advogados detidos na China.

Oposição dos Estados Unidos

As eleições do ITLOS ocorrem em um momento em que as tensões entre a China e os Estados Unidos estão aumentando. Em 27 de agosto, o Pentágono alertou a China sobre seus lançamentos de teste de mísseis balísticos, que conduziu durante exercícios militares no Mar do Sul da China.

Nos últimos anos, Pequim tem buscado reforçar suas reivindicações sobre a hidrovia estratégica construindo postos militares em ilhas artificiais e recifes da região.

As ilhas, recifes e rochas da hidrovia estratégica são reivindicados por vários países, incluindo Brunei, China, Filipinas, Malásia, Taiwan e Vietnã.

Um tribunal da ONU em Haia decidiu em 2016 que as reivindicações de Pequim de mais de 90% do Mar da China Meridional são inválidas.

Os Estados Unidos também rejeitaram formalmente quase todas as principais reivindicações de terras de Pequim na região, classificando-as como “completamente ilegais”.

A oposição dos Estados Unidos a um juiz chinês na ITLOS foi expressada com veemência por David Stilwell, secretário de Estado adjunto do Escritório de Assuntos do Leste Asiático e Pacífico, quando ele falou em uma reunião virtual realizada pelo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) em julho.

“Escolher um oficial da República Popular da China (RPC) para este órgão é como contratar um incendiário para ajudar a administrar o Corpo de Bombeiros”, disse Stilwell.

Em maio, Jonathan G. Odom, juiz de defesa da Marinha dos Estados Unidos e professor militar de direito internacional no Centro Europeu para Estudos de Segurança George C. Marshall na Alemanha, destacou as ações questionáveis ​​da China no Mar da China Meridional. Um exemplo é dezembro de 2019, quando Pequim enviou seu navio da Guarda Costeira para escoltar navios de pesca chineses que operavam em águas territoriais da Indonésia.

Odam disse que não votar no candidato chinês “enviaria uma mensagem ao governo chinês de que um comportamento questionável pode prejudicar sua posição na comunidade internacional das nações”, de acordo com seu artigo publicado no Lawfare, um blog dedicado a questões de segurança nacional. .

A senadora Marsha Blackburn (R-Tenn.) Respondeu à notícia da postagem da China na ITLOS em sua conta no Twitter, escrevendo que era “extremamente perturbador”.

“[ITLOS] é responsável por julgar disputas relacionadas à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, enquanto a China é um infrator regular no Mar da China Meridional”, disse Blackburn.

“A crescente influência da China nas Organizações Internacionais é preocupante, pois a cada nova vaga conquistada é mais uma forma do #PCC influenciar os resultados e mudar a opinião mundial”, acrescentou a senadora.

Em 28 de agosto, a Marinha dos Estados Unidos postou no Twitter que o destróier de mísseis guiados USS Mustin, que patrulhava o Mar da China Meridional, foi reabastecido no mar para continuar sua operação para manter um “Indo-Pacífico livre e aberto”.

No mesmo dia, o conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, Robert O’Brien, durante um evento online do Atlantic Council, classificou as reivindicações da China no Mar do Sul da China de “ridículas”.

“A China está conduzindo exercícios militares nessas águas que … eles consideram nacionais, que estão longe de ser nacionais”, disse O’Brien.

“Os Estados Unidos não vão recuar de seus princípios de longa data de que as rotas oceânicas e as águas internacionais do mundo devem ser livres para navegação”, acrescentou.

Siga Frank no Twitter: @HwaiDer

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas