Os horrores do “comunismo de guerra”

Antes da tomada do poder comunista na Revolução de Outubro de 1917, a economia russa era a quinta maior do mundo e a nação estava se modernizando.

Sendo um regime marxista, o Partido Comunista de Toda a Rússia (bolchevique) vislumbrou uma nova ordem social que libertaria as massas oprimidas da opressão anterior. Após ganhar o controle das principais cidades russas, seu líder Vladimir Lenin decidiu “começar, sem transição, a construção do socialismo”.

Em vez disso, as políticas comunistas de Lenin reduziram drasticamente a produção, causando uma fome devastadora que matou milhões de pessoas e serviu de incentivo para o regime soviético tornar-se uma ditadura absoluta ou totalitária. Em 1921, a destruição e o embaraço eram tão grandes que Lenin foi obrigado a cunhar retroativamente o termo “comunismo de guerra”, como uma forma de justificar um retorno temporário aos princípios de mercado sob a subsequente “Nova Política Econômica”.

Fantasias vermelhas

Logo após a Revolução de Outubro, os bolcheviques tomaram todas as propriedades privadas não detidas por agricultores e cancelaram toda a dívida pública. A antiga organização do trabalho em fábricas foi abandonada em nome da auto-organização. Oficiais revolucionários que careciam dos conhecimentos básicos dos princípios econômicos inclusive ordenaram que a Rússia abolisse a moeda.

Os bolcheviques pretendiam que suas políticas instituíssem uma economia totalmente comunista desde o início de seu governo; não como uma medida de emergência para vencer a guerra civil que se seguiu, como o nome “comunismo de guerra” sugeriria mais tarde. Mas as leis da economia e da engenharia, ridicularizadas como os grilhões de um passado opressivo, não cederam em nada. Segundo Richard Pipes, um estudioso da história russa e soviética, “a tentativa de construir o mais rápido possível uma sociedade comunista deixou a economia russa em ruínas”.

Em 1920 e 1921, a indústria pesada caiu para um quinto de sua produção anterior em 1913 e a produtividade dos trabalhadores diminuiu para um quarto. Com os incentivos de mercado tornados ilegais, a produção agrícola diminuiu a tal ponto que 70% da população de São Petersburgo fugiu para o campo para se alimentar. Metade de todos os moscovitas fez o mesmo.

O Kremlin respondeu firmemente pressionando todos os trabalhadores de fábricas sob os sindicatos controlados pelo Partido Comunista. Todos os cidadãos entre 16 e 50 anos foram recrutados para trabalho obrigatório.

Em meados de 1918, apenas alguns meses depois que os bolcheviques tomaram o controle das principais cidades russas e antes da emergência de muitos combates na Guerra Civil, o caos já reinava. Como parte dos primeiros movimentos contra a Rússia rural, o regime soviético classificou os camponeses acomodados como “kulaks“, ou capitalistas avarentos. Os bolcheviques organizaram os trabalhadores para liderarem os “camponeses pobres” numa violenta luta econômica contra os civis comuns, o que resultou na morte de mais de cinco milhões de pessoas por fome e doenças.

Crianças órfãs nas ruas durante a Guerra Civil Russa. (Domínio público)
Crianças órfãs nas ruas durante a Guerra Civil Russa. (Domínio público)

“Ruína metódica”

Embora os bolcheviques controlassem os grandes centros industriais e as estradas de ferro, garantindo-lhes alguma vantagem contra os generais “brancos” anticomunistas, talvez o maior inimigo durante e depois da Guerra Civil Russa fossem os agricultores que resistiam às políticas de Lenin.

Os comunistas consideraram o campesinato russo, que não apoiou os bolcheviques nas primeiras revoluções de 1917 e 1918, com grande desdém. Lenin chamou-os de “proprietários pequeno-burgueses” que, embora tenham ajudado a derrubar os grandes proprietários e os capitalistas, seriam eliminados numa “luta mais decisiva e implacável”.

Como Richard Pipes escreveu: “A longa experiência ensinou os muzhik [nome para o camponês russo] a lidarem com os desastres naturais, ao guardarem reservas suficientes para sustentá-los por um ano ou até mesmo dois de colheitas ruins. Normalmente, as falhas de colheita significavam escassez mas não fome ou inanição total… Os bolcheviques levaram três anos arruinando implacável e metodicamente a agricultura para introduzir na Rússia a fome que ceifaria milhões.”

“Um dizer entre camponeses russos na época dizia, ‘Colheitas ruins são provenientes de Deus, mas a fome é responsabilidade dos homens.’”

A resposta dos bolcheviques pode ser desfavoravelmente comparada com a forma como o governo czarista lidou com a fome. Em 1891, uma fome severa afetou 12,5 milhões de russos, mas as autoridades estavam bem preparadas para o desastre e rapidamente distribuíram alimentos para 11 milhões de pessoas. Menos de meio milhão morreu, 13 vezes menos do que os 6,5 milhões que morreram de fome sob Lenin, segundo Pipes.

Como a fome ocorreu em regiões geralmente consideradas como os grandes celeiros da Rússia, como a região do Volga e a Ucrânia, os soviéticos não podiam desculpar o desastre culpando as forças brancas ou os chamados kulaks.

Corpos de vítimas da fome ucraniana sendo transportados para um cemitério. (Domínio público)
Corpos de vítimas da fome ucraniana sendo transportados para um cemitério. (Domínio público)

O regime bolchevique censurou toda a notícia sobre a fome e comprou comida do exterior para alimentar as cidades, e isso foi tudo o que fizeram. Pipes observa que em “nenhum dos escritos ou discursos de Lenin desse período pode-se encontrar uma palavra de simpatia” pelo campesinato faminto.

Mas embora Lenin tenha feito pouco para auxiliar os moribundos, ele escreveu como a fome ajudou o governo bolchevique; a população agora estava fraca demais para encenar uma revolta. “O Livro Negro do Comunismo” registra como um amigo de Lenin lembrou que ele “teve a coragem de aparecer e dizer abertamente que a fome teria numerosos resultados positivos”.

Lenin também pensava que o sofrimento seria a melhor forma de divorciar a Rússia rural de sua fé cristã. “A fome destruiria a fé não só no czar”, acrescentou o líder bolchevique, “mas também em Deus.”

Somente em julho de 1921, o regime reconheceu que uma tragédia terrível estava em andamento. O Kremlin mobilizou um corpo de figuras públicas liderado pelo propagandista soviético Maxim Gorki, que apelou com sucesso a Herbert Hoover, o então secretário de comércio dos Estados Unidos.

Apesar de sua profunda oposição ao comunismo, Hoover dirigiu a Administração Americana de Ajuda Humanitária (AAAH) para entregar milhões de toneladas de alimentos e remédios à União Soviética. Em meados de 1922, a fome havia terminado.

Lenin queria controlar a AAAH diretamente e submeter seus funcionários à lei soviética, mas por fim teve de concordar com os termos de Hoover. Nas anotações de uma reunião do Politburo, o líder bolchevique declarou que “a baixeza da América, de Hoover e da Liga das Nações é rara”.

O “comunismo de guerra” foi uma descrição apropriada da política soviética em seu início, porque os bolcheviques brutalizaram seus próprios compatriotas. Enquanto os comunistas combatiam e superavam a resistência armada dos exércitos brancos russos, Lenin e seus partidários reforçaram seu despotismo econômico com a supressão de toda a dissidência interna, o infame Terror Vermelho.

 
Matérias Relacionadas