A realidade da arte soviética

Uma olhada na exposição da Royal Academy

Por Jane Werrel

LONDRES – A exposição da Revolução Russa da Royal Academy é vasta e complicada. Uma pintura realista de Stalin, glorificada, olha fixamente de uma parede na primeira sala. Cartazes de propaganda, filmagens, modelos arquitetônicos e pinturas abrangem as galerias principais. Trabalhos abstratos de Malevich e Tatlin estão em exibição—artistas que formaram os movimentos de suprematismo e construtivismo que promoveram as ideias de uma utopia comunista.

A história tem mostrado que, repetidamente, essas ideias, na prática, terminam em violência ruinosa. Parte da história sombria é retratada na exposição na forma de uma pequena caixa preta—um cinema em miniatura chamado de sala da memória, onde as vítimas do regime de Stalin são mostradas em uma apresentação de slides, uma a uma, incluindo o poeta Osip Mandelstam, o crítico de arte Nikolay Punin e os camponeses que morreram de fome.

Enquanto a caixa de memória nos lembra da perigosa ideologia comunista, caminhando pelo resto da exposição na grande Burlington House, em Londres, a realidade angustiante por trás de muitas das obras de arte não é tão óbvia. A realidade é tingida de rosa enquanto o espectador olha a história através das lentes da arte soviética.

O custo humano da revolução russa já era enorme antes dos expurgos de Stalin. Durante o período de 15 anos coberto pela exposição Revolution: Russian Art 1917-1932 da Royal Academy, milhões morreram de fome por causa da falta de alimentos, e os camponeses foram levados ao ponto de comer carne humana. O primeiro gulag foi estabelecido sob Lenin nas ilhas Solovetsky em 1921 e a coletivização foi imposta. Os resultados sangrentos de um genocídio de classe e a ideia de eliminar a burguesia já haviam começado.

“Sentimentalizar esse período trágico em uma exposição sem mostrar o suficiente de seu contexto é problemático.”

É improvável que a Royal Academy tenha uma exposição semelhante sobre a arte do Terceiro Reich, apresentando retratos de Hitler.

“A arte soviética é sempre considerada aceitável, mas nem preciso dizer que a arte nazista seria banida imediatamente”, explicou o historiador militar Sir Antony Beevor. “As pessoas parecem pensar que de alguma forma o genocídio de classe não pode ser tão ruim quanto o genocídio racial”.

Sentimentalizar este período trágico em uma exposição sem mostrar o suficiente de seu contexto é problemático, diz Sir Antony Beevor. “É realmente necessário ter uma exposição que seja descrita realmente como propaganda, e não apenas arte soviética”, disse ele.

“Sempre há um debate, por exemplo, sobre a guerra civil espanhola, quando os espanhóis tentaram argumentar, principalmente os de esquerda, tentaram argumentar ‘palavras não matam’. Bem, pode-se estender isso para a ideia de que ‘arte não mata’. Mas, na verdade, foi o círculo vicioso da retórica—e na verdade dos pôsteres e da arte—que incentivou tanto a matança. Então você não pode se divorciar dos dois.”

Pôster icônico do ditador soviético Joseph Stalin com uma menina chamada Gelya. O pôster foi usado como propaganda para mostrar o ditador como um pai para seu povo. Na verdade, Stalin provavelmente mandou matar os pais de Gelya (Cortesia de William Vollinger)
Pôster icônico do ditador soviético Joseph Stalin com uma menina chamada Gelya. O pôster foi usado como propaganda para mostrar o ditador como um pai para seu povo. Na verdade, Stalin provavelmente mandou matar os pais de Gelya (Cortesia de William Vollinger)

Como Sir Antony Beevor aponta, o culto da personalidade é um tema em muitas das pinturas soviéticas e nazistas. As trabalhadoras musculosas e nuas carecem de qualquer sentido de emoção ou erotismo, pois essa emoção foi guardada para o líder.

“Basicamente, todas as emoções humanas, incluindo qualquer forma de erotismo, etc., tinham que ser suprimidas, para que todas as emoções fossem direcionadas ao amor pelo Partido e pelo líder, acima de tudo—esta é a grande parte do culto à personalidade”, disse Sir Antony Beevor.

“Era uma questão de culto ao corpo, dedicado ao culto à personalidade do líder. Mais uma vez, começa-se a ver uma semelhança entre os dois regimes dessa maneira particular.”

Em 1932, Stalin sancionou uma abordagem da arte chamada “realismo socialista” para usar a cultura como propaganda. Aqueles que não cumpriram foram encaminhados para o gulag. Os primeiros movimentos de suprematismo e construtivismo, que também promoviam os ideais comunistas, mas de forma abstrata, foram suprimidos.

Na era do “realismo socialista”, alguns dos paralelos entre a arte da propaganda nos regimes soviéticos e a arte aprovada da Alemanha nazista tornam-se ainda mais óbvios. Os líderes desses regimes costumavam ser pintados glorificados em ambientes serenos, alimentando o culto à personalidade.

Estima-se que o comunismo tenha matado pelo menos 100 milhões de pessoas, mas seus crimes não foram totalmente compilados e sua ideologia ainda persiste. O Epoch Times busca expor a história e as crenças desse movimento, que tem sido uma fonte de tirania e destruição desde que surgiu.

Leia toda a série clicando aqui.

Siga Jane no Twitter: @itsjanewriting

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas