Xi Jinping exigiu lealdade de altos funcionários chineses em meio a rumores de suposto desertor de alto escalão

Por Nicole Hao

O líder chinês Xi Jinping recentemente levou todos os oficiais de alto escalão em Pequim a retomar o juramento e prometer fidelidade ao Partido Comunista Chinês (PCC).

A medida veio com um boato que circulou na imprensa chinesa no exterior e em alguns meios de comunicação americanos sobre um oficial de segurança chinês, Dong Jingwei, que supostamente desertou no início deste ano e fugiu para os Estados Unidos com sua filha.

O Politburo de 25 membros, o mais alto órgão de decisão do PCC, e outros altos funcionários, como os presidentes do secretariado, vereadores estaduais, o presidente da Suprema Corte, o promotor-chefe e membros do alto escalão do Legislativo do O carimbo de borracha (o Congresso Nacional do Povo) e a Comissão Militar Central fizeram o juramento do Partido Comunista no History Exhibition Hall em Pequim em 18 de junho.

O juramento incluía a declaração: “esteja sempre preparado para sacrificar tudo pelo Partido (…) nunca traia o Partido”.

Antes de fazer o juramento, Xi apelou a todos os líderes do PCC para “manterem um alto grau de consistência com” o Partido, em termos de ideologia, política e ação.

Em 19 de junho, o principal órgão de fiscalização da China, a Comissão Central de Inspeção Disciplinar (CCDI), convocou todos os membros do PCC a lutarem contra os traidores e nunca trair o Partido.

Tang Jingyuan, um comentarista de assuntos da China baseado nos EUA, acreditava que essas ações eram uma resposta a “alguns altos funcionários do PCC que recentemente traíram o Partido”.

Pequim divulgou recentemente informações de que Dong, um vice-ministro da Segurança do Estado no centro dos rumores, ainda estava na China. O Ministério de Segurança do Estado (MSS) chinês, a principal agência de espionagem do regime, postou em seu site oficial que Dong organizou um seminário de contra-espionagem no ministério na manhã de 18 de junho. Mas o anúncio não mencionou se o seminário foi realizado pessoalmente ou online, ou se ele participou.

(Da esquerda para a direita) Wang Qishan, membro do Comitê Permanente do Politburo; Zhang Dejiang, presidente do Congresso Nacional do Povo; O líder chinês Xi Jinping; O primeiro-ministro Li Keqiang; o membro do Comitê Permanente do Politburo, Liu Yunshan; e o membro do Politburo Zhang Gaoli no Grande Salão do Povo em Pequim em 3 de março. 2017 (Greg Baker / AFP / Getty Images)

Rumores de desistência

A mídia chinesa no exterior e vários veículos dos Estados Unidos relataram este mês que Dong fugiu da China via Hong Kong e chegou aos Estados Unidos em meados de fevereiro com sua filha. Ele então contatou a Agência de Inteligência de Defesa (DIA), que agora abriga Dong, de acordo com vários relatórios.

Existem diferentes versões da história sobre a deserção de Dong de vários meios de comunicação dos Estados Unidos. De acordo com um dos rumores, Dong visitou a Califórnia porque sua filha, Dong Yang, está estudando lá. Outro observa que Dong usou seu passaporte chinês particular e viajou com sua filha, que tem passaporte de Hong Kong. As autoridades chinesas têm dois passaportes, um passaporte oficial e um passaporte privado.

Mas todos os rumores apontam para a mesma história de que Dong entregou um grande número de documentos ao DIA, incluindo evidências de que o Instituto de Virologia de Wuhan (WIV) estava conduzindo pesquisas de guerra biológica e que a pandemia COVID-19 foi causada por um vírus que vazou do laboratório, de acordo com o The Daily Beast.

O Epoch Times não conseguiu verificar os rumores.

Dong, 57, trabalhava no Ministério de Segurança do Estado da China (MSS) desde abril de 2017. Antes de assumir esse cargo, ele atuou como diretor do departamento de segurança nacional da província de Hebei, norte da China.

Em seu primeiro ano em Pequim, Dong foi diretor do departamento político do MSS. Mais tarde, ele foi promovido a vice-ministro e se tornou o chefe da contra-espionagem MSS.

Como um alto funcionário, os sites do governo e da mídia estatal chinesa costumavam ter as fotos e o currículo de Dong. Mas depois que rumores de sua deserção começaram a circular, suas fotos, currículo e notícias relacionadas foram removidos de quase todos os sites, mas ainda podem ser encontrados em páginas da web arquivadas.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas