Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin – Capítulo 19

Assim que a repressão nacional ao Falun Gong começou em julho de 1999, Jiang ativou todo o aparato de propaganda da China para condenar o Falun Gong

Os dias de Jiang Zemin estão contados. É apenas uma questão de quando, e não se, o ex-chefe do Partido Comunista Chinês será preso. Jiang governou oficialmente o regime chinês por mais de uma década, e por outra década ele foi o mestre das marionetes nos bastidores que freqüentemente controlava os eventos. Durante essas décadas, Jiang causou danos incalculáveis à China. Neste momento, quando a era de Jiang está prestes a terminar, o Epoch Times republica em forma de série “Tudo pelo poder: a verdadeira história de Jiang Zemin”, publicado pela primeira vez em inglês em 2011. O leitor pode vir a compreender melhor a carreira desta figura central na China de hoje.

Capítulo 19: Processado em seu ano azarado, Jiang aproveita o poder militar para evitar punições (2002)

O ano de 2002 foi sombrio para Jiang Zemin, que desde o início foi assombrado pelo medo de perder o poder e ter seus crimes expostos.

1 – Televisão grampeada

Por anos, a perseguição de Jiang ao Falun Gong foi sustentada por meio da disseminação de mentiras, ocultação da verdade e tortura brutal. O maior medo de Jiang é que o público rompa o bloqueio de informações que ele trabalhou para estabelecer e descuobra verdade sobre a perseguição.

O medo de Jiang finalmente passou pela cidade de Changchun, capital da província de Jilin e o lugar de origem do fundador do Falun Gong, o Sr. Li Hongzhi. Foi lá que o Falun Gong começou a se espalhar no início dos anos noventa.

Na noite de 5 de março de 2002, a programação regular de oito estações de TV a cabo foi interrompida e substituída por uma transmissão de 45 minutos sobre o Falun Gong. A transmissão incluiu documentários como “Auto-imolação ou enganação?” e “O Falun Dafa se espalha ao redor do mundo”.

As mentiras que a máquina de propaganda do PCC vinha contando por anos foram desacreditadas em menos de uma hora. Os vídeos revelaram o rápido crescimento do Falun Gong na China continental antes da repressão junto com sua atual disseminação em mais de 60 países; destacaram a verdade sobre o Falun Gong e seus nobres ensinamentos sobre verdade, compaixão e tolerância. Centenas de milhares de pessoas na cidade de Changchun ficaram espantadas como o documentário Self-immolation or Deception? analisou a filmagem do incidente do CCTV em câmera lenta, apontando suas inconsistências uma a uma. No dia seguinte, a sequência em câmera lenta de Liu Chunling sendo atingida na cabeça por um policial enquanto ela estava em chamas se tornou o assunto da cidade; a discussão sobre o assunto pode ser ouvida no escritório, no ônibus, na escola ou no supermercado, demonstrando o impacto na mente das pessoas de uma mentira sendo exposta.

Até o livro de Kuhn, The Man Who Changed China, reconheceu o que havia acontecido. Kuhn escreveu: “Horário nobre, todo mundo viu os programas do Falun Gong, a agitação da cidade”. [1]

Jiang ficou furioso quando soube das notícias sobre a TV grampeada naquela noite. Ele supostamente tremeu de raiva por vários minutos. Ele então reagiu batendo com o punho na mesa e gritando: “Mande chamar Zeng Qinghong e Luo Gan imediatamente!”.

O secretário de Jiang, embora já estivesse acostumado com o temperamento de seu chefe, nunca tinha visto Jiang tão furioso e violento. Ciente da seriedade do assunto, o secretário pegou o telefone com a mão trêmula.

Seguindo as sugestões de Zeng e Luo, Jiang ordenou que o nível II de prontidão para a guerra fosse declarado na região militar de Shenyang e que a consciência de nível I fosse estabelecida na região militar de Changchun e entre a polícia armada da província de Jilin. Luo ordenou que o Gabinete de Segurança Pública de Jilin e o Gabinete de Segurança Pública de Changchun investigassem o grampeamento da TV e resolvessem o caso em um curto espaço de tempo. Enquanto Luo estava ao telefone, dizendo a seus homens o que fazer, Jiang ordenou: “Diga a toda a polícia para atirar para matar qualquer praticante do Falun Gong que esteja envolvido no grampeamento da TV. Mate-os sem exceção! Eu garanto que qualquer oficial que matar praticantes do Falun Gong não será responsabilizado. Este caso tem que ser resolvido dentro de uma semana, ou então o chefe do Partido na cidade de Changchun e os chefes de polícia em vários níveis na cidade terão que renunciar”.

Agindo por ordem de Jiang, Luo assumiu a responsabilidade pessoal pelo caso. No meio da noite em 12 de março de 2002, o praticante do Falun Gong Liu Haibo de Changchun foi preso e torturado até a morte durante o interrogatório pela polícia de Kuancheng. Ele era suspeito de ter abrigado outros praticantes do Falun Gong que estavam envolvidos na transmissão. Chang Xiaoping, o primeiro vice-chefe do Partido e chefe da Agência 610 em Changchun, chegou à delegacia de Kuancheng naquela mesma noite e deu as seguintes instruções: primeiro, lidar com o Falun Gong era uma tarefa política difícil que precisava ser cumprida mesmo que isso significasse derramamento de sangue; segundo, o sigilo deveria ser mantido a todo custo, a fim de evitar danos à posição internacional da China; e terceiro, os departamentos disciplinares, de acusação e de monitoramento em todos os níveis foram impedidos de investigar as vítimas do Falun Gong “por uma questão de estabilidade geral”.

Enquanto isso, Jiang dirigiu seus departamentos de propaganda para produzir programas de TV que acusariam o Falun Gong de invadir ilegalmente estações de TV. Esses programas, no entanto, não revelavam ao público o conteúdo dos vídeos do Falun Gong, mas apenas diziam vagamente que os grampos tinham como objetivo divulgar o Falun Gong. Os programas também reiteraram outras mentiras, como que o Falun Gong matou pessoas. Na verdade, os praticantes do Falun Gong transmitiram vídeos que revelaram a verdade da perseguição, expondo como os seguidores do Falun Gong foram vítimas de assassinato pelas mãos da polícia, ao invés de perpetradores. Jiang deliberadamente tentou esconder essa realidade cobrindo mentiras anteriores com mais mentiras.

O PCC alegou que as transmissões do Falun Gong eram ilegais. “Ilegal” é relativo a “legal” e, considerando a natureza extrajudicial da perseguição contra o Falun Gong, as “leis” que os praticantes supostamente violaram já haviam sido desacreditadas. Alguns estudiosos fizeram analogias da seguinte forma. Suponha que uma pessoa seja impedida de sair de uma sala pelas janelas apenas se a porta for mantida aberta. Se a porta estiver trancada ou lacrada, é claro que as pessoas têm o direito de sair pelas janelas, se não por uma abertura no teto. Em um lugar onde os direitos humanos básicos são negados, todas as tentativas pacíficas de recuperar esses direitos estão de acordo com a lei—a lei natural.

Os grampos de TV, que não causaram danos às instalações da TV, apenas transmitiram uma mensagem e transmitiram uma voz. Era, portanto, insustentável refutar uma atitude que envolvia os direitos legítimos de dezenas de milhões de praticantes do Falun Gong com base na alegação de que “houve pessoas que foram incomodadas”. Mesmo com manifestações aprovadas pelo governo, pode ocorrer congestionamento nos espaços públicos, “incomodando” algumas pessoas que estão com pressa. Este é um preço que pode ser pago para salvaguardar os direitos humanos e é normal no mundo de hoje. Além do mais, programas de TV denunciando o Falun Gong foram transmitidos nos últimos anos por estações de TV sob o controle de Jiang, e muitos deles se mostraram muito incômodos para os telespectadores.

Jiang, fazendo ouvidos moucos à razão, odiaou amargamente aqueles que estavam envolvidos no grampeamento e não queria nada menos do que sua destruição total. Em 24 de março de 2002, a polícia sequestrou Liu Chengjun, outro adepto do Falun Gong que estava envolvido. A polícia atirou nas pernas de Liu depois que ele já estava algemado, ferindo-o gravemente. Liu foi torturado cruelmente na detenção antes de ser ilegalmente condenado a 19 anos de prisão. Ele morreu vítima de maus-tratos nas mãos de seus captores na prisão em 26 de dezembro de 2003.

Incidentes semelhantes de escutas de TV ocorreram desde então em outras cidades, cobrindo sinais de cabo e satélite. De acordo com estatísticas incompletas, de março de 2002 a outubro de 2003, os praticantes do Falun Gong grampearam programas de TV em mais de 20 cidades nas províncias de Heilongjiang, Shandong, Hebei, Gansu e Qinghai, bem como na cidade de Chongqing. Nesses casos, eles reproduziam vídeos que expunham as alegações de Jiang.

Assim que a repressão nacional ao Falun Gong começou em julho de 1999, Jiang ativou todo o aparato de propaganda da China para condenar o Falun Gong, negando aos seus praticantes qualquer oportunidade de esclarecer e se defender contra as alegações lançadas contra eles. Ao encenar a farsa da imolação da Praça Tiananmen e silenciar a voz do Falun Gong com seu poder, Jiang conseguiu levar o ódio do público ao Falun Gong ao ponto de ebulição. Se uma pessoa que era contra o Falun Gong fosse questionada sobre a origem de seu ódio, ela provavelmente diria que era devido ao”que vi na CCTV”. Com 86 por cento da população da China tendo acesso à cobertura de TV, a propaganda televisiva se tornou a ferramenta mais eficaz de Jiang em sua tentativa de desacreditar o Falun Gong. Foi, portanto, para grande surpresa de Jiang quando suas próprias alegações foram desacreditadas pelo mesmo meio.

2 – Atolado em problemas

O caso das transmissões de TV não foi a último no qual Jiang enfrentou consequências por sua decisão de perseguir o Falun Gong em 2002.

Em abril de 2002, os praticantes do Falun Gong entraram com uma ação legal em Washington D.C. contra o Ministério de Segurança Pública da China, o Ministério de Segurança do Estado e a CCTV. Em julho, os legisladores da Câmara dos Representantes dos EUA adotaram a Resolução 188 por uma votação de 420 a 0, instando Jiang a parar de perseguir o Falun Gong na China. [2]

Do outro lado do Atlântico, Jiang também enfrentou protestos por causa de sua campanha contra o Falun Gong durante uma visita à Alemanha em abril e à Islândia em junho. Enquanto estava na Alemanha, Jiang ficou com tanto medo de ver roupas amarelas e azuis—cores marcantes dos praticantes do Falun Gong em manifestações—que fez um pedido à polícia alemã para que as duas cores fossem mantidas fora de sua vista. Ele estava tão desconfiado e temeroso que pediu para a polícia soldar as tampas de esgoto ao longo da rota de seu comboio. Jiang não se atreveu a entrar ou sair de seu hotel pela entrada principal; em vez disso, ele usou as saídas dos fundos. Ele freqüentemente mudava sua programação e rotas, causando frustração e atraindo reclamações de seus anfitriões.

Antes de chegar à Islândia, Jiang exerceu pressão sobre o governo islandês para impedir os adeptos do Falun Gong de entrar no país. A ação, com a qual as autoridades concordaram, desencadeou protestos dramáticos contra Jiang por parte de milhares de residentes locais. No dia da chegada de Jiang, o maior jornal da Islândia publicou um anúncio de quatro páginas, oferecendo desculpas aos praticantes do Falun Gong. O anúncio, que foi patrocinado conjuntamente por 450 pessoas, incluindo parlamentares, causou comoção na Islândia. Seu título consistia em três grandes caracteres chineses que significam “desculpe” e tinha um subtítulo em islandês que dizia “Um pedido de desculpas aos praticantes do Falun Gong”. A declaração dizia, “O governo islandês tomou uma decisão errada ao ceder ao ditador Jiang Zemin e proibir os praticantes do Falun Gong de entrar na ilha para protestos pacíficos. O povo islandês sente vergonha dessa decisão e expressa suas desculpas a todos os praticantes do Falun Gong”. [3]

Uma coincidência incomum relacionada a sapos ocorreu na Alemanha e na Islândia. Dois dias antes da chegada de Jiang à Alemanha em abril, vários pôsteres grandes idênticos apareceram de repente em diferentes estações ferroviárias. Nos pôsteres, a legenda superior dizia “Olhe para cima”, enquanto dois sapos, de pé em cada lado da imagem com seus corpos voltados um para o outro, olhavam para um grande sapo coroado com uma barriga branca. A legenda na parte inferior dizia: “Lá vem o grande.” Da mesma forma, dois dias antes de Jiang chegar à Islândia, o maior jornal do país publicou a foto de um grande sapo sem motivo aparente. Não era um sapo comum, mas sim um sapo com tinea capitis (uma doença infecciosa da pele) por todo o corpo. Quando Jiang visitou os Estados Unidos no final de outubro, um restaurante perto do consulado chinês usou um sapo como símbolo em um de seus pôsteres. De volta à China, uma coisa estranha também ocorreu no site Xinhua.com. Assim que a página principal fosse aberta, um sapo verde saltitante imediatamente aparecia e permanecia na tela por algum tempo antes de desaparecer.

Outro fenômeno que acompanhou Jiang durante sua viagem, seja para a Alemanha, Islândia ou Estados Unidos, foi um vento frio e nuvens escuras. Durante sua estada na Islândia, Jiang visitou uma fonte mundialmente famosa perto da capital, Reykjavik. No momento em que Jiang chegou, metade da coluna de água que brotava da fonte tornou-se preta de imundície e sujeira. O céu correspondente à metade imunda ficou escuro e coberto de nuvens escuras; a outra metade do céu permaneceu brilhante. Um residente local exclamou: “Nunca vi uma água tão preta saindo daquela fonte”.

A visita de Jiang também parece ter trazido infortúnio para alguns dos envolvidos nos eventos de boas-vindas. O professor Li do Instituto de Segunda Língua Estrangeira de Pequim, na China, e sua esposa mudaram-se para a capital da Islândia após a aposentadoria, onde se juntaram ao filho e sua família. Poucos anos depois de se estabelecer na Islândia, Li se tornou um líder entre os chineses locais no exterior. Quando Jiang visitou o país, funcionários da embaixada chinesa tentaram agradar o líder visitante contratando estudantes e imigrantes chineses locais como uma multidão de boas-vindas. Mais tarde, Jiang se encontrou com representantes da multidão, comandada por Li. O evento foi transmitido pela CCTV em seu programa de notícias. Um ou dois dias depois que Jiang e sua delegação deixaram a Islândia, Li e sua família saíram para um passeio de carro. Havia cinco pessoas no carro: Li e sua esposa, seu filho (que estava dirigindo), a esposa de seu filho e seu neto de um ano de idade. Enquanto dirigiam, o carro derrapou repentinamente para fora da estrada e caiu em um lago. Todos no carro morreram no acidente, com exceção do filho de Li, que escapou em terra quebrando uma janela.

Indice – Introdução

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 

 
Matérias Relacionadas