Trump declara um ‘dia histórico para a paz’ durante a assinatura dos acordos do Oriente Médio

Trump disse que esta etapa "mudará o curso da história" e trará um "novo Oriente Médio"

Por Jack Phillips

O presidente Donald Trump declarou na terça-feira que foi um “dia histórico para a paz”, já que dois acordos de paz históricos no Oriente Médio foram assinados entre vários Estados do Golfo e Israel.

Trump disse que esta etapa “mudará o curso da história” e trará um “novo Oriente Médio”, acrescentando que criará uma era de “paz e prosperidade”. Ele observou que a Casa Branca alcançou dois acordos de paz em um único mês.

“É um dia importante para a paz”, acrescentou Trump.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, assinou acordos com o Reino do Bahrein e os Emirados Árabes Unidos (Emirados Árabes Unidos) depois que as três nações concordaram com um plano para normalizar as relações.

“Dia HISTÓRICO pela PAZ no Oriente Médio”, escreveu Trump durante a cerimônia no gramado sul da Casa Branca. “Dou as boas-vindas aos líderes de Israel, dos Emirados Árabes Unidos e do Reino do Bahrein à Casa Branca para assinar acordos históricos que ninguém pensou ser possíveis”.

Netanyahu disse na terça-feira que este acordo “anuncia um novo amanhecer de paz” entre o povo judeu e outros povos, dizendo que Trump trouxe uma oportunidade “realista” de paz entre Israel e os palestinos. “Isso era inimaginável alguns anos atrás”, acrescentou o primeiro-ministro.

A medida representa outra vitória diplomática para Trump, que se tornou um pacificador e buscou acabar com o envolvimento dos EUA em guerras estrangeiras, dois meses antes das eleições de novembro.

Os críticos apontaram que os acordos de paz ignoram os palestinos, mas espera-se que os acordos levem a melhores relações entre o mundo árabe e Israel.

Enquanto isso, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi (D-Calif.), que acolheu o acordo, disse estar preocupada com o compromisso dos Emirados Árabes Unidos de comprar caças F-35.

“À medida que aprendemos mais sobre os detalhes completos de ambos os acordos, questões específicas permanecem sobre a promessa que a administração Trump fez aos Emirados Árabes Unidos para a venda de jatos F-35 feitos nos EUA. O Congresso dos Estados Unidos, em uma base bipartidária, observará e monitorará para garantir que Israel possa manter sua vantagem militar qualitativa na região”, disse ele em entrevista coletiva.

O acordo normalizará o comércio, a segurança e as relações diplomáticas entre Israel e Bahrein, bem como entre os Emirados Árabes Unidos e Israel. Os outros países árabes que normalizaram suas relações com Israel são Egito e Jordânia.

“Isso está indo muito rápido”, disse o assessor da Casa Branca Jared Kushner à Associated Press na semana passada. “A região está respondendo muito favoravelmente ao acordo com os Emirados Árabes Unidos e esperamos que seja um sinal de que mais virão”.

O acordo é um grande revés para o líder palestino e presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que criticou o acordo entre Israel e os Emirados Árabes Unidos quando foi assinado no mês passado.

Abbas disse no mês passado que “Não estamos preocupados com as bobagens que acontecem aqui e ali, especialmente nos últimos dias, quando foi anunciado um acordo trilateral entre Emirados, Israel e Estados Unidos”.

“Eles (os Emirados Árabes Unidos) deram as costas a tudo: os direitos do povo palestino, o Estado palestino, a solução de dois Estados e a cidade sagrada de Jerusalém”, acrescentou Abbas.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas