Tennis Australia suspende proibição de camisetas em apoio à Peng Shuai após repúdio publico

Reversão veio após a lendária tenista Martina Navratilova acusar organizadores do Aberto da Austrália de 'capitular' a Pequim

Por Nina Nguyen 

A Tennis Australia (TA) revogou a proibição dos espectadores quanto ao uso de camisetas escritas “Onde está Peng Shuai?”, mas ainda não apoiará a exibição de banners de protesto sobre o assunto.

Isso ocorreu após o torneio sofrer intensas críticas por defender a segurança do Aberto da Austrália, que confiscou uma faixa pró-Peng Shuai de dois espectadores e pediu que eles tirassem suas camisetas com um slogan de apoio à estrela chinesa do tênis.

A TA observou anteriormente que possui uma “política de longa data de não permitir banners, cartazes ou roupas que sejam comerciais ou políticas” e continuaria a proibir quaisquer itens que “comprometam a segurança e o conforto” dos fãs do Aberto da Austrália.

A Tennis Australia declarou ao Epoch Times na terça-feira que adotará uma “abordagem de bom senso” para “a aplicação dos termos e condições de entrada no local”.

Isso, após o chefe da TA, Craig Tiley, afirmar ao Australian Financial Review no mesmo dia que aqueles que usavam camisetas “Onde está Peng Shuai?” seriam autorizados a entrar desde que “não viessem como uma multidão para perturbar, mas sim serem pacíficos”.

“Está tudo meio perdido na tradução para algumas pessoas que não estão aqui e não conhecem a visão completa… A situação nos últimos dias é que algumas pessoas vieram com um banner em dois grandes mastros, e não podemos permitir isso”, declarou ele.

“Se você vier assistir ao tênis, tudo bem, mas não podemos permitir que ninguém cause perturbações no final do dia”, declarou, acrescentando que a segurança fará avaliações caso a caso.

A reversão veio após a lendária tenista feminina Martina Navratilova acusar os organizadores do Aberto da Austrália de “capitular” a Pequim depois de banir torcedores pró-Peng Shuai do Melbourne Park por se recusarem a remover suas camisetas com mensagens de apoio a jogadora chinesa.

“O esporte sempre esteve na vanguarda das questões sociais, impulsionando-as para frente, e nós estamos retrocedendo. Eu acho isso muito, muito covarde”, relatou ela ao Tennis Channel.

“Eu acho que eles estão errados sobre isso. Esta não é uma declaração política; esta é uma declaração de direitos humanos. E as chances são de que Peng Shuai poderia estar jogando aqui, mas ela não conseguiu sair do país?”

A ação tomada pela equipe de segurança na sexta-feira foi baseada em suspeitas sobre “o motivo e a intenção da pessoa que entrou”, afirmou Tiley à Reuters na terça-feira.

“Se continuarem persistentes, serão removidos do local, mas se alguém quiser usar uma camiseta, apoiar Peng Shuai, tudo bem ou fazer outras coisas, tudo bem.”

A decisão foi anunciada após o ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, chamar a proibição das camisetas em apoio à Peng Shuai de “profundamente preocupante” e pediu que a TA “se pronunciasse” sobre a questão do assédio sexual.

Enquanto isso, a senadora liberal de Nova Gales do Sul, Hollie Hughes, alegou que o torneio estava “rebaixando-se à China” porque várias empresas chinesas são as principais patrocinadoras do Aberto da Austrália.

O ativista de direitos humanos australiano de Hong Kong, Max Mok, que gravou o vídeo na sexta-feira do segurança confiscando as camisetas e o banner, aplaudiu a decisão e observou que 1.000 camisetas seriam distribuídas no sábado na final feminina do Aberto da Austrália.

“Vamos torcer para que a Tennis Australia cumpra sua promessa e deixe a multidão usá-las”, declarou Mok, de acordo com a ABC, na terça-feira.

Mas o ativista de direitos humanos Drew Pavlou, que postou o vídeo de seu associado Max Mok sendo impedido de entrar no Twitter no dia 21 de janeiro, afirmou que não iria “dar nenhum crédito à Tennis Australia quanto a isso”.

“Eles realmente cedem quando você tem ministros do governo os condenando, eles realmente cedem quando têm advogados afirmando que há um potencial caso de direitos humanos aqui. Então, na verdade, eles estão apenas tentando cobrir sua própria retaguarda”, afirmou ele, de acordo com o The Australian.

A segurança de Peng, atleta olímpica e ex-primeira dupla do mundo, continua preocupando a comunidade global do tênis após ela alegar agressão sexual pelo ex-vice-primeiro-ministro chinês, Zhang Gaoli, na plataforma Weibo, em novembro.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas