Rubio luta por emenda no NDAA que proíbe importações feitas por uigures

'Em Xinjiang, uigures são retirados de suas casas e forçados a trabalhar nessas fábricas como escravos', afirma Rubio

Por Joseph Lord

Sen. Marco Rubio (republicano da Flórida) está firme no apoio a uma emenda ao Ato de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) que proibiria as importações da região chinesa de Xinjiang, onde o Partido Comunista Chinês (PCC) há muito tempo aprisiona e tortura muçulmanos uigures em campos de trabalho forçado.

A emenda, oferecida por Rubio, vem em meio a uma batalha maior sobre o NDAA, um projeto de lei anual para financiamento apropriado à defesa nacional e outras considerações de segurança.

No passado, Rubio apresentou um projeto de lei semelhante para proibir as importações da província chinesa de Xinjiang, afirmando que deve-se presumir que todos os bens da região, altamente populada por uigures, foram produzidos por meio de trabalho escravo.

O projeto foi facilmente aprovado no Senado por votação unânime; mas na Câmara, o projeto de lei estagnou, e nem mesmo foi considerado.

Já paralisados ​​na aprovação do projeto de lei, os democratas esperavam uma aprovação rápida do NDAA para o avanço à questão maior de evitar uma paralisação do governo e aumentar o teto da dívida. Uma coalizão partidária no Senado tentou levar o projeto adiante por meio de consentimento unânime, permitindo que o Senado considerasse rapidamente 20 emendas que haviam sido propostas para o projeto.

No entanto, Rubio se opôs à proposta, exigindo que a Câmara aprovasse seu projeto ou que sua emenda fosse adicionada ao NDAA.

“Todos nós já ouvimos as histórias”, afirmou Rubio no plenário do Senado após fazer sua objeção. “Na China, na província de Xinjiang, os muçulmanos uigures são retirados de suas casas, de suas famílias. Eles são forçados a trabalhar nessas fábricas como escravos; Eles são forçados a renunciar à sua religião, mudar seu nome, submetidos esterilização forçada e a abortos forçados”.

Rubio continuou: “Isso foi caracterizado – com razão – como genocídio”.

Rubio então voltou-se para seu projeto de lei para proibir as importações da região, que ele observou ter “apoio bipartidário”. O projeto, declarou ele, determina que “qualquer produto feito em uma fábrica [de Xinjiang] … presume-se que é produzido por escravos”.

“Foi aprovado no Senado por unanimidade”, observou Rubio. “Está parado na Câmara”.

Rubio explicou que estava apenas tentando adicionar a cláusula ao NDAA devido à inação da Câmara.

A Câmara deu sua própria explicação para essa inação: Segundo a Constituição, todos os projetos de lei que geram receita devem ter origem na Câmara.

“O problema que tenho com isso”, afirmou Rubio, “é que eles interpretaram [a cláusula] de maneira muito diferente de como o Supremo Tribunal a interpretou”.

A Câmara interpreta a cláusula “de forma muito ampla”, alegou Rubio. “Tão amplamente que eles podem basicamente usá-la em praticamente qualquer coisa. Eles podem apenas aplicá-la a qualquer coisa de que não gostem”.

“Portanto, não se trata realmente de geração de receita”, opinou Rubio. “O CBO [Congressional Budget Office] declarou que isso é insignificante, na verdade”.

Em vez disso, Rubio afirmou: “Trata-se do fato de que eles não querem que este projeto de lei seja aprovado na Câmara”.

Refletindo sobre por que os legisladores da Câmara não queriam que o projeto fosse aprovado, Rubio argumentou que esses legisladores estavam agindo em nome das grandes corporações multinacionais que dependem do trabalho escravo da região.

“Ouça, existem algumas grandes empresas por aí – algumas empresas muito grandes”, relatou Rubio. “Sabemos que há algum tempo a Apple, a Nike e muitas grandes empresas estão pressionando [o projeto]. Elas não vão admitir”, acrescentou o republicano da Flórida. “Quem vai pressionar a favor do trabalho escravo?”

Ainda assim, Rubio afirmou: “Este é o resultado final deles. Eles ganham muito dinheiro com a produção de coisas por pessoas que não são pagas para faze-las”.

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, parecia furioso com Rubio pela proposta.

“A ironia, o tipo de absurdo e tristeza disso tudo, é que, se a emenda dele estivesse no projeto, ela automaticamente eliminaria o projeto”, declarou Schumer. “Esta será a primeira vez que um projeto de lei do NDAA não avançou e recaiu sobre os ombros de um senador”.

Schumer chamou a situação de “triste, trágica e quase absurda”.

Schumer argumentou que a medida proposta gera receita, impede as prerrogativas da Câmara e é uma “pílula venenosa” que pode matar o NDAA.

Rubio rebateu esse argumento no Twitter.

“A presunção de que os produtos feitos em Xinjiang foram produzidos [por] escravos uigures não ‘aumenta a receita’”, escreveu Rubio. “Isso não é um problema [envolvendo o direito da Câmara de originar contas de geração de receita]. São as grandes empresas que se beneficiam do problema do trabalho escravo”.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas