Relato brutal de duas sobreviventes do pior assassinato em massa da atualidade

Há momentos em que os números, por mais poderosos e gigantescos, se mostram frios e abstratos para aqueles que os leem e não conseguem transmitir a dimensão daquilo que estão tentando expor. Por outro lado, o testemunho direto de apenas uma ou duas pessoas que passaram por essas situações, permite que o interlocutor seja transferido para essa dimensão desconhecida.

Na quarta-feira, 14 de dezembro de 2016, foi – sem dúvida – um dia para a reflexão de muitos argentinos, antes da exposição de alguns depoimentos que conseguiram esclarecer um crime hediondo que está acontecendo ao mesmo tempo em larga escala no outro lado do mundo.

Yu Zhenjie e Dong Yuhua, duas refugiadas chinesas (nos Estados Unidos) apareceram na cidade de Buenos Aires, Argentina, para testemunhar no tribunal federal nº 9 de Comodoro Py, a pedido do juiz Luis Rodríguez, no caso aberto No. 17.885 / 2005, intitulado “LUO GAN s / imposição de tortura e genocídio”.

 Yu Zhenjie (à esquerda) e Dong Yuhua (à direita) na conferência: “Um mal nunca visto antes neste planeta”, Bao Kitchen, Buenos Aires, Argentina, em 14 de dezembro de 2016. (Antonella Marty)
Yu Zhenjie (à esquerda) e Dong Yuhua (à direita) na conferência: “Um mal nunca visto antes neste planeta”, Bao Kitchen, Buenos Aires, Argentina, em 14 de dezembro de 2016 (Antonella Marty)

Ambas são vítimas diretas da brutal perseguição – sem precedentes na história da humanidade – sofrida pelos praticantes do Falun Dafa na China.

Essas mulheres corajosas, apesar de ainda carregarem sequelas por conta dos vários e perversos métodos de tortura a que foram expostas, queriam dar um passo à frente e contar ao resto do mundo sobre o genocídio que o regime comunista está realizando naquele país – que chega até à remoção de órgãos de pessoas vivas – um fato abominável e assustador que tanto Zhenjie quanto Yuhua estavam prestes a vivenciar.

Praticantes do Falun Dafa reconstroem a extração de órgãos durante uma reunião da Sociedade Internacional pelos Direitos Humanos em Cottbus, Alemanha, em 14 de abril de 2012 (Robert Michael / AFP / Getty Images)
Praticantes do Falun Dafa reconstroem a extração de órgãos durante uma reunião da Sociedade Internacional pelos Direitos Humanos em Cottbus, Alemanha, em 14 de abril de 2012 (Robert Michael / AFP / Getty Images)

Um crime que afeta toda a humanidade

Zhenjie tem cerca de 60 anos de idade, ela é uma contadora de profissão e é uma pessoa sorridente. Sua presença inspira bondade e confiança. Apesar de estar prestes a contar sua experiência terrível, ela permanece calma e tranquila.

Yu Zhenjie praticando meditação, o quinto exercício do Falun Dafa. Se ele não pode andar devido a tortura, ele agora pode meditar, cruzando as pernas duas vezes sem problema (La Gran Epoca)
Yu Zhenjie praticando meditação, o quinto exercício do Falun Dafa. Ela não podia andar devido à tortura, agora ela pode meditar, cruzando as duas pernas sem problemas (La Gran Epoca)

Ela – juntamente com Yuhua – foi convidada pela Comissão Especial para o Tráfico de Pessoas da Legislatura de Buenos Aires para dar seus testemunhos, a fim de sensibilizar os legisladores e conselheiros, bem como o público em geral.

O encontro ocorreu na sede legislativa e expôs principalmente o “negócio” da remoção sistemática de órgãos que o regime chinês empreende contra “prisioneiros de consciência” – pessoas que estão presas e desapareceram simplesmente por causa de sua crença – ainda com vida.

Em junho de 2016 essa situação que está acontecendo na China fez com que, David Matas, indicado ao Prêmio Nobel da Paz, a descrevesse como um “genocídio em câmera lenta”, após expor – em uma investigação de quase 700 páginas – que no período de 2000 a 2015 no país asiático, houveram entre 60.000 e 100.000 transplantes por ano, um total que pode chegar a um milhão e meio de transplantes em 15 anos, de acordo com números conservadores e cuja fonte são os corpos de praticantes do Falun Dafa e outras minorias religiosas, como cristãos, tibetanos e uigures.

Da esquerda à direita: o Legislador Gustavo Vera, o legislador Omar Abboud e a Sra. Yu Zhenjie, na Comissão de Tráfico da Assembléia Legislativa da Cidade de Buenos Aires, em 14 de dezembro de 2016. (The Epoch Times)
Da esquerda para a direita: o legislador Gustavo Vera, o legislador Omar Abboud e a Sra. Yu Zhenjie, na Comissão de Tráfico da Assembléia Legislativa da Cidade de Buenos Aires, em 14 de dezembro de 2016 (The Epoch Times)

“(Esses fatos) vão muito além de uma política pública ou de uma política de Estado, estamos falando da própria humanidade, direitos essenciais, questões que têm a ver com a dignidade humana”, disse o vice-presidente Omar Abboud, vice-presidente da comissão e membro da comunidade muçulmana na Argentina, antes de dar lugar ao testemunho de Zhenjie.

“Sou uma sobrevivente da perseguição do Falun Dafa na China”, disse Zhenjie e explicou: “Entre as várias torturas que sofri, drogas tóxicas também foram injetadas à força.”

“Em várias ocasiões fui sequestrada, fui condenada ilegalmente a três anos de reeducação pelo trabalho, sofri espancamentos e várias formas de tortura desumana, como ser pendurada no teto com algemas, eletrocutada com bastões elétricos, trancada em uma gaiola de metal. Alimentada a força, sofri a quebra dos dentes, injetaram substâncias que danificaram meu sistema nervoso central, entre outros”, acrescentou.

 Yu Zhenjie, um praticante do Falun Dafa, expõe a tortura que recebeu em campos de trabalhos forçados na China em 21 de novembro de 2016 na Faculdade de Direito (UBA), Buenos Aires, Argentina (Daniel Musa / The Epoch Times)
Yu Zhenjie,  praticante do Falun Dafa, expõe a tortura que recebeu em campos de trabalhos forçados na China na Faculdade de Direito (UBA), Buenos Aires, Argentina, em 21 de novembro de 2016 (Daniel Musa / The Epoch Times)

Zhenjie disse que além dela, toda a sua família foi perseguida por praticar o Falun Dafa, uma disciplina espiritual que segue os princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância e tem uma série de exercícios suaves e meditação.

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, começou a ser brutalmente perseguido pelo Partido Comunista Chinês em julho de 1999, quando se estimava que havia entre 70 e 100 milhões de chineses que seguiam seus princípios, considerados uma ameaça ao regime totalitário (e ateu) que na época era liderado pelo líder comunista Jiang Zemin.

Em 1999, Zhenjie foi apelar para Pequim quando a perseguição ao Falun Gong começou e foi presa.

Ela não queria dar seu nome para que eles não retaliassem sua família.

Ela disse que na delegacia de polícia ela explicou a verdade do que estava acontecendo com um policial e ele a separou do resto, pouco antes de passar por check-ups médicos.

O policial levou-a ao jardim, disse-lhe que ele havia lido o livro do Falun Dafa, que sabia que os praticantes eram pessoas boas e que queria ajudá-la.

O policial apontou para um prédio atrás do local onde ela foi detida e disse: “Esse lugar é cheio, cheio de praticantes do Falun Dafa, eles são todos pessoas boas, mas os de ‘cima’ (nota da redação: se referindo a oficiais de maior hierarquia) os levam a um lugar terrível para fazê-los desaparecer para sempre”.

“Por favor, quero ajudá-la, por favor, dê seu nome”, disse o policial ansiosamente com uma expressão sincera e comovida, disse Zhenjie, que concordou em fornecer suas informações pessoais. Dessa forma, ela não precisou fazer check-ups médicos e foi transferida de volta para sua cidade natal.

“Se não fosse pelo policial que insistiu para que eu desse meu nome, certamente eu seria mais uma na lista e meus órgãos teriam sido roubados”, disse Zhenjie.

A representação de tortura apenas para fins ilustrativos. (Crédito: © Minghui)
Representação de tortura para fins ilustrativos (Crédito: © Minghui)

A diferença entre fornecer dados pessoais à polícia e não fornecê-los resulta que o praticante que os entrega é identificado e a partir desse momento começa a ser monitorado, pressionado e assediado e toda a sua família e círculos próximos também começam a ser investigados. É por isso que muitos praticantes decidem não fornecer seus dados pessoais à polícia e, assim, proteger seus entes queridos.

Mas de acordo com testemunhas, aqueles que decidem ser anônimos se tornam desaparecidos (já que sua família não é notificada sobre seu paradeiro) e se tornam parte do banco de órgãos vivos, uma vez que é assassinado, ninguém pode reivindicar seus restos mortais.

“Essa perseguição arruinou uma família que as pessoas invejavam por ser feliz e com um futuro promissor”, disse Zhenjie, mas “da noite para o dia isso mudou”, acrescentou.

“Meu marido foi forçado a se divorciar de mim. Ele foi levado para a prisão com um juiz, onde me torturaram e perguntaram se eu escolheria meu marido ou o Falun Dafa. Insisti que escolheria os dois, mas só poderia escolher um e, se escolhesse meu marido, poderia partir imediatamente. No final, decidi não deixar o Falun Dafa, minha fé e, naquele momento, o juiz assinou o papel do divórcio e meu marido se retirou da prisão”, disse Zhenjie.

Injeções com drogas psicotrópicas prejudiciais (Minghui.org)
Injeções com drogas psicotrópicas prejudiciais (Minghui.org)

“Meu pai morreu muito triste porque toda a sua família estava na prisão. Este é o maior arrependimento da minha vida”, disse ela diante do olhar atento dos presentes na Sala Arturo Jauretche.

Campos de trabalhos forçados chineses: uma crueldade difícil de imaginar

Dong Yuhua estava atrasada para a Assembléia Legislativa porque naquele momento ela estava apresentando seu testemunho perante o tribunal federal argentino nº 9 que investigava esse caso de genocídio na China.

Deve-se notar que, em dezembro de 2009, o então juiz argentino Octavio Aráoz de Lamadrid – após quatro anos de investigação – solicitou a captura internacional do ex-presidente chinês Jiang Zemin, por considerar que havia provas suficientes para interrogá-lo sob investigação por esses crimes contra a humanidade que estão sendo cometidos na China.

Essa causa foi quase imediatamente fechada e arquivada sob pressão da Embaixada da China na Argentina – dados que estão registrados no arquivo hoje – e depois de uma série de recursos, foi reaberta.

Neste contexto, o atual detentor do tribunal nº 9, onde está o caso, solicitou que Zhenjie e Yuhua se apresentassem para depor.

O caso de Yuhua é tristemente semelhante ao de Zhenjie, em seu sofrimento e nos métodos de tortura que ela sofreu com o aparato repressivo do regime chinês, que a sequestrou cinco vezes.

“Eu sofri distúrbios mentais como resultado de tortura. Eu fui presa à força e eles me deram um grande número de medicamentos psiquiátricos, fazendo com que eu perdesse a memória, eu nem reconheci meus pais”, disse Yuhua.

Dong Yuhua (vestido de amarelo, à direita) na Legislatura da Cidade de Buenos Aires, 14 de dezembro de 2016 (The Epoch Times)
Dong Yuhua (de camisa amarela, à direita) na Legislatura da Cidade de Buenos Aires, em 14 de dezembro de 2016 (The Epoch Times)

“Minha mãe me disse que eu tinha uma barba de 2,5 cm de comprimento e eu passei cinco meses sem menstruação. Hoje, depois de 14 anos, ainda não posso ter filhos”, explicou ela.

Ela disse que foi presa em julho de 1999 e foi mentalmente torturada “até perder sua sanidade”.

Ela recebeu uma grande quantidade de medicamentos no Hospital Distrital de Fangcun, na cidade de Guangzhou, no sudeste da China.

“Eu não conseguia cuidar de mim mesma, não conseguia escrever com a mão, não conseguia manter a parte superior do corpo ereta”, disse ela, detalhando que sua situação estava ficando cada vez pior até que ela alcançou uma perda completa de memória.

“Meus pais disseram que eu não conseguia nem reconhecer meus parentes. Minha boca estava babando continuamente, meu peito inteiro ficava molhado” Yuhua lembrou com tristeza, mas com um olhar firme nos olhos da platéia.

 

Yuhua disse que, enquanto na prisão, eles levaram parte de sua medula óssea duas vezes.

 

Todos entraram lá sendo saudáveis e com um estado normal de espírito, no entanto, eles foram perseguidos até perderem a sanidade mental, tornando-se deficientes físicos e até mesmo morrendo como resultado dos “tratamentos” cruéis que se aplicavam a eles.

Yuhua foi privada de sono por quase uma semana, eles jogaram água com pimenta em seu rosto quando ela tinha as mãos amarradas e até mesmo fizeram alimentação forçada através de um tubo – como com Zhenjie – duas vezes.

“Jamais esquecerei esse tipo de sofrimento”, disse ela no Legislativo, chorando.

“Em 31 de maio de 2001 – enquanto eu estava detida – dois policiais vieram durante a noite, cobriram meu rosto e me levaram para um carro de patrulha. Quando pude ver, vi que meus membros estavam algemados nos quatro cantos da cama. Eu vi um homem de meia-idade usando um uniforme policial. Na mão, ele segurava uma agulha grande. Ele me picou e eu imediatamente perdi a consciência”, explicou ela.

Recriação do ato de remoção de órgãos na China (Robert Michael / AFP / Getty Images)
Recriação do ato de remoção de órgãos na China (Robert Michael / AFP / Getty Images)

“Quando acordei, era dia. Eu senti vertigem, um zumbido nos meus ouvidos, fraqueza por todo o corpo e uma dor aguda no abdômen. Uma mulher vestida de civil – que parecia uma funcionária do hospital – disse-me: “Você recebeu oito frascos de remédios e retiraram sua medula óssea”. Perguntei-lhe o motivo e, olhando nervosamente para a porta, ela não respondeu. Perguntei-lhe que tipo de remédio e ela disse: “Não tem rótulo”. Naquele momento, o mesmo médico da polícia entrou e eles me levaram de volta para a cela. Eu senti que havia algo pegajoso na parte inferior do meu corpo”, acrescentou.

Yuhua disse que as algemas foram colocadas de volta quando ela voltou para sua cela e ela ficou presa ao lado do vaso sanitário.

 

Sob o controle comunista, em todo o país, inúmeros praticantes do Falun Dafa foram presos em hospitais psiquiátricos.

 

“Eu me senti muito tonta. Uma praticante de Falun Dafa de 60 anos que estava na minha cela colocou uma bacia de plástico nas minhas nádegas e eu não sei quanto tempo depois, ela começou a gritar: “Olha, olha, é sangue. Toda a bacia está cheia de sangue. Então eu desmaiei. ” disse ela chorando, sem saber quantos dias se passaram até que ela sentiu alguém chutando ela para acordar.

“Suportando a imensa dor, eu disse: ‘O que você quer fazer, você quer tirar meus órgãos?’ Isso foi em 2001, nem eu sabia que eles já estavam vendendo órgãos de praticantes do Falun Gong, retirando suas córneas, pele e medula óssea, etc. enquanto eles ainda estavam vivos”disse ela tristemente.

Repúdio mundial

Praticantes do Falun Dafa realizam seus exercícios em uma cerimônia comemorativa do 20º aniversário da perseguição ao Falun Dafa na China, no jardim oeste do Capitólio, em 18 de julho de 2019. (Mark Zhou / The Epoch Times)
Praticantes do Falun Dafa realizam seus exercícios em uma cerimônia comemorativa do 20º aniversário da perseguição ao Falun Dafa na China, no jardim oeste do Capitólio, em 18 de julho de 2019 (Mark Zhou / The Epoch Times)

Em 13 de junho de 2016, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou uma resolução expressando preocupação com “os relatórios persistentes e legítimos sobre a sistemática remoção de órgãos dirigida pelo Estado em prisioneiros de consciência que não deram o seu consentimento na República Popular da China, incluindo um grande número de praticantes de Falun Gong e outros grupos religiosos e minorias étnicas”.

O Parlamento Europeu e outras organizações internacionais condenaram a remoção de órgãos aos quais os praticantes do Falun Dafa na China estão sujeitos.

“Isso gera indignação, é um crime contra a humanidade. É um ataque à humanidade e à dignidade das pessoas”, disse o deputado Gustavo Vera, lembrando que infelizmente sob regimes totalitários as crenças religiosas e espirituais são classificadas como “subversivas”.

Ele deu como exemplos, além da perseguição ao Falun Dafa na China, os casos de cristãos na Armênia ou o que aconteceu com os judeus sob a Alemanha nazista.

“É muito claro que na China, no momento, há a principal ‘fábrica’ de órgãos do mundo e é claro que os direitos humanos estão sendo seriamente violados”, disse Vera e observou que esta situação “não atrai atenção” vendo a história do “extermínio em larga escala” do regime comunista chinês, que, ele mencionou, inclui perseguições políticas e religiosas, campos de detenção clandestinos e centros de trabalho forçado.

O legislador Vera enfatizou a importância de conscientizar as pessoas em todo o mundo sobre essa “tragédia”, porque existem muitos “negócios” com a China que constituem “a razão do silêncio” da comunidade internacional.

Conferencia: “A primeira vista nunca vista neste planeta” no restaurante Bao Kitchen da Cidade de Buenos Aires, 14 de dezembro de 2016 (La Gran Época)
Conferencia: “Uma maldade nunca vista neste planeta” no restaurante Bao Kitchen da Cidade de Buenos Aires, em 14 de dezembro de 2016 (La Gran Época)

Embora seja obviamente muito difícil para essas pessoas exporem o que sofreram, há uma fé inabalável nelas permitindo-as avançar e compartilhar com as pessoas que se encontram nessa tragédia que ameaça sua própria condição humana.

“As declarações de Yu Zhenjie e Dong Yuhua ontem fizeram com que eu chorasse”, Antonella Marty expressou em um artigo escrito um dia depois de conhecer essas duas histórias de vida, parte de uma tragédia muito maior, mas – ao mesmo tempo – muito pouco divulgada.

Uma vez que este crime seja completamente revelado, certamente todos irão refletir sobre o que farão ao tomar conhecimento sobre esse genocídio. Um dia de reflexão pode ser levado à ação, pelo menos compartilhando esta informação e posicionando-se no lado correto da história.

 
Matérias Relacionadas