Praça Tiananmen, o massacre que o regime chinês tenta apagar

Por Dorothy Li

Depois de trinta e dois anos, o regime comunista chinês continua tentando suprimir a memória do sangrento massacre de 4 de junho, censurando todas as suas menções, prendendo dissidentes que falam publicamente e mantendo as gerações mais jovens sem saber o que realmente aconteceu naquela noite.

Grande parte do mundo sabe a verdade que o líder do regime comunista enviou tropas para suprimir os estudantes que clamavam por uma sociedade mais aberta e protestaram na Praça Tiananmen , centro da capital Pequim , em 4 de junho de 1989, o que causou a morte de milhares de jovens chineses. Hoje, no território controlado pelo Partido Comunista Chinês (PCC), a censura continua.

Chen Siming, que postou uma foto comemorando o sangrento acontecimento, foi punido em 31 de maio com uma detenção administrativa de 15 dias pelas autoridades da cidade de Zhuzhou, no sul da província de Hunan.

Durante anos, Chen persistiu em comemorar o massacre de 1989 na Praça Tiananmen. Em 2018, ele foi preso por tirar fotos em um parque no dia 4 de junho, onde havia um tanque ao fundo.

“Fui preso quatro vezes desde 2017, três por comemorar o 4 de junho”, disse Chen em um tweet de 30 de maio. “Mas ainda quero comemorar o dia mais importante da história contemporânea, que é uma responsabilidade cidadã”.

Huang Xiaomin, um apoiador do movimento estudantil pró-democracia, está sob custódia por “procurar brigas e causar problemas”, disse sua filha em 29 de maio, referindo-se a uma frequente acusação usada pelo PCC para silenciar os críticos, o blog anteriormente relatado Weiquanwang .

O amigo de Huang, de sobrenome Xie, disse em uma entrevista ao Epoch Times que enquanto tomavam chá com ele em 28 de maio as autoridades locais telefonaram para Huang .

Por sua vez, outro dos dissidentes declarados, Yang Shaozheng , desapareceu no sudoeste da China. Sua esposa perdeu contato com ele por mais de duas semanas, disse seu amigo Yang Zili à NTD em 31 de maio.

O ex-professor de economia Yang Shaozheng, que foi demitido por criticar o PCC em 2018, foi citado pelas autoridades em várias ocasiões, disse Yang Zili, amigo e colega ativista. Sua esposa acredita que Yang provavelmente foi detido pelas autoridades, acrescentou o amigo.

Outro ativista da província de Sichuan, no sudoeste, disse ao Epoch Times que a polícia apareceu em sua casa na quinta-feira, advertindo-o para ficar quieto nos dias 4 de junho e 1o de julho, o dia de aniversário do PCC. Um ativista de Pequim, que também prefere não revelar seu nome, disse ao Epoch Times que foi informado pelas autoridades locais que teria que viajar para outras cidades em 4 de junho e 1º de julho.

Juventude despreocupada

A censura contínua reprime as referências de Tiananmen na rede de Internet da China e as apaga dos livros de história dos estudantes, incluindo o nome do então líder do regime, Zhao Ziyang.

Muitos jovens chineses cresceram sem saber do evento brutal há 32 anos, pois os professores temem tocar em questões delicadas delineadas pelo PCC. A mídia controlada pelo Estado não está autorizada a fazer reportagens sobre isso. Quando jornalistas ocidentais perguntaram a um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, ele apenas descreveu como um “motim político”.

Um professor de segundo grau da província de Hunan, de sobrenome Huang, admitiu que os jovens da China continental, sob a censura da informação, tornaram-se indiferentes.

“A geração jovem limita sua atenção ao dinheiro, bons vinhos, pratos saborosos e diversão. Eles são complacentes em Douyin usando o telefone ”, disse Huang em uma entrevista à Radio Free Asia. Douyin é uma plataforma de mídia social popular, o aplicativo associado ao TikTok na China.

“Quanto à igualdade e justiça, eles não têm essas ideias. Eles só querem se divertir ”, disse Huang.

O movimento crescente dos jovens chineses em direção ao descanso – uma atitude descuidada em relação ao trabalho, carreira, casamento, amizades, paternidade e consumismo – tornou-se uma dor de cabeça para as autoridades.

Com informações de Yi Ru e Hong Ning.

Entre para nosso canal do Telegram.

Veja também:
 
Matérias Relacionadas