Por que pacientes não são computados como novos casos de vírus em Wuhan

A Comissão Nacional de Saúde da China informou em 23 de março que não havia novas infecções domésticas no dia anterior

Por Nicole Hao

A cidade de Wuhan, marco zero da epidemia da China, não registrou novas infecções por vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) por cinco dias consecutivos a partir de 23 de março.

Os moradores locais relataram um cenário diferente.

Enquanto isso, o governo de Wuhan explicou recentemente por que se recusa a contar novos casos de pessoas com testes positivos.

Zero novas infecções

A Comissão Nacional de Saúde da China informou em 23 de março que não havia novas infecções domésticas no dia anterior.

Desde 19 de março, a comissão informou que quase todos os pacientes recém-diagnosticados na China são casos importados – exceto um novo paciente doméstico que foi diagnosticado na província de Guangdong em 20 de março.

A comissão de saúde de Guangdong anunciou em 22 de março que este paciente é da cidade de Guangzhou. Ele foi infectado pelo vírus do PCC após o contato com um paciente “importado” que viajou recentemente para Istambul, na Turquia, segundo o anúncio.

Enquanto isso, Tu Yuanchao, vice-diretor da comissão de saúde da província de Hubei, explicou por que não houve novas infecções em Wuhan em uma entrevista ao jornal estatal Hubei Daily em 22 de março. Wuhan é a capital da província de Hubei.

Tu disse que os pacientes recém-relatados se enquadram em dois grupos: aqueles que recidiveram recentemente após a recuperação inicial da doença e aqueles que apresentaram resultados positivos durante o teste de ácido nucleico para o COVID-19, mas não apresentam sintomas.

“Os casos recidivados foram relatados quando foram diagnosticados pela primeira vez. Nós não os computaremos. Atualmente, a cidade de Wuhan designa o Hospital Jinyintan e o Hospital Pulmonar para tratar os pacientes recidivados ”, disse Tu.

Tu disse que, como as autoridades não viram um exemplo de paciente recidivado infectando outras pessoas, ele não achou que esses pacientes pudessem espalhar a doença para outras pessoas.

Para o segundo grupo de pacientes, Tu disse que o governo não os contaria como pacientes com COVID-19, mas “os enviaria ao centro de quarentena por duas semanas de monitoramento”.

Vozes reais

Enquanto isso, uma moradora de Wuhan, esposa de um gerente sênior de um banco local, disse que os gerentes foram recentemente informados das autoridades sobre uma nova diretiva.

“Os gerentes das empresas estatais de Wuhan receberam um aviso dizendo que só poderiam retomar a produção depois que nenhuma nova infecção fosse relatada em Wuhan por 14 dias consecutivos”, disse a fonte ao Epoch Times em 23 de março.

A fonte acrescentou que o governo local queria que as empresas operassem o mais rápido possível e disse às agências governamentais que elas precisam fazer isso acontecer.

Em uma gravação de áudio compartilhada no Twitter por um ativista chinês no exterior chamado Charles, o chefe local do Partido de um comitê de bairro no distrito de Jiang’an pode ser ouvido explicando à sua comunidade que as famílias não podem descer as escadas ao mesmo tempo para pegar mercadorias que eles compraram, pois deveriam praticar o distanciamento social para permanecerem seguras.

“Eu disse a vocês, a situação não é boa. Não confie nas zero novas infecções. Você não saberá a verdade se não estiver na linha de frente”, disse o chefe do Partido.

Quando um morador lembrou que ela não deveria compartilhar essas informações, o chefe do Partido respondeu: “Se ninguém contar a verdade, nos tornaremos o segundo Li Wenliang”.

Li Wenliang é um dos oito médicos que divulgaram pela primeira vez informações sobre um surto de “SARS” em dezembro de 2019. Li foi repreendido pelas autoridades chinesas. Ele morreu do vírus do PCC em 7 de fevereiro.

Propaganda

O regime chinês recentemente começou a pressionar uma propaganda de que o surto de vírus poderia ter se originado na Itália, o país mais atingido fora da China.

O jornal estatal Global Times noticiou em 22 de março: “O surto de vírus na Itália pode ter ocorrido mais cedo do que na China”, acrescentando que “o vírus [que se espalha] na Itália pode não ter vindo da China”.

Enquanto isso, os trolls chineses começaram a postar em plataformas de mídia social internacionais e chinesas, como Twitter, Facebook e o popular aplicativo chinês WeChat, alegando que a China é o único país seguro a se manter longe do vírus.

As capturas de tela de várias contas do Twitter mostram que todos eles twittaram a mesma mensagem em chinês, com apenas o nome do país alterado. “O surto na França [também EUA, Canadá, Espanha, Itália] está fora de controle. Ouvi de amigos que trabalham em hospitais franceses [americanos, canadenses etc.] que inúmeras pessoas estão pedindo ajuda diariamente em hospitais, mas elas não têm kits de diagnóstico”.

O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus como o vírus do PCC, porque o encobrimento e a má administração do Partido permitiram que ele se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global.

 
Matérias Relacionadas