Peter Schiff fala sobre o estado da economia dos EUA

Epoch Times: Sr. Schiff, qual é sua opinião sobre a economia dos EUA neste momento?
Peter Schiff: Eu acho que é um desastre. Muito poucas pessoas percebem a enorme dimensão do desastre. A maioria acha que a economia dos EUA está se recuperando, talvez um pouco mais lentamente do que gostariam. As pessoas falam sobre uma recuperação sem empregos. Mas a realidade é que não há qualquer recuperação. Não estamos nos recuperando de nada. O país está cada vez mais doente.

A economia dos EUA está realmente danificada. Isso é o resultado da política monetária, principalmente, mas as políticas fiscais e reguladoras são parte do problema. Eu acho que a maior parte do problema é o banco central. Ele está basicamente tentando acomodar as péssimas políticas fiscal e regulatória. Eles estão tentando estimular a economia para negar o sedativo que está sendo aplicada pelo governo. Mas na verdade isso está tornando o problema pior.

Epoch Times: Então, qual é o problema?
Sr. Schiff: Um dos problemas que temos na América é que as taxas de juros são muito baixas. Nós não poupamos o suficiente, nós gastamos muito, tomamos emprestado demais e não produzimos o suficiente. Portanto, temos estes desequilíbrios externos enormes em que tomamos emprestado do resto do mundo. Temos de importar bens, porque não investimos em produtividade.

Não estamos produzindo os bens. Mas tudo isso é feito para tentar manter a ilusão de saúde, de modo que os americanos possam continuar gastando. Assim, os políticos podem realmente fingir que a economia está melhorando. Mas tudo o que estamos fazendo é realmente encobrir os sintomas. Sob a superfície, a economia está realmente deteriorando. Eventualmente, ela entrará em colapso.

Epoch Times: Por quê?
Sr. Schiff: Existe um limite para quanto estímulo artificial podemos ter. Há um limite para quanto dinheiro o mundo está disposto a emprestar. Porque uma vez que eles cheguem a um acordo sobre o fato de que nunca pagaremos o dinheiro que emprestamos, eles não desejarão nos enviar suas poupanças e sua produção se não pudermos pagar por isso.

Mas nós temos essa falsa economia de bolha que fica cada vez maior. Pessoas se concentram no mercado de ações. Elas dizem: “Bem, o mercado de ações está subindo, isso deve significar que a economia está melhorando.” Na verdade, não está. Há simplesmente um monte de dinheiro e enorme inflação criados pelos bancos centrais. Então, eles são capazes de inflar uma bolha em ações ou imóveis, mas não são capazes de gerar crescimento econômico legítimo.

Epoch Times: Então é por isso que as pessoas se sentem diferentes sobre a recuperação?
Sr. Schiff: Isso não é percebido pelo americano médio como uma recuperação econômica porque não é. Nós não estamos tendo o tipo de prosperidade que adviria do crescimento real da economia, estamos apenas alimentando uma bolha.

E quando as pessoas especulam no mercado de ações, isso não cria riqueza real. No papel, para alguns. Mas nós não estamos construindo fábricas, não estamos produzindo mais bens de consumo, não estamos criando bons empregos, estamos apenas inflando uma bolha. E estamos prorrogando o dia do acerto de contas, que está relativamente perto neste momento.

Epoch Times: Como serio o dia do acerto de contas?
Sr. Schiff: Neste exato momento estamos consumindo o que outras pessoas produzem. Então, ninguém aqui tem de produzir. A pergunta é: Por que o mundo está tão disposto a deixar a América desfrutar dos frutos do seu trabalho? Quando as pessoas que produzem esses bens desejarão consumir eles próprios esses bens?

Agora, eles estão contentes em aceitar nossas dívidas, porque eles pensam: “Bem, vamos gastá-las no futuro.” Eles pensam que estão construindo o seu futuro; eles estão economizando dólares que possam gastar no futuro. Claro, eles não percebem que o dólar não terá muito valor no futuro, assim não haverá quase nada para comprar.

Mas também acho que a maioria dessas economias em desenvolvimento tem a falsa impressão de que seu crescimento econômico, e o sucesso do mesmo, encontra-se em sua capacidade de exportar – mas não é verdade. A chave é a produção.

E as pessoas se esquecem de que as nações não exportam apenas para exportar. Eles não exportam para criar empregos. Você exporta para pagar suas importações. E se você não está importando nada, então não há razão para exportar. Porque o que as pessoas querem são bens de consumo.

Então, ou você os produz você mesmo ou você os troca/negocia. Mas enviar seus bens de consumo e não ter nada em troca, exceto títulos do Tesouro, nossos parceiros comerciais não estão se beneficiando. Nós somos os beneficiados, porque consumimos as coisas, nós não produzimos nada para pagar por isso.

Epoch Times: Isso não pode continuar para sempre, certo?
Sr. Schiff: Quando o mundo descobrir que nós os enganamos e que eles estão segurando um monte de notas promissórias sem valor, eles pararão de exportar. Isso não significa que eles pararão de produzir bens. Significa apenas que seus cidadãos vão consumi-los. O que será melhor para eles, mas isso é quando a festa acabar nos EUA. Porque sem o mundo para nos fornecer os bens que não produzimos, não há quase nada para comprar.

Se não há quase nada para comprar, não importa quanto dinheiro os consumidores gastarão. Não há nada lá, apenas a inflação. Todas as nossas políticas visam a colocar dinheiro no bolso dos consumidores. Mas o dinheiro não faz nenhum bem se não há quase nada para comprar. E de onde estão vindo estas coisas? Estão vindo dos esforços produtivos de pessoas de fora da América.

Peter Schiff é o CEO da empresa de investimento Euro Pacific Capital. Ele previu corretamente o colapso dos subprimes e a consequente crise financeira de 2008

A entrevista foi editada para concisão e clareza.

 
Matérias Relacionadas