Onças ameaçadas de extinção são “mortas sob demanda” para a indústria da medicina tradicional

No país sul-americano do Suriname, as onças ameaçadas de extinção estão sendo ilegalmente mortas por caçadores clandestinos, apesar de seu status de proteção.

Os produtos de onças são lucrativos no mercado negro. Embora sejam caçadas por suas garras e dentes para fazer jóias e alimentos, a indústria da medicina tradicional também tem sido especialmente lucrativa.

Imigrantes chineses no Suriname, um influxo resultante do investimento da China em recursos da América do Sul, criaram redes subterrâneas para administrar um negócio de “pasta de jaguar”,  abastecendo a indústria de remédios tradicionais na Ásia, de acordo com a World Animal Protection.

Fotos de jaguares ilegalmente caçadas (World Animal Protection)

A pasta de jaguar, também chamada de cola de onça, é feita fervendo o animal por sete dias. Em seguida, é exportada ilegalmente por meio de bagagem de mão. Dizem que a pasta serve propósitos medicinais como melhorar o desempenho sexual, ajudar a tratar a artrite e beneficiar a saúde geral, embora não haja evidência alguma para apoiar as alegações, de acordo com Nicholas Bruschi, que comandou uma investigação secreta da World Animal Protection.

De acordo com os resultados da investigação, uma única onça-pintada pode produzir entre 20 e 30 banheiras de pasta de jaguar e pode ser vendida por cerca de US$ 3.000. Os dentes de jaguar, sendo a parte do corpo mais valiosa, também são uma grande parte da indústria.

dustry.

Garras de jaguar, dentes e presas são vendidos ilegalmente para fazer jóias (World Animal Protection)

Enquanto isso, filhotes de onça-pintada são vendidos ilegalmente no comércio de animais exóticos para indivíduos ricos como símbolos de status. Eles são frequentemente mantidos em condições inaceitáveis ​​e mortos por manipuladores quando ficam muito grandes.

A World Animal Protection descobriu que a indústria da caça furtiva frequentemente passa despercebida pelas autoridades. Jaguares não são apenas mortos durante os confrontos quando eles entram em contato com humanos ou com o gado. Os traficantes podem ordenar caçadores de jaguar furtivos literalmente distribuindo recompensas através de contatos ou até mesmo através das mídias sociais. As onças são então “ordenadas a morrer”, como diz Bruschi. Os animais são então atraídos e rastreados. A investigação revelou que eles são freqüentemente perseguidos por dias por caçadores furtivos e atingidos várias vezes até que sejam imobilizados, capturados e mortos. O pagamento é maior do que um trabalhador rural pode receber em um mês.

“É certamente provável que o fluxo de cidadãos chineses tenha expandido o mercado interno de peças de onça-pintada no Suriname”, explicou Pauline Verheij, do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal. Evidências apontam claramente para a existência de uma grande rede subterrânea bem organizada que opera o comércio.

A punição por matar, transportar, comprar, vender ou possuir animais protegidos, como as onças, é multa de até US$ 134 mil ou prisão por até 6 anos, segundo a advogada ambientalista Nancy del Prado, de Paramaribo. Os traficantes de onças costumam se deslocar, transportando a carga ilícita de um veículo para outro, de vários locais seguros, a fim de frustrar as autoridades. Mesmo quando são flagrados, evidências sugerem que os infratores podem ficar impunes.

Pxhere (Peter Neve)

As perspectivas futuras para as onças-pintadas no Suriname são incertas. Elas estão atualmente na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN e estão listadas como quase ameaçadas. Em uma nota positiva, ainda há muito habitat na selva selvagem no Suriname, que é uma forma natural de proteção para as onças. No entanto, com planos futuros de construir uma estrada no interior de Paramaribo, na costa norte ao sul do Brasil, essa proteção poderá ser perdida.

 

 
Matérias Relacionadas