O Plano da China de destruir os Estados Unidos resultou em um ‘tiro pela culatra’?

Se as autoridades chinesas são inocentes, elas não têm nada a esconder. Se elas forem culpadas, elas se recusarão a cooperar.

Por J.R.Nyquist

Comentário

Em um discurso secreto feito aos quadros seniores do Partido Comunista Chinês (PCC), quase duas décadas atrás, o Ministro da Defesa chinês, general Chi Haotian, explicou um plano de longo prazo para garantir um renascimento nacional chinês.

Ele disse que havia três questões vitais que deveriam ser entendidas. A primeira foi a questão do espaço vital, porque a China está superpovoada e o ambiente da China está se deteriorando. A segunda questão, portanto, era que o Partido Comunista deveria ensinar o povo chinês a “deixar” o país. Com isso, o general Chi estava se referindo à conquista de novas terras nas quais uma “segunda China” poderia ser construída através da “colonização”. É aqui que surge a terceira questão vital: o “caso dos Estados Unidos”.

O general Chi advertiu seus ouvintes: “Isso parece chocante, mas a lógica é realmente muito simples.” A China está “em conflito fundamental com o interesse estratégico do Ocidente”. Portanto, os Estados Unidos nunca permitirão que a China apreenda outros países para construir uma segunda China. Os Estados Unidos atrapalham a China.

Chi explicou o problema da seguinte maneira: “Os Estados Unidos nos permitiriam sair e ganhar um novo espaço? Primeiro, se os Estados Unidos mantiverem-se firmes em nos bloquear, é difícil fazer algo significativo para Taiwan, Vietnã, Índia ou mesmo Japão, [então] quanto mais espaço de vida podemos obter? Muito trivial! Somente países como Estados Unidos, Canadá e Austrália têm vastas terras para atender à nossa necessidade de colonização em massa”.

“Não somos tolos o suficiente para querer perecer junto com os Estados Unidos usando armas nucleares”, disse o general. “Somente usando armas não destrutivas que podem matar muitas pessoas é que podemos reservar os Estados Unidos para nós”. A resposta é encontrada em armas biológicas. “É claro”, acrescentou, “não ficamos ociosos, nos últimos anos aproveitamos a oportunidade para dominar esse tipo de arma”.

O Partido Comunista Chinês, no poder, acredita que as armas biológicas são as mais importantes para alcançar seu objetivo de “limpar os Estados Unidos”. Chi atribui a Deng Xiaoping a colocação de armas biológicas à frente de todos os outros sistemas de armas no arsenal chinês: “Quando o camarada Xiaoping ainda estava conosco, o Comitê Central do Partido teve o discernimento para tomar a decisão certa, não desenvolver grupos de porta-aviões e concentrar-se no desenvolvimento de armas letais que podem eliminar populações massivas do país inimigo”.

Pode parecer difícil de acreditar, mas o general Chi se considerava um comunista “humanitário” e, portanto, admitiu ter sentimentos pessoais divergentes sobre esse assunto: “Às vezes acho que é cruel para a China e os Estados Unidos serem inimigos”. Afinal, ele disse: “Os Estados Unidos ajudaram a China na Segunda Guerra Mundial. O povo chinês lembra que os Estados Unidos se opuseram ao imperialismo japonês. Mas nada disso importa agora.

“A longo prazo”, disse o general Chi, “o relacionamento entre a China e os Estados Unidos é uma luta de vida ou morte”. Essa situação trágica deve ser aceita. Segundo o general Chi, “não devemos esquecer que a história de nossa civilização nos ensinou repetidamente que dois tigres não podem viver juntos em uma montanha”.

Segundo o general Chi, o problema de superpopulação e degradação do meio ambiente da China acabará por causar colapso social e guerra civil. O general Chi estimou que “mais de 800 milhões” de chineses morreriam nesse colapso. Portanto, o Partido Comunista Chinês não possui uma política alternativa.

Ou os Estados Unidos são “eliminados” por ataques biológicos ou a China sofre uma catástrofe nacional.

O general Chi tem o seguinte argumento: “Precisamos nos preparar para dois cenários. Se nossas armas biológicas forem bem-sucedidas no ataque surpresa, o povo chinês poderá reduzir ao mínimo suas perdas na luta contra os Estados Unidos. No entanto, se o ataque falhar e causar uma retaliação nuclear dos Estados Unidos, a China poderá sofrer uma catástrofe na qual mais da metade da população perece. É por isso que precisamos estar preparados com sistemas de defesa aérea para nossas grandes e médias cidades”.

Em seu discurso, o general Chi nos dá uma chave para entender a estratégia de desenvolvimento da China. Segundo Chi, “nosso desenvolvimento econômico se baseia na preparação para as necessidades da guerra”. Não se trata de melhorar a vida dos chineses no curto prazo. Não se trata de construir uma sociedade capitalista orientada para o consumo. Publicamente, disse o general Chi, “ainda enfatizamos o desenvolvimento econômico como nosso centro, mas, na realidade, o desenvolvimento econômico tem a guerra como seu centro!”

O mesmo pode ser dito do intenso interesse da China em ciências biológicas.

Transformando vírus em armas

O Ocidente ainda não entendeu o motivo subjacente à participação precoce da China nos laboratórios de microbiologia P4 no Ocidente, onde são estudados os micróbios mais mortais do mundo (ou seja, os laboratórios de nível 4 para letalidade de patógenos). Agora isso vem à tona na nova pandemia de coronavírus que ocorreu em Wuhan, no coração da China, nos arredores do principal laboratório de virologia P4 da China (especializado em vírus mortais).

Logo após proferir seu discurso, o general Chi renunciou ao cargo de ministro da Defesa em 2003, no mesmo ano em que ocorreu o surto de SARS (coronavírus) na China. Foi também (coincidentemente) o mesmo ano em que Pequim decidiu construir o laboratório de virologia P4 de Wuhan. Dado o discurso do general Chi, o novo surto de coronavírus em Wuhan foi um acidente causado por transformar o vírus em uma arma do laboratório de microbiologia P4 daquela cidade?

Vale a pena considerar três pontos de dados. Primeiro, em 2008, a principal autoridade de segurança de Taiwan disse aos legisladores que “Taiwan possuía informações de inteligência que ligavam o vírus da SARS a pesquisas realizadas em laboratórios chineses”, segundo o Sydney Morning Herald. Dada a influência econômica da China e a infiltração política na mídia chinesa, não surpreende que o diretor do Escritório de Segurança Nacional, Tsai Chao-ming, tenha sido forçado a retratar sua declaração, que não possuía nenhuma das características usuais de um “erro”. Teria o diretor Tsai sido forçado a retratar uma afirmação verdadeira, uma vez que não conseguiu revelar suas fontes de inteligência na China?

O segundo ponto de dados que vale a pena considerar: O Virology Journal tem um artigo de Gulfaraz Khan, publicado em 28 de fevereiro de 2013, que descreve a descoberta de um novo coronavírus na Arábia Saudita em junho de 2012. Sim, é o mesmo Coronavírus com a seguinte diferença: Quando foi descoberto, não era possível transmitir facilmente de humano para humano. Algo mudou no vírus desde então. Portanto, a versão Wuhan foi rotulada 2019-nCoV em vez de simplesmente NCoV. O último não é contagioso, enquanto o primeiro se espalha rapidamente por toda a China enquanto essas palavras são escritas.

O que você acha que mudou sua transmissibilidade entre 2012 e 2020? Mutação aleatória ou militarização? Se o atual surto letal tivesse ocorrido em outra cidade que não Wuhan, poderíamos estar inclinados a acreditar em uma mutação aleatória. Mas Wuhan é a zona zero para armas biológicas chinesas. Devemos dar crédito a essa coincidência?

O terceiro ponto de dados que vale a pena considerar: a revista GreatGameIndia publicou um artigo intitulado “Arma biológica de coronavírus: como a China roubou o coronavírus do Canadá e o militarizou”.

Os autores foram espertos o suficiente para colocar o artigo de Khan no Virology Journal, além das notícias de uma violação de segurança por cidadãos chineses no Laboratório Nacional de Microbiologia do Canadá (P4) em Winnipeg, onde o novo coronavírus foi supostamente armazenado junto com outros organismos letais. Em maio passado, a Real Polícia Montada do Canadá foi chamada para investigar; no final de julho, os chineses foram expulsos das instalações. O chefe dos cientistas chineses supostamente fazia viagens entre Winnipeg e Wuhan.

Aqui temos uma teoria plausível das viagens do organismo NCoV: primeiro descoberto na Arábia Saudita, depois estudado no Canadá, onde foi roubado por um cientista chinês e levado para Wuhan. Como afirmação do chefe de inteligência de Taiwan em 2008, a história da GreatGameIndia foi alvo de ataques intensos. Qualquer que seja a verdade, o fato da proximidade e improbabilidade da mutação deve ser incluído em nossos cálculos.

É muito provável que o vírus 2019-nCoV seja uma versão de armas do NCoV descoberta pelos médicos sauditas em 2012.

Devemos ter uma investigação do surto em Wuhan. Os chineses devem conceder ao mundo total transparência. A verdade deve vir à luz. Se as autoridades chinesas são inocentes, elas não têm nada a esconder. Se elas forem culpadas, elas se recusarão a cooperar.

A verdadeira preocupação aqui é se o resto do mundo tem coragem de exigir uma investigação real e completa. Devemos ser ousados nesse processo e não permitir que “interesses econômicos” joguem um jogo tímido e desonesto de negação. Precisamos de uma investigação honesta. Nós precisamos dela agora.

J.R. Nyquist é colunista e autor dos livros “Origens da Quarta Guerra Mundial” e “O Louco e o Inimigo”, além de co-autor de “As Novas Táticas da Guerra Global”.

As opiniões expressas neste artigo são de opinião do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

 
Matérias Relacionadas