Novo discurso de Trump sobre China firma momento chave na história

Esta é uma luta entre o bem e o mal, liberdade e totalitarismo

Por Diana Zhang

Depois que Pequim aprovou a lei de Segurança Nacional que acabará com a liberdade de Hong Kong em 28 de maio, o presidente Donald Trump fez um discurso em resposta no dia seguinte. Isso mostra que a Casa Branca está finalmente adotando a abordagem correta com relação à China.

O discurso de Trump cobre quatro áreas.

Primeiro, os Estados Unidos estão encerrando seu relacionamento com a OMS. A OMS seguiu a liderança de Pequim ao longo do desenvolvimento do coronavírus, desde deixar de alertar o mundo sobre o surto do vírus em Wuhan, até elogiar o trabalho do Partido Comunista Chinês (PCC) e mantê-lo como modelo, renomeando-o a doença para COVID-19 para remover uma palavra relacionada à China e, finalmente, se recusar a se retratar. Ao encerrar o relacionamento com a OMS, Trump está enviando um forte aviso a todas as outras organizações mundiais de que o PCC se infiltrou.

Mesmo que os Estados Unidos tenham contribuído 10 vezes do que a China contribuiu, por que a OMS seguiu Pequim? Embora os Estados Unidos tenham contribuído para a organização e o trabalho, o PCC está focado em colocar os líderes de cada organização sob seu controle.

O segundo novo movimento no discurso de Trump é revogar os vistos de certos estudantes chineses que vêm de centros de pesquisa e universidades militares. O PCC enviou seu pessoal militar e oficiais aos Estados Unidos para o melhor treinamento. Esses cientistas militares podem vir a este país disfarçados de estudantes comuns ou de intercambistas.

Na China, não há limite entre o uso militar e civil em tecnologia ou em negócios. O que quer que o PCC queira usar, ele usa. O regime reivindica a propriedade de tudo e de todos na China. Finalmente, os Estados Unidos descobriram esse fato. Este é um passo importante para controlar a perda de propriedade intelectual, especialmente quando relacionada à segurança nacional.

A terceira parte é sobre finanças. Os Estados Unidos exigirão transparência das empresas chinesas listadas nas bolsas dos EUA, mantendo-as sob os mesmos padrões das empresas americanas.

É um segredo aberto na China que as empresas chinesas, incluindo algumas estatais falidas, criaram relatórios brilhantes para entrar em Wall Street. Os chineses usam as palavras “arrecadar dinheiro em Wall Street”. E eles se recusam a tornar seus livros transparentes como outras empresas cujas ações são vendidas nas bolsas dos EUA. É surpreendente que eles pudessem se safar por tanto tempo e que tantos americanos investiram em empresas mal operadas e em muitas empresas militares. Estamos pagando nossos impostos para construir o Exército dos EUA, enquanto investimos para construir o Exército do PCC, que tem o objetivo claro de derrotar os Estados Unidos.

Por fim, Trump revogará o estado de livre comércio de Hong Kong, pois o PCC tirará seu último pedaço de liberdade. O PCC usou Hong Kong como uma janela para obter dinheiro e alta tecnologia do Ocidente. Os Estados Unidos perderam muito com esse “crime de do colarinho branco” do PCC, a frente respeitável que permite as maquinações do PCC. É o momento certo para acabar com essa brecha que dá ao PCC acesso gratuito a finanças e tecnologia nos Estados Unidos.

Com esses movimentos, o governo Trump está tomando medidas sérias para proteger a riqueza e a tecnologia do nosso país. E a abordagem é finalmente a correta: dissociação!

No entanto, pelo menos uma peça importante está faltando. Os Estados Unidos não devem permitir redes sociais chinesas como WeChat e Tiktok nos Estados Unidos. Isso estabeleceria reciprocidade, pois o PCC não permite a mídia social americana na China.

Há um grande grupo de chineses ativos nas mídias sociais nos Estados Unidos. Eles atacam Trump, fingem ser americanos de esquerda e gozam de liberdade de expressão. Essa abordagem influenciou com sucesso uma eleição crítica para o prefeito de Kaohsiung, em Taiwan, em 2018. O objetivo do grupo é influenciar as eleições aqui nos Estados Unidos e aproveitar todas as oportunidades para atacar os valores americanos.

Lidando com os comunistas

Nos últimos anos, Trump vem tentando fazer um bom acordo comercial com a China. Isso é uma verdadeira perda de tempo.

Quando um país livre lida com um regime comunista, não há como obter uma situação em que todos saem ganhando. Robert Lighthizer fez um ótimo trabalho para Reagan quando os Estados Unidos estavam tendo uma guerra comercial com o Japão. Mas o Japão é uma sociedade humana.

Essa negociação com o PCC é muito diferente e muito mais difícil. Com um regime comunista, estamos lidando com um demônio. É por isso que todas as negociações serão uma perda de tempo. Trump quer lutar como um cavaleiro, um cavaleiro inteligente. Para negociar com um regime maligno, um demônio, uma mente humana não pode vencer. A única saída é se desvencilhar.

O PCC sempre considerou os Estados Unidos como seu inimigo número um. Sua estratégia é enfraquecer os Estados Unidos, desordenar os Estados Unidos e depois destruí-lo. Os comunistas veem os valores do mundo livre como a maior ameaça. Infelizmente, o PCC tem sido bastante eficaz em alcançar seu objetivo.

A prisão de George Floyd foi causada por sua tentativa de usar uma nota falsificada de US$ 20. De onde veio essa nota? Vamos esperar v

er os resultados de uma investigação em breve. De acordo com um relatório do USA Today em 28 de janeiro, as autoridades alfandegárias e de proteção de fronteiras apreenderam 45 caixas, “com US$ 900.000 em dinheiro falso, todos em notas de dólar”.

“As notas de dólar foram descobertas em dezembro no porto de entrada internacional de Falls, em Minnesota, em uma remessa de trem originária da China”, segundo um comunicado do CBP.

A falsificação de uma nota de US$ 1 tem um baixo valor econômico, a menos que faça parte de uma estratégia nacional. Em uma sociedade estritamente controlada como a China, não é possível imprimir moeda dos EUA ou produzir e exportar medicamentos, como o fentanil, sem o envolvimento dos altos níveis.

O livro “Guerra irrestrita” apresenta estratégias não convencionais para a China usar na derrota dos Estados Unidos. Não é apenas um livro.

Os Estados Unidos, como líder do mundo livre, têm a responsabilidade de combater o regime comunista, proteger a liberdade neste mundo. Enquanto os Estados Unidos defendem a liberdade no mundo, também estão lutando pela liberdade do povo chinês, assim como os americanos apoiam o povo de Hong Kong.

Este momento fará história. Esta não é uma luta entre os Estados Unidos e a China. Esta não é uma luta entre raças. Esta é uma luta entre o bem e o mal, liberdade e totalitarismo.

Como chinês-americano, fico feliz que os Estados Unidos finalmente tenham escolhido a luta correta, lutando contra a maior ameaça à liberdade, o comunismo. Espero que mais americanos possam ver a responsabilidade histórica de nosso país. Espero que em breve minha família e amigos possam respirar o ar da liberdade na China, como fazemos aqui.

Diana Zhang, Ph.D., é escritora com 20 anos de experiência no estudo da China. Com sede nos Estados Unidos, ela usa um pseudônimo para proteger os membros de sua família na China.

As opiniões expressas neste artigo são da autora e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O PCC está com os dias contados

 
Matérias Relacionadas