Nove Comentários sobre o Partido Comunista Chinês – Capítulo 7

A HISTÓRIA DE MATANÇA DO PARTIDO COMUNISTA CHINÊS

Este é o sétimo dos Nove Comentários

Original em chinês, 19 de novembro de 2004

Prefácio

Os 55 anos de história do Partido Comunista Chinês (PCC) foram escritos com sangue e mentiras. No entanto, os fatos por trás desta história sangrenta são extremamente trágicos e quase desconhecidos. Sob o regime do Partido Comunista Chinês, de 60 a 80 milhões de chineses inocentes foram mortos, deixando para trás famílias desmanteladas. Muita gente se pergunta por que o Partido Comunista Chinês mata. Visto que o Partido Comunista Chinês continua a sua perseguição brutal aos praticantes do Falun Gong e, recentemente, suprimiu com tiros manifestantes em Hanyuan, as pessoas se questionam se chegará o dia em que o Partido Comunista Chinês aprenderá a se exprimir com palavras ao invés de com armas.

Mao Tsé-Tung resumiu o objetivo da Revolução Cultural: “[…] depois do caos, o mundo encontra a paz, mas em 7 ou 8 anos o caos precisa acontecer novamente.” [1] Em outras palavras, deverá haver uma revolução política a cada 7 ou 8 anos e uma porção de gente precisa ser morta a cada 7 ou 8 anos.

Uma ideologia corroborante e requisitos práticos estão por trás dos massacres do Partido Comunista Chinês.

Ideologicamente, o Partido Comunista Chinês acredita na “ditadura do proletariado” e na “revolução contínua comandada pela ditadura do proletariado”. Por isso, depois que o Partido Comunista Chinês tomou o poder na China, ele matou os proprietários de terras para resolver problemas com as relações de produção nas áreas rurais. Matou os capitalistas para alcançar a meta da reforma comercial e industrial e solucionar as relações de produção nas cidades. Depois que essas duas classes foram eliminadas, os problemas relacionados à base econômica foram basicamente resolvidos. De modo similar, a resolução dos problemas relacionados à superestrutura [2] também pediu por massacres. As supressões do Grupo Antipartido de Hu Feng [3] e o Movimento Antidireitista eliminaram os intelectuais. Matando cristãos, taoistas, budistas e grupos folclóricos populares resolveu-se o problema das religiões. Assassinatos em massa durante a revolução Cultural estabeleceu, cultural e politicamente, o monopólio da liderança Partido Comunista Chinês. O massacre da Praça Tiananmen foi usado para evitar a crise política e esmagar reivindicações democráticas. A perseguição ao Falun Gong foi destinada a resolver questões de crença e de cura tradicional. Essas ações foram todas necessárias para o Partido Comunista Chinês fortalecer seu poder e manter seu regime frente à contínua crise financeira (os preços ao consumidor dispararam depois que o Partido Comunista Chinês tomou o poder e a economia da China quase quebrou depois da Revolução Cultural), crise política (as pessoas não estão mais seguindo as ordens do Partido e outras querem compartilhar direitos políticos com o Partido) e crises de crença (a desintegração da antiga União Soviética, alterações políticas na Europa Oriental e a questão do Falun Gong). Exceto a questão do Falun Gong, quase todos os movimentos políticos foram utilizados para reavivar o espectro maligno do Partido Comunista Chinês e incitar seu desejo pela revolução. O Partido Comunista Chinês também usou esses movimentos políticos para testar os membros do Partido Comunista Chinês e eliminar aqueles que não atendiam os requisitos do Partido.

Para o Partido Comunista Chinês, matar também é necessário por razões práticas. O Partido Comunista começou como um grupo de bandidos e patifes que mataram para obter poder. Uma vez que isso aconteceu, não havia como voltar atrás. O terror constante era necessário para intimidar as pessoas e forçá-las a aceitar, por meio do medo, o regime absoluto do Partido Comunista Chinês.

Superficialmente, pode parecer que o Partido Comunista Chinês foi “forçado a matar”, e que vários incidentes simplesmente aconteceram para irritar o espectro maligno do Partido Comunista Chinês e acidentalmente acionar os mecanismos assassinos do Partido Comunista Chinês. Na verdade, esses incidentes servem para disfarçar a necessidade de matar do Partido, sua exigência periódica de matança. Sem essas lições dolorosas, as pessoas poderiam pensar que o Partido Comunista Chinês estaria mudando e começar a reivindicar a democracia, exatamente como fizeram aqueles estudantes idealistas no movimento democrático de 1989. Recorrer ao massacre a cada 7 ou 8 anos serve para reavivar a memória do povo a respeito do terror e para deixar as novas gerações em alerta: quem quer que trabalhe contra o Partido Comunista Chinês, seja desafiando a liderança absoluta do Partido Comunista Chinês ou tentando revelar a verdadeira história da China, experimentará o “punho de ferro da ditadura do proletariado”.

Matar se tornou um dos modos mais fundamentais de o Partido Comunista Chinês manter o poder. Com a escalada de suas dívidas de sangue, o abandono de sua faca de açougueiro encorajaria o povo a se vingar dos atos criminosos do Partido Comunista Chinês. Por isso, o Partido Comunista Chinês não somente precisou conduzir amplas e abundantes matanças, mas precisou fazê-las da forma mais cruel para intimidar a população, principalmente no início, quando estabelecia seu regime.

Uma vez que o objetivo de matar era produzir maior terror, o Partido Comunista Chinês selecionava arbitrária e irracionalmente os alvos para destruição. Em cada movimento político, o Partido Comunista Chinês usou a estratégia do genocídio. Tomemos a “supressão aos reacionários” com exemplo. O Partido Comunista Chinês na verdade não reprimiu os “comportamentos” reacionários, mas sim as “pessoas” que ele chamava de reacionárias. Se uma pessoa houvesse se alistado e servido poucos dias no exército nacionalista (Kuomintang, KMT), mas não tivesse feito absolutamente nada de político depois que o Partido Comunista Chinês ganhou o poder, esta pessoa poderia ser morta por causa de seu “histórico reacionário”. No processo da reforma agrária, para remover a “raiz do problema”, o Partido Comunista Chinês sempre matava a família inteira do proprietário de terra.

Desde 1949, o Partido Comunista Chinês perseguiu mais da metade do povo na China. Entre 60 e 80 milhões de pessoas morreram por causas não naturais. Esse número excede o total de mortes nas duas Guerras Mundiais juntas.

Da mesma forma como em outros países comunistas, a matança desenfreada feita pelo Partido Comunista Chinês também inclui matar brutalmente seus próprios membros para remover dissidentes que mantenham o senso de humanidade acima da natureza do Partido. A regra de terror do Partido Comunista Chinês pesa igualmente sobre seus membros e sobre a população na tentativa de manter uma “invencível fortaleza”.

Em uma sociedade normal, as pessoas demonstram cuidado e amor umas pelas outras, levam a vida com respeito e dão graças a Deus. No Oriente, as pessoas dizem: “Não imponha aos outros o que você não quer para você.” [4] No Ocidente, as pessoas dizem: “Ame ao seu próximo como a si mesmo.” [5] Ao invés disso, o Partido Comunista Chinês diz que: “A história de toda sociedade existente até agora é a história das lutas de classes.” [6] Para manter viva a “luta” dentro da sociedade, é preciso gerar o ódio. Não somente o Partido Comunista Chinês tira vidas, mas ele também encoraja as pessoas a matarem umas às outras. Ele se empenha em eliminar a sensibilidade das pessoas em relação ao sofrimento alheio por meio de matanças constantes. Ele quer que elas se tornem entorpecidas pela frequente exposição à desumana brutalidade e consequentemente desenvolvam a mentalidade de que “o melhor que se pode esperar é evitar ser perseguido”. Todas essas lições ensinadas pela supressão brutal permitem ao Partido Comunista Chinês manter seu regime.

Juntamente com a destruição de incontáveis vidas, o Partido Comunista Chinês também destruiu a alma do povo chinês. Um enorme número de pessoas se tornou condicionado a reagir às ameaças do Partido Comunista Chinês abrindo mão de seus princípios e de sua razão. De certa forma, a alma dessas pessoas morreu – algo mais atemorizante do que a morte física.

I. Massacre terrível

Antes de o Partido Comunista Chinês chegar ao poder, Mao Tsé-Tung escreveu, “Definitivamente não aplicamos uma política de benevolência aos reacionários e às atividades reacionárias das classes reacionárias.” [7] Em outras palavras, mesmo antes de o Partido Comunista Chinês tomar Pequim, sua mente já estava direcionada a agir tiranicamente sob o eufemismo da “Ditadura Democrática Popular”. O que se segue são alguns exemplos.

Supressão aos reacionários e reforma agrária

Em março de 1950, o Partido Comunista Chinês anunciou, “Ordens para suprimir severamente elementos reacionários”, conhecido historicamente como o movimento de “supressão aos reacionários”.

Diferente de todos os imperadores que concederam anistia ao país inteiro depois de serem coroados, o Partido Comunista Chinês começou a matar no minuto mesmo que chegou ao poder. Mao Tsé-Tung disse em um documento que, “Ainda há muitos lugares onde as pessoas estão intimidadas e não ousam matar abertamente os reacionários em grande escala.” [8] Em fevereiro de 1951, a central do Partido Comunista Chinês disse que, exceto nas províncias de Zhejiang e sul de Anhui, “outras áreas que não estão matando o suficiente, principalmente nas grandes e médias cidades, devem continuar prendendo e matando em maiores números e não devem parar tão cedo.” Mao até recomendou que, “nas áreas rurais, quanto a matar os reacionários, cerca de 1/1000 do total da população deve ser morta […] nas cidades, deve ser menos que 1/1000.” [9] Naquela época, a população da China era de aproximadamente 600 milhões; essa “ordem régia” de Mao deve ter causado pelo menos 600 mil mortes. Ninguém sabe de onde saiu essa razão de 1/1000. Talvez por capricho, Mao achou que essas 600 mil vidas seriam suficientes para estabelecer uma base de medo entre as pessoas e assim ordenou que isso acontecesse.

Se aquelas pessoas mereciam morrer, isso não era uma preocupação para o Partido Comunista Chinês. “Os regulamentos da República Popular da China para punição dos reacionários”, anunciados em 1951, diziam que até mesmo os que “espalhassem rumores” deviam ser “executados imediatamente”.

Enquanto a supressão aos reacionários era firmemente executada, a reforma agrária também acontecia em grande escala. Na verdade, o Partido Comunista Chinês tinha começado a reforma agrária dentro das áreas ocupadas em finais dos anos de 1920. Na superfície, a reforma agrária aparentava defender um ideal semelhante ao do Reinado Celeste de Taiping [10], a saber, todos teriam terra para cultivar, mas isso era somente uma desculpa para matar. Tao Zhu, que era o 4º na hierarquia do Partido Comunista Chinês, tinha um slogan para a reforma agrária, “Toda vila sangra, toda casa luta”, indicando que em todas as vilas os proprietários de terra deviam morrer.

A reforma agrária poderia ter sido feita sem matança. Poderia ter sido feita da mesma forma que o governo de Taiwan realizou a reforma agrária, comprando a propriedade dos donos da terra. Entretanto, o Partido Comunista Chinês teve origem em um grupo de bandidos e lumpemproletariado, que só sabiam como roubar. Temendo sofrer vingança depois de roubar, o Partido Comunista Chinês naturalmente precisava matar suas vítimas, eliminando a raiz do problema.

A forma mais comum de matar durante a reforma agrária ficou conhecida como “reunião de luta”. O Partido Comunista Chinês fabricava os crimes e culpava os proprietários de terras ou os camponeses ricos. Perguntavam ao povo como eles deveriam ser punidos. Alguns membros do Partido Comunista Chinês ou ativistas se infiltravam no meio da multidão e gritavam, “Nós deveríamos matá-los!”, e assim os proprietários de terras e os camponeses ricos eram executados. Naquela época, quem quer que possuísse terras nas vilas era classificado como “opressor”. Aqueles que tiravam vantagem dos camponeses eram chamados de “opressores miseráveis”; os que sempre ajudavam consertando instalações públicas ou dando dinheiro para escolas e acidentes naturais eram chamados de “opressores bonzinhos”; e aqueles que não faziam nada eram chamados de “opressores mansos ou quietos”. Uma classificação como essa não tinha sentido porque todos os “opressores” acabavam sendo executados, independente da categoria a qual pertencessem.

No final de 1952, o número publicado pelo Partido Comunista Chinês de “elementos reacionários” executados era de cerca de 2,4 milhões. Na verdade, o total de mortos entre os antigos funcionários distritais do governo do KMT e os proprietários de terras foi de pelo menos 5 milhões.

A supressão aos reacionários e a reforma agrária teve três resultados diretos. Primeiro, os antigos funcionários locais que foram selecionados mediante autonomia baseada nos clãs foram eliminados; desta forma, o Partido Comunista Chinês eliminou toda a administração do sistema anterior e realizou um controle total das áreas rurais instalando uma agência do Partido em cada vila. Segundo, uma riqueza enorme foi obtida por meio do roubo e do saque. Terceiro, os civis foram aterrorizados pela supressão brutal contra os proprietários de terras e fazendeiros ricos.

A “Campanha Três-Anti” e a “Campanha Cinco-Anti”

A supressão aos reacionários e a reforma agrária focaram principalmente o campo, enquanto que a “Campanha Três-Anti” e a “Campanha Cinco-Anti” foram responsáveis pelos genocídios nas cidades.

A “Campanha Três-Anti” começou em dezembro de 1951 e mirava a corrupção, o desperdício e a burocracia entre os membros do Partido Comunista Chinês. Alguns oficiais corruptos do Partido Comunista Chinês foram executados. Logo depois, o Partido Comunista Chinês atribuiu a corrupção de seus oficiais do governo à tentação por parte dos capitalistas. Assim, foi lançada em janeiro de 1952 a “Campanha Cinco-Anti”, contra suborno, evasão de impostos, roubo de propriedade do Estado, construção ilegal e espionagem de informações econômicas do Estado.

A “Campanha Cinco-Anti” foi, fundamentalmente, roubo de propriedade dos capitalistas, ou melhor, a matança de capitalistas pelos seus bens. Chen Yi, o prefeito de Shanghai na ocasião, toda noite sentava-se no sofá com uma xícara de chá na mão e, serenamente, questionava: “Quantos paraquedistas há hoje?” – significando: “Quantos homens de negócio se suicidaram hoje saltando dos edifícios?” Nenhum capitalista podia escapar da “Campanha Cinco-Anti”. Foi exigido que eles pagassem os impostos “evadidos” de tempos que remontavam ao Período Guangxu (1875-1908) na Dinastia Qing (1644-1911), quando o comércio em Shanghai foi inicialmente estabelecido. Os capitalistas não podiam arcar com esses “impostos” mesmo com toda a sua fortuna. Eles não tinham outra escolha a não ser pôr fim a suas vidas, mas não ousavam pular no Rio Huangpu, porque, se seus corpos não fossem encontrados, o Partido Comunista Chinês os acusaria de terem fugido para Hong Kong e os membros de suas famílias ainda seriam responsabilizados pelos impostos. Então, os capitalistas pulavam dos altos edifícios, deixando seus corpos para que o Partido Comunista Chinês pudesse ver a prova de suas mortes. Naquela época, dizia-se que as pessoas não ousavam andar próximo aos altos edifícios em Shanghai devido ao medo de ser atingidas por alguém pulando de lá de cima.

De acordo com os “Dados das campanhas políticas depois da fundação da República Popular da China”, coeditado por quatro unidades governamentais, inclusive pelo Centro de Pesquisa Histórica do Partido Comunista Chinês em 1996, durante a “Campanha Três-Anti” e a “Campanha Cinco-Anti”, mais de 323.100 pessoas foram presas e cerca de 280 cometeram suicídio ou desapareceram. Na “Campanha Anti-Hu Feng” em 1955, pelo menos cinco mil pessoas foram incriminadas, 500 foram presas, 60 cometeram suicídio e 12 morreram de causas não naturais. Na subsequente supressão aos reacionários, cerca de 21.300 pessoas foram executadas, e mais de 4.300 cometeram suicídio ou desapareceram. [11]

A Grande Fome

A maior taxa de mortalidade foi registrada durante a Grande Fome Chinesa logo depois do Grande Salto para Frente. [12] O artigo “Grande Fome” no livro “Registros históricos da República Popular da China” relata que, “O número de mortes não naturais e a redução de nascimentos de 1959 a 1961 é estimado em cerca de 40 milhões… a despovoação da China por 40 milhões é provavelmente a maior fome do mundo neste século.” [13]

A Grande Fome foi falsamente rotulada pelo Partido Comunista Chinês de “Três Anos de Desastre Natural”. Na verdade, esses três anos tiveram condições climáticas favoráveis sem nenhum grande desastre natural como enchente, estiagem, furacão, maremoto, terremoto, geada, neve, granizo ou praga de gafanhotos. O “desastre” foi totalmente causado pelo homem. A campanha “Grande Salto para Frente” exigiu que todos na China se envolvessem na produção de aço, forçando os fazendeiros a deixar suas colheitas apodrecerem no campo. Apesar disso, os oficiais de todas as regiões aumentaram suas exigências de rendimento de produção.

He Yiram, o primeiro-secretário do Comitê do Partido da prefeitura de Liuzhou, fabricou por si mesmo o rendimento fabuloso de “65 mil kg de arroz por mu” [14] no condado de Huanjiang. Isso foi logo depois do Plenário de Lushan, quando o movimento antidireitista do Partido Comunista Chinês se espalhou por todo o país. Para demonstrar que o Partido Comunista Chinês estava sempre certo, as colheitas foram expropriadas pelo governo como uma forma de imposto baseado nos rendimentos superfaturados. Consequentemente, as rações de grãos, sementes e alimentos básicos dos camponeses foram todas confiscadas. Quando a demanda ainda não podia ser encontrada, os camponeses eram acusados de terem escondido suas colheitas.

He Yiram disse uma vez que eles precisavam lutar para ficar em primeiro lugar na competição pelo rendimento mais alto, não importando quantas pessoas em Liuzhou morressem. Alguns camponeses foram desprovidos de tudo, ficando somente com alguns punhados de arroz escondidos nos vasos sanitários. O Comitê do Partido do distrito de Xunle, em Huanjiang, até emitiu uma ordem proibindo cozinhar, impedindo os camponeses de comerem suas colheitas. Patrulhas eram conduzidas pela milícia à noite. Se eles vissem luz de fogo, eles procediam com uma busca e incursão. Muitos camponeses não ousavam cozinhar nem cascas ou ervas selvagens e morreram de fome.

Historicamente, em tempos de escassez, o governo providenciava mingau de arroz, distribuía a colheita e permitia às vítimas fugirem da fome. No entanto, o Partido Comunista Chinês olhava a fuga da fome como uma desgraça ao prestígio do Partido e ordenava aos milicianos que bloqueassem as estradas para impedir as vítimas de escaparem da fome. Quando os camponeses estavam tão famintos que pegavam cereais dos depósitos de grãos, o Partido Comunista Chinês ordenava que atirassem na multidão para reprimir o saque e taxavam os mortos de elementos contrarrevolucionários. Muitos camponeses morreram de fome em várias províncias incluindo Gansu, Shandong, Henan, Anhui, Hubei, Hunan, Sichuan e Guangxi. Ainda assim, os camponeses famintos eram obrigados a participar dos trabalhos de irrigação, construção de barragem e fabricação de aço. Muitos caiam no chão enquanto trabalhavam e nunca mais se levantavam. No fim, os que sobreviviam não tinham força para enterrar os mortos. Muitas vilas se acabaram porque famílias morreram de fome uma após a outra.

Na escassez mais séria na história da China antes do Partido Comunista Chinês, houve casos em que famílias revezavam suas crianças para se alimentar, mas nunca ninguém comeu suas próprias crianças. Entretanto, sob o regime do Partido Comunista Chinês, as pessoas eram levadas a comer aqueles que morriam, canibalizavam aqueles que fugiam de outras regiões e até matavam e comiam suas próprias crianças. O escritor Sha Qing descreve esta cena em seu livro Yi Xi Da Di Wan (Uma Terra Obscura de Bayou): Em uma família de camponeses, um pai foi deixado apenas com seu filho e sua filha durante a Grande Fome. Um dia, a filha foi impelida para fora de casa pelo pai. Quando ela voltou, ela não encontrou seu irmão mais novo, mas viu óleo branco flutuando no caldeirão e uma pilha de ossos perto do forno. Alguns dias mais tarde, o pai acrescentou mais água no pote e chamou sua filha para mais perto. A menina estava amedrontada e, do lado de fora da porta, suplicou ao pai: “Papai, por favor, não me coma. Eu posso colher lenha e cozinhar para você. Se você me comer, ninguém mais fará isso para você.”

A extensão e o número de tragédias como essa são desconhecidos. Porém, o Partido Comunista Chinês as falseia como nobres e honrosas, alegando que estava liderando bravamente o povo para lutar contra os “desastres naturais” e continua a vangloriar-se de ser “grande, glorioso e correto”.

Depois do Plenário de Lushan, em 1959, o General Peng Dehuai [15] foi despojado do poder por ter defendido o povo. Um grupo de oficiais do governo e membros do Partido que ousaram falar a verdade foram demitidos de seus postos, detidos ou investigados. Depois disso, ninguém ousou falar a verdade. Na época da Grande Fome, ao invés de falar a verdade, e para proteger suas posições oficiais, as pessoas escondiam os fatos sobre as mortes devido à fome. A província de Gansu até recusou ajuda de alimentos da província de Shaanxi, alegando que Gansu possuía grande suprimento de comida.

Esta Grande Fome foi também um teste para julgar os membros do Partido Comunista Chinês. De acordo com o critério do Partido Comunista Chinês, os oficiais que resistiram a falar a verdade diante de dezenas de milhões de mortos de fome eram certamente “qualificados”. Com esse teste, o Partido Comunista Chinês podia então acreditar que nenhuma comoção humana ou princípio celeste se tornaria um peso psicológico que impedisse seus oficiais de seguir a linha do Partido. Depois da Grande Fome, os oficiais de províncias responsáveis simplesmente participaram da formalidade de autocrítica. Li Jingquan, o secretário do Partido Comunista Chinês pela província de Sichuan, onde milhões de pessoas morreram de fome, foi promovido a primeiro-secretário do Departamento do Distrito Sudoeste do Partido Comunista Chinês.

Da Revolução Cultural e do Massacre da Praça Tiananmen ao Falun Gong

A Revolução Cultural foi formalmente iniciada em 16 de maio de 1966 e durou até 1976. Esse período foi chamado, até pelo próprio Partido Comunista Chinês, de “dez anos de catástrofe”. Mais tarde, em entrevista dada a um repórter iugoslavo, Hu Yaobang, ex-secretário-geral do Partido disse: “Naquela época, cerca de 100 milhões de pessoas foram denunciadas, o que significava um décimo da população chinesa.”

Os “Dados das Campanhas Políticas Depois da Fundação da República Popular da China” reportam que: “Em maio de 1984, depois de intensa investigação, verificação e recontagem pelo Comitê Central do Partido Comunista Chinês, os números relacionados com a Revolução Cultural eram: pelo menos 4,2 milhões de pessoas foram detidas e investigadas; 1.728 milhão de pessoas morreu de causas não naturais; 135 mil foram consideradas como contrarrevolucionárias e executadas; 237 mil foram mortas; 7.03 milhões ficaram mutiladas em ataques com armas e 71.200 famílias foram destruídas.” As estatísticas compiladas dos anais distritais mostram que 7.73 milhões de pessoas morreram de causas não naturais durante a Revolução Cultural.

Além do espancamento de pessoas até a morte, o início da Revolução Cultural também gerou uma onda de suicídios. Muitos intelectuais famosos, incluindo Lao She, Fu Lei, Jian Bozan, Wu Han e Chu Anping, puseram fim nas próprias vidas neste período.

A Revolução Cultural foi o período esquerdista mais frenético na China. A matança se tornou uma forma competitiva de uma pessoa exibir sua posição revolucionária, então o massacre das “classes inimigas” foi extremamente cruel e brutal.

A política de “reforma e abertura” favoreceu bastante a circulação de informações, o que possibilitou que muitos repórteres estrangeiros testemunhassem o Massacre da Praça Tiananmen em 1989 e mostrassem na televisão os tanques perseguindo e esmagando estudantes universitários até a morte.

Dez anos mais tarde, em 20 de julho de 1999, Jiang Zemin começou a supressão ao Falun Gong. No final de 2002, informações de fontes internas ao governo da China continental confirmaram o encobrimento de mais de 7 mil mortes em centros de detenção, campos de trabalhos forçados, prisões e hospitais psiquiátricos, com uma média de sete pessoas mortas por dia.

Hoje em dia, o Partido Comunista Chinês tende a matar bem menos do que no passado quando milhões ou dezenas de milhões foram mortos. Há duas importantes razões para isso. Por um lado, o Partido distorceu as mentes do povo chinês com a cultura do Partido de forma que agora as pessoas são mais cínicas e mais submissas. Por outro lado, por causa da excessiva corrupção e fraude dos oficiais do Partido Comunista Chinês, a economia chinesa se tornou uma “economia do tipo transfusão” e depende substancialmente do capital estrangeiro para sustentar o crescimento e a estabilidade social. O Partido Comunista Chinês lembra vivamente das sanções econômicas que se seguiram ao massacre da Praça Tiananmen e sabe que matar abertamente resultaria em uma retração do capital estrangeiro e poria em risco seu regime totalitário.

Entretanto, o Partido Comunista Chinês, nos bastidores, nunca deixou de chacinar e, hoje, não poupa esforços para esconder as evidências sangrentas.

II. Formas extremamente cruéis de matança

Tudo que o Partido Comunista Chinês faz serve a um único propósito: adquirir e manter o poder. Matar é uma forma muito importante de o Partido Comunista Chinês manter seu poder. Quanto mais pessoas mortas e mais cruéis as formas de matar, maior é o impacto do terror. Esse terror começou pouco antes da Guerra Sino-Japonesa.

Massacre ao norte da China durante a Guerra Sino-Japonesa

Ao recomendar o livro Inimigo Interno [Enemy Within] do missionário Raymond J. De Jaegher, [16], Hoover, ex-presidente dos EUA, comentou que o livro expunha claramente o terror dos movimentos comunistas. Ele o recomendava a qualquer pessoa que quisesse entender uma força de tamanha perversidade neste mundo.

Nesse livro, De Jaegher contou histórias sobre como o Partido Comunista Chinês usava a violência para aterrorizar as pessoas até a submissão. Por exemplo, um dia o Partido Comunista Chinês pediu a todos que fossem para a praça da vila. Professores levaram as crianças da escola para a praça. A finalidade disso era assistir à execução de 13 jovens patriotas. Depois de anunciar as acusações fabricadas contra as vítimas, o Partido Comunista Chinês ordenou à professora horrorizada que fizesse as crianças cantarem canções patrióticas. No meio do palco, durante as canções, não havia dançarinos, mas um carrasco segurando uma faca afiada nas mãos. O carrasco era um feroz e jovem soldado comunista com braços fortes. O soldado se posicionou atrás da primeira vítima, levantou rapidamente a grande e afiada faca, desferiu o golpe e a primeira cabeça caiu no chão. Conforme a cabeça rolava no chão, o sangue jorrava como uma fonte. O canto histérico das crianças se transformou em gritos e choros caóticos. A professora continuou a marcar o ritmo, tentando não parar as canções; o toque do sino que ela segurava podia ser ouvido no meio do caos.

O carrasco fez isso por 13 vezes, e 13 cabeças caíram no chão. Depois disso, alguns soldados comunistas se aproximaram, cortaram os peitos das vítimas e tiraram seus corações para um festim. Toda essa brutalidade foi feita na frente das crianças. As crianças ficaram pálidas de terror e algumas começaram a vomitar. A professora ralhou com os soldados, enfileirou as crianças e retornou à escola.

Depois disso, o missionário De Jaegher frequentemente via crianças sendo forçadas a assistirem às execuções. As crianças se acostumaram às cenas sangrentas e tornaram-se indiferentes às matanças; algumas até começaram a apreciar o espetáculo.

Quando o Partido Comunista Chinês sentia que aquela matança simples não era horrível nem excitante o suficiente, eles inventavam outros tipos cruéis de torturas. Por exemplo, forçavam a pessoa a ingerir uma grande quantidade de sal sem deixá-la beber água, e a vítima sofria até morrer de sede; ou deixavam a pessoa nua forçando-a a rolar sobre vidro quebrado; ou faziam um buraco em um rio congelado no inverno e jogavam a vítima dentro do buraco, e a pessoa morria afogada ou congelada.

De Jaegher escreveu que um membro do Partido Comunista Chinês na província de Shanxi inventou uma tortura terrível. Um dia, quando andava na cidade, ele parou em frente a um restaurante e fixou os olhos em um grande caldeirão fervente. Mais tarde, ele comprou vários caldeirões enormes e imediatamente prendeu algumas pessoas que eram contra o Partido Comunista. Durante o precoce julgamento, os caldeirões foram preenchidos com água e postos para ferver. Depois do julgamento, três vítimas foram deixadas nuas e jogadas dentro deles para ferverem até a morte. Em Pingshan, De Jaegher testemunhou um pai sendo esfolado vivo. Os membros do Partido Comunista Chinês forçaram o filho dele a participar assistindo a essa tortura desumana, vendo o pai morrer em dor excruciante e ouvindo os gritos dele. Os membros do Partido Comunista Chinês jogaram vinagre e ácido no corpo do pai e assim toda sua pele foi rapidamente arrancada. Eles começaram pelas costas, depois subiram para os ombros e logo a pele de todo seu corpo foi arrancada, ficando somente com a pele da cabeça intacta. Seu pai morreu em minutos.

O Terror Vermelho durante o “Agosto Vermelho” e o canibalismo de Guangxi

Depois de ganhar controle absoluto de todo o país, o Partido Comunista Chinês não parou com sua violência de forma alguma. Durante a Revolução Cultural, essa violência se tornou ainda pior.

Em 16 de agosto de 1966, Mao Tsé-Tung se encontrou com os representantes da Guarda Vermelha na torre da Praça Tiananmen. Song Binbin, filha do líder comunista Song Renqiong, colocou um emblema da Guarda Vermelha em Mao. Quando Mao soube que o nome de Song Binbin significava gentil e educada, ele disse: “Nós precisamos de mais violência.” Então, Song mudou seu nome para Song Yaowu (literalmente “quero violência”).

Violentos ataques armados logo se espalharam por todo o país. A geração mais jovem educada no ateísmo comunista não tinha nem medos nem preocupações. Sob a liderança direta do Partido Comunista Chinês e guiada pelas instruções de Mao, a Guarda Vermelha, fanática, ignorante e se colocando acima da lei, começou a espancar as pessoas e a saquear as casas por todo o país. Em muitas regiões, todas as “cinco classes negras” (proprietários de terras, camponeses ricos, reacionários, maus elementos e direitistas) e os membros de suas famílias foram erradicados de acordo com uma política de genocídio. Um exemplo típico foi o condado de Daxing, perto de Pequim, onde, de 27 de agosto a 1º de setembro de 1966, um total de 325 pessoas foram mortas em 48 brigadas locais de 13 comunas populares. A pessoa mais idosa que foi morta tinha 80 anos e a mais nova, somente 38 dias. Vinte e duas residências foram totalmente aniquiladas, sem nenhum sobrevivente.

O espancamento de pessoas até a morte foi uma cena comum. Na Rua Shatan, um grupo de homens da Guarda Vermelha torturou, com correntes de metal e cintos de couro, uma senhora de idade até que ela não pudesse mais se mexer, então uma mulher da Guarda Vermelha pulou sobre seu corpo e pisoteou seu estômago. A senhora morreu no local. Perto de Chongwenmeng, quando a Guarda Vermelha encontrou a casa da “esposa de um proprietário de terras” (uma viúva solitária), eles forçaram cada vizinho a trazer um pote de água fervendo para o local e a jogar a água fervendo no peito da senhora até que seu corpo estivesse todo cozido. Alguns dias depois, ela foi encontrada morta no quarto, com seu corpo coberto por vermes. Havia muitas formas diferentes de matança, incluindo espancamento com bastões, cortes com foices e estrangulamento com cordas… A maneira de matar os bebês foi a mais brutal: o assassino subia em uma das pernas do bebê e puxava a outra perna, rasgando o bebê no meio. (Investigação do Massacre de Daxing, de Yu Luowen). [17]

O canibalismo de Guangxi foi ainda mais desumano que o Massacre de Daxing. O escritor Zheng Yi, autor do livro Memorial Escarlate, descreveu o canibalismo em um crescente em três estágios. [18]

O primeiro foi o estágio inicial, quando o terror foi coberto e sombrio. Os anais dos condados documentam uma cena típica: à meia-noite, os assassinos iam silenciosamente encontrar sua vítima e a golpeavam para retirar o coração e o fígado. Como eram inexperientes e estavam receosos, eles tiravam o pulmão por engano e então tinham de voltar novamente. Uma vez que tivessem o coração e o fígado cozidos, alguns traziam bebida de casa, outros traziam tempero e assim todos os assassinos comiam os órgãos em silêncio à luz do fogo no forno.

O segundo estágio foi o ponto máximo, quando o terror foi aberto e público. Durante esse estágio, os assassinos veteranos tinham experiência de como remover corações e fígados com as vítimas ainda vivas, e ensinavam os outros, refinando e aperfeiçoando a técnica. Por exemplo, ao abrir uma pessoa viva, os assassinos precisavam somente fazer um corte em cruz na barriga da vítima, pisar no seu corpo (se a pessoa estivesse amarrada em uma árvore, os assassinos batiam em seu baixo ventre com o joelho) e o coração e os outros órgãos simplesmente caíam para fora. O assassino chefe ficava com o coração, o fígado e órgãos genitais, enquanto os outros pegavam o que sobrava. Essas cenas de horror terrificante eram adornadas com bandeiras e slogans.

O terceiro estágio foi o enlouquecimento. O canibalismo se tornou um movimento maciçamente difundido. No condado de Wuxuan, como cães selvagens devorando corpos durante uma epidemia, as pessoas estavam loucamente comendo outras pessoas. Geralmente, as vítimas eram primeiro “criticadas publicamente”, ao que se seguia a matança e depois o canibalismo. Assim que a vítima caía no chão, morta ou viva, as pessoas tiravam as facas que traziam consigo e a rodeavam, cortando qualquer parte do corpo que pudessem segurar. Nessa fase, os cidadãos comuns estavam todos envolvidos no canibalismo. O furacão da “luta de classe” limpou das mentes das pessoas qualquer senso de pecado e de natureza humana. O canibalismo se espalhou como uma epidemia e as pessoas gostavam dos festins de canibalismo. Qualquer parte do corpo humano era comestível, incluindo o coração, carne, fígado, rins, ombros, pés e tendões. Os corpos humanos eram cozidos de diferentes maneiras: fervidos, a vapor, grelhados, fritos, assados e feitos como churrasco… As pessoas bebiam licor ou vinho e se entretinham com jogos enquanto comiam corpos humanos. Durante o auge desse movimento, até o restaurante da mais alta organização do governo, o Comitê Revolucionário do Condado de Wuxuan, oferecia pratos humanos.

Os leitores não devem pensar erroneamente que um festival de canibalismo era simplesmente uma desorganizada atitude do povo. O Partido Comunista Chinês era uma organização totalitária controlando cada célula da sociedade. Sem o estímulo e manipulação do Partido Comunista Chinês, o movimento do canibalismo não poderia ter acontecido de maneira alguma.

Uma canção escrita pelo Partido Comunista Chinês em louvor próprio diz, “A velha sociedade [19] transformou os seres humanos em fantasmas, a nova sociedade transformou os fantasmas em seres humanos.” Entretanto, esses festins de morte e de canibalismo nos dizem que o Partido Comunista Chinês podia transformar um ser humano em um monstro ou demônio, porque o próprio Partido Comunista Chinês é mais cruel do que qualquer monstro ou demônio.

Perseguição ao Falun Gong

Com a entrada do povo chinês na era dos computadores e viagens espaciais e a possibilidade de falar de forma privada sobre direitos humanos, liberdade e democracia, muitas pessoas pensam que essas atrocidades horripilantes e desagradáveis já são parte do passado. O Partido Comunista Chinês vestiu roupa civil e está pronto a se conectar com o mundo.

Mas isso está longe da verdade. Agora que o Partido Comunista Chinês descobriu que há um grupo que não teme a tortura cruel ou a matança, os meios usados pelo Partido Comunista Chinês se tornaram ainda mais frenéticos. O grupo que tem sido perseguido desta maneira é o Falun Gong.

A violência e o canibalismo da Guarda Vermelha na província de Guangxi miravam eliminar o corpo da vítima, matando a pessoa em alguns minutos ou horas. Os praticantes do Falun Gong são perseguidos para serem forçados a desistir de sua crença na “Verdade, Compaixão e Tolerância”. Além disso, as torturas cruéis geralmente duram vários dias, meses ou mesmo anos. Estima-se que mais de 10 mil praticantes do Falun Gong morreram em consequência de tortura.

Os praticantes do Falun Gong que sofreram todos os tipos de torturas e escaparam das garras da morte registraram mais de 100 métodos cruéis de tortura; o que se segue são somente alguns exemplos.

Espancamento cruel é o método mais comum de tortura usado. A polícia e funcionários das prisões batem nos praticantes e também instigam outros prisioneiros a espancá-los. Muitos praticantes ficaram surdos, tendo o tecido externo de suas orelhas rompido, globos oculares esmagados, dentes quebrados, crânio, coluna vertebral, caixa torácica, clavícula, pélvis, braços e pernas quebrados, ou braços e pernas amputados, por causa do espancamento. Alguns torturadores puxaram e esmagaram impiedosamente os testículos de praticantes e deram pontapés nas áreas genitais femininas. Se os praticantes não cediam, os torturadores continuavam a bater até que a pele fosse arrancada e a carne ficasse exposta. Os corpos de praticantes ficaram completamente deformados pela tortura e cobertos de sangue, porém os guardas ainda jogavam em cima deles água com sal e continuavam a eletrocutá-los com bastões elétricos. O cheiro de sangue e de carne queimando se misturam e os gritos de agonia são horríveis. Enquanto isso, os torturadores usavam sacos plásticos para cobrir a cabeça dos praticantes em uma tentativa de fazer com que se rendessem com medo da sufocação.

Choque elétrico é outro método geralmente usado nos campos chineses de trabalho forçado para torturar praticantes do Falun Gong. A polícia usa bastões elétricos para dar choque nas partes sensíveis do corpo, incluindo a boca, topo da cabeça, peito, órgãos genitais, quadris, coxas, solas dos pés, seios das praticantes e pênis dos homens. Alguns policiais deram choques nos praticantes com vários bastões simultaneamente até que a carne queimada começasse a cheirar e as partes machucadas ficassem vermelhas e escuras. Algumas vezes, a cabeça e o ânus eram machucados ao mesmo tempo. A polícia muitas vezes usa dez ou até mais bastões elétricos simultaneamente para machucar os praticantes durante longo tempo. Normalmente, um bastão elétrico trabalha com dezenas de milhares de volts. Quando ele descarrega, ele emite uma luz azul com um som de tipo estático. Quando a corrente elétrica atravessa o corpo da pessoa, ela sente como se estivesse sendo queimada ou picada por serpentes. Cada choque é tão doloroso como uma mordida de cobra. A pele da vítima fica vermelha, quebrada e queimada e as feridas inflamam. Há ainda bastões mais fortes com voltagens maiores que fazem a vítima sentir como se sua cabeça estivesse sendo martelada.

A polícia também usa cigarros para queimar as mãos dos praticantes, rosto, solas dos pés, peito, costas, mamilos, etc. Eles usam isqueiros para queimar as mãos e os genitais dos praticantes. Barras de aço especialmente feitas são esquentadas em fornos elétricos até que fiquem vermelhas em brasa. Então, são usadas para queimar as pernas dos praticantes. A polícia também usa carvão aceso para queimar as faces dos praticantes. A polícia queimou até a morte um praticante que ainda tinha respiração e pulso, depois de ele ter suportado torturas cruéis. A polícia então alegou que sua morte foi “autoimolação”.

A polícia espanca os seios e áreas genitais das praticantes. As praticantes foram violentadas individualmente ou em grupos. Além disso, a polícia arrancou as roupas das praticantes e as jogaram dentro de celas de prisões masculinas para serem estupradas. Eles usaram bastões elétricos para dar choque em seus seios e órgãos genitais. Usaram isqueiros para queimar seus mamilos e enfiaram bastões elétricos para dar choque em suas vaginas. Eles amarraram quatro escovas de dente e as introduziram nas vaginas das praticantes e giraram as escovas, esfregando-as na vagina. Prenderam as partes íntimas das praticantes com ganchos de ferro. As mãos das praticantes são presas atrás das costas e seus mamilos são enganchados em arames por onde passa corrente elétrica.

Eles forçam os praticantes do Falun Gong a usarem “camisas de força”, [20] e então cruzam e amarram seus braços atrás das costas. Então, puxam os braços por cima dos ombros para frente de seus peitos, amarram as pernas dos praticantes e os penduram fora da janela. Ao mesmo tempo, amordaçam a boca dos praticantes com tecido e põem fones em seus ouvidos com mensagens contínuas difamando o Falun Gong. De acordo com a explicação de uma testemunha, as pessoas que sofrem essa tortura rapidamente têm os braços, tendões, ombros, pulsos e cotovelos quebrados. Pessoas torturadas assim por longo tempo têm a coluna vertebral quebrada e morrem em dor agonizante.

Eles também jogam os praticantes em calabouços imundos. Eles pregam palitos de bambu embaixo das unhas dos praticantes e os forçam a ficar em quartos úmidos cheios de fungos de todos os tipos no teto, no chão e nas paredes, inflamando ainda mais seus ferimentos. Também usam cachorros, cobras e escorpiões para morderem os praticantes e injetam drogas que prejudicam o sistema nervoso. Essas são somente algumas formas de torturas sofridas pelos praticantes nos campos de trabalho.

III. Luta cruel dentro do Partido

Porque o Partido Comunista Chinês unifica seus membros sobre a base da natureza do Partido ao invés da moral e da justiça, a lealdade por parte de seus membros, especialmente a dos altos oficiais ao líder supremo, é uma questão central. O Partido precisa criar uma atmosfera de terror matando seus membros. Os sobreviventes então veem que quando o ditador supremo quer que alguém morra, essa pessoa morrerá de modo horrível.

As lutas internas dos partidos comunistas são bem conhecidas. Exceto Lênin, que morreu naturalmente, todos os membros do Politburo do Partido Comunista russo nos dois primeiros períodos, inclusive Stalin, foram executados ou cometeram suicídio. Três dos cinco marechais foram executados, três dos cinco comandantes-chefes foram executados, todos os 10 comandantes-chefes do segundo exército foram executados, 57 dos 85 comandantes do exército foram executados e 110 dos 195 comandantes de divisão foram executados.

O Partido Comunista Chinês sempre defende “lutas brutais e ataques impiedosos”. Essas táticas não miram apenas pessoas fora do Partido. Desde o início do período revolucionário na província de Jiangxi, o Partido Comunista Chinês já tinha matado tanta gente na Divisão Antibolchevique (Divisão AB) [21] que somente alguns sobreviveram para lutar na guerra. Na cidade de Yan’an, o Partido fez uma campanha de “Retificação”. Mais tarde, depois de politicamente estabelecido, ele eliminou Gao Gang, Rao Shushi, [22] Hu Feng e Peng Dehuai. Na época da Revolução Cultural, quase todos os membros seniores dentro do Partido foram eliminados. Nenhum dos antigos secretários-gerais do Partido Comunista Chinês teve um bom final.

Liu Shaoqi, um ex-presidente chinês que chegou a ser a figura número 2 no país, morreu de modo horrível. No dia de seu 70º aniversário, Mao Tsé-Tung e Zhou Enlai [23] disseram a Wang Dongxing (chefe da guarda principal de Mao) para trazer um rádio de presente de aniversário para Liu Shaoqi, para que ele ouvisse as notícias oficiais do 8º Plenário da 12ª Reunião do Comitê Central em que se disse: “Expulsar para sempre do Partido, o traidor, espião e renegado Liu Shaoqi e continuar expondo e criticando Liu Shaoqi por seus crimes de abuso de confiança e alta traição.”

Liu Shaoqi ficou mentalmente abalado e sua doença se deteriorou rapidamente. Como ele ficou preso a uma cama por longo tempo e não podia se mover, seu pescoço, costas, bacia e calcanhares ficaram cobertos com feridas purulentas. Quando sentia muita dor, ele agarrava as roupas, objetos e braços de outras pessoas e não soltava, então, as pessoas simplesmente colocavam uma garrafa de plástico duro em cada uma de suas mãos. Quando ele morreu, as duas garrafas de plástico duro tinham a forma de ampulhetas.

Em outubro de 1969, o corpo de Liu Shaoqi começou a apodrecer e o pus tinha um cheiro forte. Ele estava muito magro e à beira da morte. Mas o inspetor especial do Comitê Central do Partido não permitiu que ele tomasse banho ou trocasse de roupas. Ao invés disso, eles tiraram toda a sua roupa, enrolaram-no em um edredom, enviaram-no de avião de Pequim para a cidade de Kaifeng e o trancaram no porão de um fortim. Quando ele tinha febre alta, eles não somente não lhe davam medicamento, mas também transferiram dali toda a equipe médica. Quando ele morreu, seu corpo estava completamente desfigurado e com mais de 60 centímetros de cabelos brancos. Dois dias mais tarde, à meia-noite, ele foi cremado como alguém com doença altamente infecciosa. Sua cama, travesseiro e tudo mais foram cremados. No registro de sua morte consta: Nome: Liu Weihuang; ocupação: desempregado; razão da morte: doença. O Partido Comunista Chinês torturou dessa forma até a morte o presidente da nação sem ao menos dar uma razão clara.

IV. Exportando a revolução, matando pessoas no exterior

Além de matar, com grande satisfação e usando uma variedade de métodos, pessoas dentro da China e no interior do Partido, o Partido Comunista Chinês também participou do massacre de pessoas no estrangeiro, incluindo exilados chineses, ao exportar a “revolução”. O Khmer Vermelho é um exemplo típico.

O regime do Khmer Vermelho de Pol Pot existiu apenas por quatro anos no Camboja. Entretanto, de 1975 a 1978, mais de dois milhões de pessoas, incluindo 200 mil chineses, foram mortos nesse pequeno país com uma população de somente oito milhões de pessoas.

Os crimes do Khmer Vermelho são incontáveis, mas não vamos discuti-los aqui. Entretanto, precisamos falar sobre seu relacionamento com o Partido Comunista Chinês.

Pol Pot adorava Mao Tsé-Tung. A partir de 1965, ele visitou a China quatro vezes e ouviu pessoalmente os ensinamentos de Mao Tsé-Tung. No início de novembro de 1965, Pol Pot ficou na China por três meses. Chen Boda e Zhang Chunqiao discutiram com ele teorias do tipo “o poder político nasce do cano de uma arma”, “luta de classe”, “ditadura do proletariado” e assim por diante. Mais tarde, essas se tornaram as bases de seu governo no Camboja. Depois que voltou ao Camboja, Pol Pot mudou o nome de seu partido para Partido Comunista do Camboja e estabeleceu bases revolucionárias de acordo com o modelo do Partido Comunista Chinês, que é o de cercar as cidades a partir do campo.

Em 1968, o Partido Comunista do Camboja estabeleceu oficialmente um exército. No final de 1969, ele tinha pouco mais de 3 mil pessoas. Mas em 1975, antes de atacar e ocupar a cidade de Phnom Penh, ele tinha se tornado uma força de combate bem equipada e impetuosa de 80 mil soldados. Isso foi completamente devido ao apoio do Partido Comunista Chinês. O livro “Documentário do Apoio ao Vietnam e a Luta contra a América”, de Wang Xiangen, [24] diz que em 1970 a China deu a Pol Pot armamento para 30 mil soldados. Em abril de 1975, Pol Pot tomou a capital do Camboja e dois meses mais tarde foi a Pequim fazer uma visita ao Partido Comunista Chinês e receber instruções. Obviamente, se a matança do Khmer Vermelho não tivesse sido sustentada pelas teorias e pelo apoio material do Partido Comunista Chinês, ela não poderia ter acontecido.

Por exemplo, depois que os dois filhos do príncipe Sihanouk foram mortos pelo Partido Comunista do Camboja, esse partido obedientemente enviou Sihanouk para Pequim sob as ordens de Zhou Enlai. Era bem sabido que quando o Partido Comunista do Camboja matava as pessoas, eles “matavam até o feto” para evitar quaisquer problemas no futuro. Mas a pedido de Zhou Enlai, Pol Pot obedeceu sem protestar.

Zhou Enlai pôde salvar Sihanouk com uma palavra, mas o Partido Comunista Chinês não fez objeção aos mais de 200 mil chineses mortos pelo Partido Comunista do Camboja. Naquela ocasião, os chineses cambojanos foram à embaixada chinesa para obter ajuda, mas a embaixada os ignorou.

Em maio de 1998, quando aconteceu na Indonésia uma matança em larga escala e uma limpeza étnica chinesa, o Partido Comunista Chinês não disse uma palavra. Não ofereceu nenhuma ajuda e até bloqueou, dentro da China, as notícias sobre isso. Parece que o governo chinês não se importou com o destino dos chineses no exterior e nem mesmo ofereceu qualquer assistência humanitária.

V. A destruição da família

Não temos como contar quantas pessoas foram mortas nas campanhas políticas do Partido Comunista Chinês. Entre o povo, não há como fazer uma pesquisa estatística por causa dos bloqueios e barreiras de informações entre as diferentes regiões, grupos étnicos e dialetos locais. O governo do Partido Comunista Chinês nunca faria esse tipo de pesquisa, pois seria cavar seu próprio túmulo. O Partido Comunista Chinês prefere omitir os detalhes ao escrever sua própria história.

É ainda mais difícil de se conhecer o número de famílias prejudicadas pelo Partido Comunista Chinês. Em alguns casos, a morte de uma pessoa desmantelava uma família. Em outros casos, a família toda morria. Mesmo quando ninguém morreu, muitos foram forçados a se separar. Pai e filho, mãe e filha foram forçados a renunciar a seus relacionamentos. Alguns acabaram mutilados, outros ficaram loucos e outros morreram jovens pelas doenças causadas pelas torturas. O registro de todas essas tragédias familiares está totalmente incompleto.

O Yomiuri News, um jornal japonês, uma vez publicou que cerca de metade da população chinesa foi perseguida pelo Partido Comunista Chinês. Se esse é o caso, estima-se que o número de famílias destruídas pelo Partido Comunista Chinês é de cerca de 100 milhões.

Zhang Zhixin [25] se tornou um nome conhecido pela quantidade de reportagens feitas sobre a história dela. Muitas pessoas sabem que ela sofreu tortura física, estupro coletivo e tortura mental. No fim, ela ficou louca e foi morta com um tiro depois de ter sua língua cortada. Mas muitas pessoas podem não saber que há outra história cruel por trás dessa tragédia: até os membros de sua família tiveram de comparecer a “sessão de estudo para as famílias de condenados à morte”.

Lin Lin, filha de Zhang Zhixin, conta que no início da primavera de 1975:

“Uma pessoa da corte de Shenyang disse em voz alta, ‘Sua mãe é uma contrarrevolucionária intransigente. Ela recusa aceitar correção e é incorrigivelmente obstinada. Ela é contra nosso grande líder Mao, contra o pensamento invencível do Mao Tsé-Tung e contra o direcionamento revolucionário do proletariado do Presidente Mao. Com um crime atrás do outro, nosso governo está pensando em aumentar a punição. Se ela for executada, qual será a sua atitude?’ Eu fiquei perplexa e não sabia o que responder. Meu coração estava partido. Mas eu fingi estar calma, tentando firmemente não deixar minhas lágrimas caírem. Meu pai havia me dito que não podíamos chorar na frente dos outros, caso contrário não teríamos jeito de renunciar ao relacionamento com minha mãe. Meu pai respondeu por mim, ‘Se esse é o caso, o governo está livre para fazer o que achar necessário.’

A pessoa do tribunal me perguntou novamente, ‘Você irá recolher o corpo dela se ela for executada? Você irá recolher seus pertences na prisão?’ Eu abaixei minha cabeça e não respondi nada. Meu pai respondeu por mim novamente, ‘Nós não precisamos de nada.’ […] Meu pai segurou meu irmão e a mim pelas mãos e saímos daquele local. Cambaleando, fomos caminhando para casa contra a tempestade de neve. Não cozinhamos; papai dividiu o único biscoito de milho que tínhamos em casa e deu para meu irmão e para mim. Ele disse: ‘Termine e vá para cama mais cedo.’ Eu fiquei quieta na cama de barro. Papai sentou em um banquinho e ficou olhando a luz em estado de torpor. Depois de um tempo, ele olhou para a cama e pensou que estivéssemos dormindo. Ele levantou, cuidadosamente abriu a pasta que trouxemos de nossa velha casa em Shenyang e tirou a foto da mamãe. Ele olhou para ela e não conseguiu segurar as lágrimas.

Eu me levantei da cama, pus minha cabeça entre seus braços e comecei a chorar alto. Papai deu uma batidinha de leve em mim e disse: ‘Não faça isso, não podemos deixar os vizinhos ouvirem.’ Meu irmão se levantou depois de me ouvir chorar. Papai nos segurou firme em seus braços. Não soubemos quantas lágrimas derramamos nessa noite, mas não pudemos chorar livremente.” [26]

Um conferencista da universidade tinha uma família feliz, mas sua família encontrou um desastre durante o processo de retificação dos direitistas. Na época do movimento antidireitista, sua esposa havia namorado alguém que havia sido um direitista. Seu amor foi mais tarde enviado para uma área remota e sofreu muito. Como ela era muito jovem e não pôde ir com ele, ela desistiu do seu amor e casou com o conferencista. Quando seu primeiro amor finalmente voltou para a cidade deles, ela, agora mãe de várias crianças, não tinha outro modo de mostrar seu arrependimento em relação ao passado. Ela insistiu em se divorciar de seu marido para redimir sua consciência culpada. Nessa ocasião, o conferencista estava com cerca de 50 anos de idade; ele não pôde aceitar essa mudança brusca e enlouqueceu. Ele se despojou de todas as suas roupas e foi procurar um lugar para começar uma vida nova. Por fim, sua esposa o abandonou e abandonou os filhos. A dolorosa separação decretada pelo Partido é um problema que, após produzido, não pode ser solucionado e é uma doença social incurável que somente pode substituir uma separação com outra separação.

A família é a unidade básica da sociedade chinesa. É também a última defesa da cultura tradicional contra a cultura do Partido. Por isso, prejudicar a família é o que há de mais cruel na história de matança do Partido Comunista Chinês.

Pelo fato de o Partido Comunista Chinês monopolizar todos os recursos sociais, quando uma pessoa é classificada como sendo de um lado oposto à ditadura, ela imediatamente enfrentará uma crise de subsistência, será acusada por todos na sociedade e despojada de sua dignidade. Quando tratadas injustamente, a família é o único abrigo para essas pessoas encontrarem consolo. Mas a política de implicação do Partido Comunista Chinês impede que os membros da família lhes consolem, caso contrário, eles também correm o risco de ser rotulados como opositores da ditadura. Zhang Zhixin, por exemplo, foi forçada a se divorciar. Para muitas pessoas, a traição dos membros da família, seja reportando, lutando, criticando publicamente ou delatando, é a gota d’água que quebra seus espíritos. O resultado disso é que muitas pessoas cometeram suicídio.

VI. Os padrões e as consequências de matar

A ideologia de matar do Partido Comunista Chinês

O Partido Comunista Chinês sempre se gabou de ser talentoso e criativo no seu desenvolvimento do marxismo-leninismo, mas na realidade o que o Partido Comunista Chinês desenvolveu criativamente foi um mal sem precedentes na história mundial. Ele usa a ideologia comunista da unidade social para enganar o público e os intelectuais. Vale-se do potencial da ciência e da tecnologia em questionar crenças para promover o completo ateísmo. Usa o comunismo para negar a propriedade privada e a teoria e prática da revolução violenta de Lênin para governar o país. Ao mesmo tempo, reuniu e reforçou ainda mais a parte mais maligna da cultura que se desvia da corrente principal das tradições chinesas.

O Partido Comunista Chinês inventou uma teoria e uma estrutura completas de “revolução” e “revolução contínua” sob a ditadura do proletariado; usou esse sistema para mudar a sociedade e assegurar a ditadura do Partido. Sua teoria tem duas partes: a base econômica e a superestrutura sob a ditadura do proletariado, na qual a base econômica determina a superestrutura, enquanto que a superestrutura, por sua vez, age na base econômica. Para fortalecer a superestrutura, especialmente o poder do Partido, ele precisa primeiro dar início à revolução a partir da base econômica, que inclui:

(1) Matança dos proprietários de terras para solucionar as relações de produção no campo, [27] e (2) Matança dos capitalistas para solucionar as relações de produção nas cidades.

Dentro da superestrutura, a matança é também repetidamente realizada para manter o controle ideológico absoluto do Partido. Isso inclui:

(2) A solução do problema da atitude política dos intelectuais em relação ao Partido.

Durante um longo período, o Partido Comunista Chinês lançou múltiplas campanhas para reformar o pensamento dos intelectuais. Elas acusaram os intelectuais de individualismo burguês, ideologia burguesa, pontos de vista apolíticos, falta de ideologia de classe, liberalismo, etc. O Partido Comunista Chinês despojou os intelectuais de sua dignidade mediante lavagem cerebral e eliminação de suas consciências. O Partido Comunista Chinês quase eliminou completamente o pensamento independente e muitas outras boas qualidades dos intelectuais, incluindo a tradição de lutar por justiça e de devotar suas vidas para apoiar a justiça. Essa tradição ensina: “Não seja levado a excessos quando rico e famoso, nem seja desviado de seus propósitos quando pobre e obscuro, nem ceda à força…”; [28] “Seja o primeiro a se preocupar com a nação e o último a reclamar sua porção de felicidade”; [29] “Cada homem comum deverá se sentir responsável pelo sucesso e fracasso da nação”; [30] e “Uma pessoa nobre faz-se perfeita na obscuridade, mas quando em proeminência faz perfeita toda a nação.” [31]

(3) O lançamento de uma revolução cultural e a matança de pessoas para conseguir a liderança cultural e política absoluta.

O Partido Comunista Chinês mobilizou campanhas de massa dentro e fora do Partido, começando a matança nas áreas da literatura, arte, teatro, história e educação. O Partido Comunista Chinês focalizou os primeiros ataques em várias pessoas famosas como “A vila das três famílias”, [32] Liu Shaoqi, Wu Han, Lao She e Jian Bozan. Mais tarde, o número de pessoas mortas aumentou para “um pequeno grupo dentro do Partido” e “um pequeno grupo dentro do exército” e, finalmente, a matança se espalhou de dentro do Partido e do exército para todo o povo, no país inteiro. A luta armada eliminou corpos físicos; os ataques culturais mataram o espírito das pessoas. Foi um período extremamente caótico e violento sob o controle do Partido Comunista Chinês. O lado perverso da natureza humana foi maximizado pela necessidade do Partido de reavivar seu poder em crise. Todo mundo podia matar arbitrariamente em nome da “revolução” e na “defesa da linha revolucionária do presidente Mao”. Foi um exercício de eliminação da natureza humana sem precedentes em toda a nação.

(4) O Partido Comunista Chinês atirou em estudantes na Praça Tiananmen em 4 de junho de 1989 em resposta às reivindicações democráticas que se seguiram à Revolução Cultural.

Essa foi a primeira vez que o exército do Partido Comunista Chinês matou civis publicamente em repressão a um protesto popular contra fraude, corrupção e conluio entre oficiais do governo e empresários e pela reivindicação de liberdade de imprensa, opinião e assembléia. Durante o Massacre da Praça Tiananmen, para instigar o ódio entre o exército e os civis, o Partido Comunista Chinês até encenou pessoas queimando veículos militares e matando soldados, manipulando o palco que resultou na tragédia do massacre do próprio povo pelo Exército Popular.

(5) A matança de pessoas de diversas crenças.

É vital para o Partido Comunista Chinês o domínio da crença. No início de seu governo, para promover sua heresia e enganar o povo, o Partido Comunista Chinês começou a eliminar todas as religiões e sistemas de crença. Ao se deparar com uma crença espiritual em um novo período, o Falun Gong, o Partido Comunista Chinês empunhou novamente sua faca de açougueiro. A estratégia do Partido Comunista Chinês é tirar vantagem dos princípios do Falun Gong de “Verdade, Compaixão e Tolerância”, e do fato de os praticantes não mentirem, não usarem da violência e não causarem instabilidade social. Depois de adquirir experiência perseguindo o Falun Gong, o Partido Comunista Chinês se aperfeiçoou em eliminar pessoas de outras crenças. Dessa vez, Jiang Zemin e o próprio Partido Comunista Chinês vieram à frente do palco para matar, ao invés de usarem outras pessoas ou grupos.

(6) A matança de pessoas para encobrir a verdade.

O direito de saber das pessoas é outro ponto fraco do Partido Comunista Chinês. O Partido Comunista Chinês também mata pessoas para bloquear a informação. No passado, “ouvir a emissora de rádio do inimigo” era uma desobediência punida com prisão. Agora, em resposta aos múltiplos incidentes de interceptação do sistema de televisão estatal para esclarecer a verdade da perseguição do Falun Gong, Jiang Zemim ordenou “matar instantaneamente sem piedade”. Liu Chengjun, que realizou tal interceptação, foi torturado até a morte. O Partido Comunista Chinês mobilizou a “Agência 610” (uma organização semelhante à Gestapo da Alemanha nazista criada para perseguir o Falun Gong), a polícia, os promotores, as cortes e um sistema policial maciço na Internet para monitorar cada ação das pessoas.

(7) A privação do povo em relação a seus direitos de sobrevivência para promover interesses do Partido Comunista Chinês.

A teoria da revolução contínua do Partido Comunista Chinês significa, na realidade, que ele não abrirá mão do poder. Atualmente, a fraude e a corrupção no Partido Comunista Chinês geram conflitos entre a liderança absoluta do Partido e o direito das pessoas à vida. Quando as pessoas se organizam para proteger seus direitos legalmente, o Partido Comunista Chinês usa seus instrumentos de violência contra os chamados “cabeças” dos movimentos. O Partido Comunista Chinês tem preparado cerca de um milhão de policiais armados para esse fim. Hoje, o Partido Comunista Chinês está muito melhor preparado para matar do que na época do Massacre da Praça Tiananmen em 1989, quando teve de mobilizar temporariamente o exército. Entretanto, ao forçar o povo contra a parede, o Partido Comunista Chinês se colocou em um caminho sem saída. O Partido Comunista Chinês chegou a um ponto extremo de vulnerabilidade em que, como diz o ditado chinês, “quando o vento sopra, árvores e gramas são como inimigos”.

Por todos os pontos acima, podemos ver que o Partido Comunista Chinês é um espectro maligno por natureza. Não importa que mudanças ele sofra em lugares e tempos específicos com o propósito de manter o controle absoluto, o Partido Comunista Chinês não mudará sua história de matança; ele matou gente antes, está matando gente agora, e continuará a matar no futuro.

Diferentes padrões de matar sob diferentes circunstâncias

A. A direção  da propaganda

O Partido Comunista Chinês tem usado diferentes maneiras de matar dependendo da época. Na maioria das situações, o Partido Comunista Chinês fez propaganda antes da matança. O Partido Comunista Chinês frequentemente disse, “somente a morte pode apaziguar a indignação do público”, como se o povo tivesse pedido ao Partido Comunista Chinês para matar. Na realidade, essa “indignação pública” tem sido instigada pelo Partido Comunista Chinês.

Por exemplo, o drama “A menina dos cabelos brancos”, [33] uma distorção completa da lenda folclórica, e as histórias fabricadas de cobrança de aluguel e de calabouços narradas no drama “Liu Wencai” foram todos usados como ferramentas para “educar” o povo a odiar os proprietários de terra. O Partido Comunista Chinês comumente demoniza seus inimigos, como fez no caso do antigo presidente da China, Liu Shaoqi. Em particular, em janeiro de 2001, o Partido Comunista Chinês encenou uma autoimolação na Praça Tiananmen para incitar as pessoas a odiarem o Falun Gong – e, assim, reforçar sua campanha genocida maciça contra o Falun Gong. O Partido Comunista Chinês não só não mudou sua forma de matar pessoas, mas ao invés disso aperfeiçoou seus métodos usando nova tecnologia. No passado, o Partido Comunista Chinês podia enganar o povo chinês, mas agora ele também engana o povo no mundo todo.

B. A mobilização das massas para a matança

O Partido Comunista Chinês não mata somente por meio da máquina de sua ditadura, mas também mobiliza ativamente as pessoas para matarem umas às outras. Mesmo se o Partido Comunista Chinês faça observar alguns regulamentos e leis no início dessas mobilizações, quando ele incita o povo para se juntar, nada pode parar o massacre. Por exemplo, quando o Partido Comunista Chinês estava implantando a sua reforma agrária, um comitê de reforma agrária podia decidir sobre a vida e morte dos proprietários de terra.

C. A destruição do espírito da pessoa antes de matar seu corpo físico

Outro sistema de matar abrange primeiro triturar o espírito da pessoa antes de matar seu corpo físico. Na história da China, mesmo a cruel e feroz Dinastia Qin (221-207 a.C.) não destruiu o espírito das pessoas. O Partido Comunista Chinês nunca deu a chance de a pessoa morrer como um mártir. O Partido adota políticas como: “Indulgência para os que confessem e punição severa para os que resistem” e “Abaixar a cabeça para admitir o crime é a única maneira de escapar.” O Partido Comunista Chinês força o povo a abrir mão de seus próprios pensamentos e crenças, fazendo com que ele morra como um cão, sem dignidade; uma morte digna encorajaria seguidores. Somente quando a pessoa morre em humilhação e vergonha, o Partido Comunista Chinês pode realizar seu propósito de “educar” a pessoa que admirava a vítima. A razão pela qual o Partido Comunista Chinês persegue o Falun Gong com extrema crueldade e violência é porque os praticantes do Falun Gong consideram suas crenças mais importantes que suas próprias vidas. Quando o Partido Comunista Chinês foi incapaz de destruir a dignidade deles, ele fez de tudo que podia para torturar seus corpos físicos.

D. A matança de pessoas mediante alianças e alienação

Para matar as pessoas, o Partido Comunista Chinês usa “cenoura e bastão”, fazendo-se amigo de alguns e molestando outros. O Partido Comunista Chinês sempre tenta atacar uma “pequena porção” da população usando a proporção de 5%. “A maior parte” da população é sempre boa, objeto constante de “educação”. Essa educação consiste em terror e cuidado. A educação por meio do terror usa o medo para mostrar às pessoas que os que se opõem ao Partido Comunista Chinês não terão um fim bom, fazendo-os distanciarem-se dos previamente atacados pelo Partido. A educação por meio do “cuidado” deixa as pessoas verem que se ganharem a confiança do Partido Comunista Chinês e se juntarem a ele, não somente estarão salvas, mas também terão boa chance de serem promovidas ou receberem outros benefícios. Lin Biao [34] disse uma vez, “Uma pequena porção [suprimida] hoje e uma pequena porção amanhã, logo haverá uma grande porção no total.” Aqueles que se regozijam em sobreviver a um movimento, geralmente se tornam vítimas no próximo.

E. A eliminação de ameaças potenciais no seu germe e matanças secretas fora da lei

Recentemente, o Partido Comunista Chinês desenvolveu o sistema de eliminar ameaças potenciais no seu germe e matar secretamente fora da lei. Por exemplo, como as greves dos trabalhadores e os protestos dos camponeses se tornaram mais comuns em vários locais, o Partido Comunista Chinês acaba com os movimentos antes que eles possam crescer, prendendo o “cabeça” e sentenciando-o a uma punição severa. Em outro exemplo, como a liberdade e os direitos humanos se tornaram uma tendência mais e mais reconhecida em todo o mundo, o Partido Comunista Chinês não condena nenhum praticante do Falun Gong à morte, mas, sob a instigação de Jiang Zemin de que “ninguém será considerado responsável pela morte de praticantes do Falun Gong”, eles foram torturados até a morte por todo o país. Mesmo que a Constituição chinesa reconheça o direito de apelação do cidadão se ele sofrer uma injustiça, o Partido Comunista Chinês usa oficiais à paisana ou contrata criminosos locais para impedir, prender ou mandar para casa os que apelam, até mesmo colocando-os em campos de trabalho.

F. O assassinato de um para advertir outros

As perseguições a Zhang Zhixin, Yu Luoke e Lin Zhao [35] são exemplos disso.

G. O uso da supressão para esconder a verdade das mortes

Pessoas famosas com influência internacional são geralmente repreendidas, mas não mortas pelo Partido Comunista Chinês. O propósito disso é ocultar a morte dos que chamarão a atenção pública. Por exemplo, durante a campanha de supressão aos reacionários, o Partido Comunista Chinês não matou generais de altos postos do KMT como Long Yun, Fu Zuoyi e Du Yuming, mas ao invés disso matou oficiais e soldados do KMT de níveis mais baixos.

As matanças conduzidas pelo Partido Comunista Chinês por um longo período de tempo distorceram a alma do povo chinês. Agora, na China, muita gente tem tendência para matar. Quando terroristas atacaram os EUA em 11 de setembro de 2001, em mensagens na internet na China Continental, muitos chineses aplaudiram os ataques. Apoiadores de uma “guerra total” podiam ser ouvidos em toda parte, fazendo as pessoas tremerem de medo.

Conclusão

Devido ao bloqueio de informação pelo Partido Comunista Chinês, não temos como saber exatamente quantas pessoas morreram nos vários movimentos de perseguição que ocorreram durante seu regime. Pelo menos 60 milhões de pessoas morreram nos movimentos. Além disso, o Partido Comunista Chinês também matou minorias étnicas em Xinjiang, Tibete, Mongólia, Yunnan e outros lugares; é difícil achar informações sobre esses incidentes. O Washington Post estimou certa vez que o número de pessoas perseguidas até a morte pelo Partido Comunista Chinês chega a 80 milhões. [36]

Além do número de mortes, não temos como saber quantas pessoas ficaram aleijadas, mentalmente doentes, loucas, deprimidas ou desenvolveram medo da morte por causa da perseguição que sofreram. Cada pessoa morta significa uma tragédia amarga que deixa uma dor eterna para os membros da família das vítimas.

Como o jornal japonês Yomiuri News declarou uma vez, [37] uma pesquisa do governo central chinês feita em 29 províncias e vilas diretamente administradas pelo regime mostrou que perto de 600 milhões de pessoas foram perseguidas ou incriminadas durante a Revolução Cultural, o equivalente a quase metade da população da China.

Stalin disse uma vez que a morte de um homem é uma tragédia, mas a morte de um milhão é simplesmente uma estatística. Quando falaram para Li Jingquan, antigo secretário do Partido da província de Sichuan, que muitas pessoas morreram de fome na província de Sichuan, ele observou: “Qual a dinastia que não teve pessoas mortas?” Mao Tsé-Tung disse: “Casualidades são inevitáveis em qualquer luta. Mortes geralmente ocorrem.” Esta é a visão a respeito da vida pelos comunistas ateus. Por isso, 20 milhões de pessoas morreram como resultado da perseguição durante o regime de Stalin, o que constitui 10% da população da antiga União Soviética. O Partido Comunista Chinês matou pelo menos 80 milhões de pessoas, o que também é quase 10% da população da nação [ao fim da Revolução Cultural]. O Khmer Vermelho matou dois milhões de pessoas, um quarto da população do Camboja na época. Na Coreia do Norte, o resultado de mortes pela fome é estimado em cerca de um milhão. Essas são dívidas de sangue dos partidos comunistas.

Cultos perversos sacrificam pessoas e usam seu sangue para adorar espectros malignos. Desde seu início, o partido comunista continua a matar gente, quando não pode matar pessoas de fora do Partido, ele mata sua própria gente – para comemorar suas “lutas de classes”, “lutas interpartidárias” e outras falácias. Inclusive põe o próprio secretário-geral do Partido, marechais, generais, ministros e outros no altar de sacrifício do culto do mal.

Muitos pensam que se deve dar tempo ao Partido Comunista Chinês para que ele melhore, dizendo que ele está bastante refreado em suas matanças agora. Antes de tudo, matar uma única pessoa ainda faz do indivíduo um assassino. Além disso, pelo fato de matar ser um dos métodos que o Partido Comunista Chinês usa para governar seu regime de terror, o Partido Comunista Chinês controla suas matanças de acordo com suas necessidades. A matança do Partido Comunista Chinês é geralmente imprevisível. Quando desaparece o forte sentimento de medo nas pessoas, o Partido Comunista Chinês mata, aumentando o senso de terror; quando as pessoas já estão com bastante medo, matar pouco pode manter o senso de terror; quando as pessoas não conseguem deixar de temer o Partido Comunista Chinês, então anunciar sua intenção de matar sem realmente matar é o suficiente para manter o terror. Depois de ter experimentado inúmeros movimentos políticos e de matança, as pessoas desenvolveram um reflexo condicionado em resposta ao terror do Partido Comunista Chinês. Dessa forma, não há necessidade de o Partido Comunista Chinês mencionar que vai matar, só o tom da máquina de propaganda de crítica de massa é suficiente para trazer à tona as lembranças de terror do povo.

O Partido Comunista Chinês ajusta a intensidade de suas matanças conforme as mudanças do senso de terror das pessoas. O tamanho da matança não é o objetivo do Partido Comunista Chinês. A chave é a consistência da matança para se manter o poder. O Partido Comunista Chinês não se tornou suave nem se desfez de sua faca de açougueiro, na verdade, as pessoas se tornaram mais obedientes. Se as pessoas se levantarem para exigir qualquer coisa além da tolerância do Partido Comunista Chinês, ele não hesitará em matar.

Pela necessidade de manter o terror, mortes ao acaso dão o resultado máximo para conseguir esse objetivo. Nas mortes em grande escala que aconteceram antes, a identidade, o crime e os padrões de sentença eram mantidos intencionalmente vagos pelo Partido Comunista Chinês. Para não serem incluídas como alvos, as pessoas geralmente se limitariam à “zona segura”, com base em seus próprios julgamentos. Essas “zonas seguras” foram algumas vezes mais limitadas do que o Partido Comunista Chinês intencionava estabelecer. Por isso, em cada movimento, as pessoas tendem a agir como “um esquerdista mais do que um direitista”. Como resultado, um movimento é frequentemente “ampliado” além da escala pretendida, porque as pessoas em diferentes níveis, voluntariamente, se impõem restrições para assegurar sua própria segurança. Quanto mais baixo o nível, mais cruel se torna o movimento. Essa intensificação voluntária do terror em toda a sociedade vem das mortes ao acaso do Partido Comunista Chinês.

Em sua longa história de matança, o Partido Comunista Chinês se transformou em um depravado assassino em série. Por meio da matança, ele satisfaz seu pervertido senso de poder de decisão sobre a vida e morte das pessoas. Por meio da matança, ele atenua seu próprio medo mais intrínseco. Por meio da matança, ele reprime o desconforto social e a insatisfação causados por seus assassinatos anteriores. Hoje, o débito de sangue total do Partido Comunista Chinês tornou impossível uma solução benevolente. Ele pode governar apenas por meio de intensa pressão e do totalitarismo para manter sua existência até o seu momento final. Apesar da dissimulação ocasional que usa ao retificar vítimas de execuções anteriores, a natureza sedenta de sangue do Partido Comunista Chinês nunca mudou. É é ainda mais improvável que mude no futuro.

Notas:

[1] Carta de Mao Tsé-Tung a sua mulher Jiang Qing, 1966.

[2] Superestrutura no contexto das teorias sociais marxistas refere-se ao modo de interação entre a subjetividade humana e a substância material da sociedade.

[3] Hu feng, um erudito e crítico literário, foi opositor da política de literatura doutrinária do Partido Comunista Chinês. Ele foi expulso do Partido em 1955 e sentenciado a 14 anos de prisão.

[4] Analectos, de Confúcio.

[5] Levítico 19:18.

[6] Marx, Karl. Manifesto Comunista, 1848.

[7] Mao Tsé-Tung. A ditadura democrática do povo, 1949.

[8] Mao Tsé-Tung, “Nós devemos promover completamente [a supressão dos reacionários] para que cada família seja educada.” (30 de março de 1951)

[9] Mao Tsé-Tung, “Nós devemos atingir os reacionários com força e precisão.” (1951)

[10] O Reino Celestial de Taiping (1851-1864), também conhecido como a Rebelião de Taiping, foi um dos conflitos mais sangrentos da história chinesa. Foi um embate entre as forças da China Imperial e aquelas inspiradas pelo místico autoproclamado do grupo cultural Hakka chamado Hong Xiuquan, que também era um cristão convertido. Acredita-se que pelo menos 30 milhões de pessoas tenham morrido.

[11] Dados de um trecho do livro publicado pela revista Chengming de Hong Kong (www.chengmingmag.com), edição de outubro de 1996.

[12] O Grande Salto para Frente (1958-1960) foi uma campanha do Partido Comunista Chinês para impulsionar a indústria chinesa, particularmente a indústria do aço. É visto amplamente como um grande desastre econômico.

[13] Publicado em fevereiro de 1994 pela editora Red Flag. A citação foi traduzida pelo tradutor.

[14] “Mu” é uma unidade chinesa de área, um mu equivale a 0,165 acres.

[15] Peng Dehuai (1898-1974) foi um general comunista chinês e líder político. Peng foi comandante chefe na guerra da Coreia, vice-primeiro ministro do Conselho de Estado, membro do Politburo e Ministro da Defesa (1954-1959). Ele foi removido de seus cargos oficiais depois de discordar das posturas esquerdistas de Mao no Plenário do Partido Comunista Chinês em Lushan em 1959.

[16] Jaegher, Raymond J. Enemy Within. Guild Books, Catholic Polls, Incorporated, 1968.

[17] O Massacre de Daxing ocorreu em agosto de 1966 durante a troca da liderança do Partido em Pequim. Na época, Xie Fuzhi, o ministro da segurança pública, fez um discurso em uma reunião da Secretaria de Segurança Pública de Pequim defendendo a não intervenção nas ações da Guarda Vermelha contra as “cinco classes negras”. Esse discurso foi logo transmitido em uma reunião do Comitê do Partido da Secretaria de Segurança Pública de Daxin. Depois da reunião, a Secretaria de Daxin entrou em ação imediatamente e montou um plano para instigar as massas no condado de Daxin a matarem as “cinco classes negras”.

[18] Zheng Yi. Memorial Escarlate. Taipei: Chinese Television Publishing House, 1993. Este livro também está disponível em inglês: Yi Zheng. [traduzido e editado por T. P. Sym]. Scarlet Memorial: Tales of Cannibalism in Modern China. Boulder, Colorado: Westview Press, 1998.

[19] A “antiga sociedade”, como o Partido Comunista Chinês a chama, refere-se ao período anterior a 1949 e a “nova sociedade” refere-se ao período após 1949 quando o Partido Comunista Chinês tomou o controle do país.

[20] A camisa de força é um instrumento de tortura em forma de jaqueta. Os braços da vítima são torcidos e amarrados nas costas com uma corda e então puxados para frente por cima da cabeça; esta tortura pode aleijar instantaneamente os braços da pessoa. Depois disso, a vítima é forçada a entrar na camisa de força e é pendurada pelos braços. As consequências mais diretas desta tortura cruel é a fratura dos ossos nos ombros, no cotovelo, nos punhos e nas costas, resultando na morte agonizante da vítima. Vários praticantes do Falun Gong morreram por causa dessa tortura.

Para maiores informações, visite:

http://search.minghui.org/mh/articles/2004/9/30/85430.html (em chinês)

http://www.clearwisdom.net/emh/articles/2004/9/10/52274.html (em inglês).

[21] Em 1930, Mao ordenou ao Partido que matasse milhares de membros do Partido, soldados do Exército Vermelho e civis inocentes na província de Jiangxi na tentativa de consolidar seu poder nas áreas controladas pelo Partido Comunista Chinês.

Para maiores informações, visite:

http://kanzhongguo.com/news/articles/4/4/27/64064.html (em chinês)

[22] Gao Gang e Rao Shushi eram ambos membros do Comitê Central do Partido Comunista Chinês. Após uma proposta mal sucedida em uma luta do poder em 1954, eles foram acusados de tramar a separação do Partido e consequentemente foram expulsos do mesmo.

[23] Zhou Enlai (1898-1976) foi a figura mais proeminente no Partido Comunista Chinês depois de Mao. Ele foi um dos líderes do Partido Comunista Chinês e primeiro ministro da República Popular da China de 1949 até sua morte.

[24] Wang Xiangen, Documentário do Apoio ao Vietnam e a Luta contra a América. Pequim: International Cultural Publishing Company, 1990.

[25] Zhang Zhixin foi uma intelectual torturada até a morte pelo Partido Comunista Chinês durante a Revolução Cultural que foi enviada para a prisão por ter ousado falar a verdade e porque criticou Mao por ter falhado no Grande Salto para Frente. Muitas vezes, os guardas da prisão tiraram suas roupas, amarraram suas mãos atrás das costas e jogaram-na nas celas da prisão masculina, deixando que os prisioneiros a violentassem. No fim, ela perdeu a razão. Antes de sua execução, temendo que ela gritasse slogans de protesto, os guardas da prisão pressionaram sua cabeça contra um tijolo e cortaram suas cordas vocais.

[26] Da Fundação de Pesquisa Laogai, notícia do dia 12 de outubro de 2004:

http://www.laogai.org/news2/newsdetail.php?id=391 (em chinês).

[27] Uma das três ferramentas que Marx usou para analisar as classes sociais (meios de produção, modos de produção e relações de produção). Relações de produção referem-se ao relacionamento entre as pessoas que possuem ferramentas de produção e aqueles que não as possuem, por exemplo, o relacionamento entre o latifundiário e o agricultor, a relação entre o capitalista e o trabalhador.

[28] Extraído de Mêncio, Livro 3, Série Penguin Classics, traduzido por D. C. Lau.

[29] De Fan Zhongyan (989-1052), proeminente educador chinês, escritor e oficial do governo da Dinastia Song do Norte. Esta citação foi extraída de sua bem conhecida prosa, “Subindo a Torre Yueyang”.

[30] Por Gu Yanwu (1613-1682), um eminente erudito do início da Dinastia Qing.

[31] Extraído de Mêncio, Livro 3, Série Penguin Classics, traduzido por D. C. Lau.

[32] “A vila das três famílias” era o pseudônimo de três escritores dos anos 60, Deng Kuo, Wu Han and Liao Mosha. Wu foi autor da peça, “Hai Rui renunciando a seu posto”, que Mao considerou uma sátira política sobre sua relação com o General Peng Dehuai.

[33] A lenda folclórica chinesa “A menina dos cabelos brancos” é a história de uma imortal que mora em uma caverna e tem poderes sobrenaturais para premiar a virtude e punir o vício, defender o correto e restringir o mal. Entretanto, no drama “moderno” chinês, ópera e balé, ela foi descrita como sendo uma menina que foi forçada a fugir para uma caverna depois de seu pai ser espancado até a morte por haver recusado casá-la com um velho senhor de terras. Ela ficou com os cabelos brancos por falta de nutrição. Este se tornou um dos mais conhecidos dramas “modernos” na China e instigou o ódio pela classe dos senhores de terras.

[34] Lin Biao (1907-1971), um dos importantes líderes do Partido Comunista Chinês, serviu sob Mao Tsé-Tung como membro do Politburo da China, vice-presidente (1958) e Ministro da Defesa (1959). Lin é considerado o arquiteto da Revolução Cultural na China. Ele foi designado sucessor de Mao em 1966, mas perdeu seu favoritismo em 1970. Pressentindo sua queda, Lin se envolveu em uma tentativa de golpe e tentou fugir para a URSS assim que a trama foi descoberta. Durante sua tentativa de fuga, seu avião caiu na Mongólia, resultando em sua morte.

[35] Yu Luoke era um pensador e defensor dos direitos humanos que foi morto pelo Partido Comunista Chinês durante a Revolução Cultural. Seu monumental manuscrito “Sobre a tradição da família”, escrito em 18 de janeiro de 1967, foi um dos escritos que teve a maior circulação e a mais duradoura influência de todos os textos de pensamento anti-Partido Comunista Chinês durante os anos da Revolução Cultural. Lin Zhao, uma estudante da Universidade de Pequim mestranda em jornalismo, foi classificada como direitista em 1957 por seu pensamento independente e por suas críticas sinceras ao movimento comunista. Ela foi acusada de conspiração para derrubar a ditadura democrática popular e foi presa em 1960. Em 1962, ela foi sentenciada a 20 anos de prisão. Ela foi morta pelo Partido Comunista Chinês em 29 de abril de 1968 como contrarrevolucionária.

[36] Dados extraídos do site:

http://www.laojiao.org/64/article0211.html (em chinês).

[37] Extraído de “Uma carta aberta de Song Meiling para Liao Chengzhi” (17 de agosto de 1982). Fonte:

http://www.blog.edu.cn/more.asp?name=fainter&;id=16445 (em chinês).

Introdução – Índice

Capítulo 6: Como o Partido Comunista Chinês destruiu a cultura tradicional

Capítulo 8: Como o Partido Comunista Chinês é um culto maligno

Leia em outros idiomas
Nine Commentaries

Editorial Epoch Times

 
Matérias Relacionadas