Mídia estatal chinesa afirma que líder Xi Jinping deve seguir caminho de Mao Tsé-Tung

Reeleição de Xi é o principal objetivo das nomeações para altos funcionários do 20º Comitê Central do PCC no ano que vem

Por Jessica Mao

Com uma grande reunião política marcada para novembro, na qual decisões cruciais serão tomadas para a nomeação dos líderes do Partido Comunista Chinês (PCC) no próximo ano, a mídia estatal chinesa tem sugerido a necessidade de Xi Jinping seguir os passos de Mao Tsé-Tung para se tornar o líder supremo do Partido.

Vários meios de comunicação estatais reiteraram recentemente os comentários de Xi há cinco anos sobre a Conferência de Zunyi de 1935, uma reunião crucial durante a chamada “Longa Marcha” do Exército Vermelho do PCC. O resultado da conferência foi uma grande mudança de poder na qual Mao Tsé-Tung substituiu os ex-líderes do PCC e se estabeleceu como o líder supremo do Partido e do exército.

A China Media Group Central Radio Network publicou um artigo de Gong Fangbin, professor da PLA National Defense University, em 5 de outubro. Ele citou Xi como tendo dito em outubro de 2016, em uma conferência para marcar o 80º aniversário da Longa Marcha, que a Conferência de Zunyi foi “um ponto de inflexão de vida ou morte” na história do Partido.

A Longa Marcha foi, na verdade, uma retirada forçada. Depois de ser derrotado pelo exército nacional chinês Kuomintang na quinta campanha de cerco, o Exército Vermelho foi forçado a se mudar para as províncias de Yunnan e Guizhou, no sudoeste da China. Mas foi difícil para ele encontrar um lugar para se estabelecer, diz o artigo. Uma crise foi sentida em todo o Exército Vermelho e a única maneira de revertê-la era trazer Mao ao centro de tomada de decisões.

A questão era como Mao, que estivera fora do círculo de tomada de decisões, poderia entrar na liderança central. De acordo com o artigo, a crise foi um teste para os membros da liderança do PCC. “A história mostra que sim. Mao Tsé-Tung entrou na liderança central e depois se tornou o líder central. Isso é possível quando os membros da liderança central podem se elevar acima de seus próprios interesses em momentos críticos”.

Crise existencial

Li Yanming, um especialista em China baseado nos EUA e comentarista de assuntos atuais, disse ao Epoch Times em 9 de outubro que, na véspera da Sexta Sessão Plenária do Comitê Central, este artigo ecoa outro artigo publicado anteriormente pela mídia estatal, intitulado: “A Sexta Sessão Plenária decidirá o destino da China.” De acordo com Li, este artigo contém quatro sinais importantes.

O primeiro sinal é que o PCC está em crise existencial. A Conferência Zunyi de 1935 foi realizada no contexto da grande fuga do PCC após a quinta campanha de cerco do Exército do Kuomintang. Hoje, o PCC enfrenta uma maré mundial de sentimentos anticomunistas, bem como várias dificuldades em casa e no exterior.

Em segundo lugar, implica que Xi pretende seguir o modelo maoísta de elevar sua posição “central” à de “líder do partido” com poder de longo prazo. O artigo enfatiza a entrada de Mao no centro da tomada de decisões em um momento de crise, tornando-se o líder central e permanecendo no poder por um longo tempo. Há um paralelo implícito entre o estabelecimento de Xi como o “núcleo” e o surgimento de Mao como o líder do núcleo, disse Li.

Terceiro, o artigo representou uma ameaça aos líderes do PCC, que prometeram apoiar a permanência de Xi no cargo. Ele enfatizou que Mao, que estava fora do círculo de tomada de decisão na época, foi capaz de entrar na liderança central e se tornar o líder porque a liderança do PCC “se elevou acima de seus próprios interesses” e fez um “auto-sacrifício”, o que foi um teste para saber se eles eram verdadeiros marxistas.

“Isso é, de fato, coagir a atual liderança do Partido usando o chamado princípio do ‘espírito do Partido’ do regime comunista”, disse Li, acrescentando que está pressionando principalmente “os atuais membros do Comitê Permanente do Politburo, os Membros do Politburo e anciãos aposentados para expressar seu apoio à liderança de Xi no Partido, ou seja, sua posição como líder e seu governo de longo prazo”.

Quarto, o artigo revela as lutas internas do PCC sobre as linhas políticas. De acordo com Li, o artigo enfatizava que a Conferência de Zunyi estabeleceu a liderança do Comitê Central do Partido com Mao como o principal representante da “linha direita”. Na história do PCC, o estabelecimento da liderança de Mao na Sexta Sessão Plenária estava inextricavelmente ligado à crítica das linhas divisórias propostas pelos primeiros líderes do PCC, Zhang Guoshu e Wang Ming.

A “linha correta” mencionada no artigo, por um lado, implica que ainda há uma luta por linhas políticas entre os escalões mais altos do PCC. Por outro lado, ele aponta para uma mensagem de dissuasão, alertando os oponentes políticos de Xi que, se não o aceitarem como líder do Partido, serão marcados como uma linha divisória e eliminados, disse Li.

Atraso da Sexta Sessão Plenária

A Sexta Sessão Plenária do Comitê Central será realizada em Pequim em novembro deste ano. A reunião é geralmente realizada em setembro e outubro, mas a reunião deste ano foi adiada. A mídia estatal Xinhua noticiou em 31 de agosto que a reunião do Politburo pedia “tomar a história como espelho” e disse que Xi seria “o núcleo do Comitê Central do PCC e de todo o Partido”.

A mídia estatal começou a anunciar ainda mais cedo. Um site afiliado ao Qiushi, uma publicação do Comitê Central do PCC, publicou um artigo em 7 de maio dizendo que Mao se tornou o “núcleo” do Comitê Central após a Conferência de Zunyi. A consolidação da posição de liderança de Mao é “um pré-requisito importante para continuar a estabelecer uma linha ideológica correta dentro de todo o Partido”.

A reeleição de Xi é o principal objetivo das nomeações para altos funcionários do 20º Comitê Central do PCC no ano que vem, disse Li. O artigo de Qiushi sugere que o foco da Sexta Sessão Plenária será fortalecer ainda mais a posição de Xi dentro do Partido, abrindo caminho para sua reeleição.

Li disse ainda que o adiamento incomum da Sexta Sessão Plenária também reflete a intensidade das lutas internas entre funcionários de alto escalão perante o 20º Comitê Central do PCC.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

Veja também:

 
Matérias Relacionadas