Maia: segredos de um mundo antigo

A civilização Maia atingiu seu ápice há cerca de 1.500 anos e, em seguida, desapareceu tão misteriosamente como surgiu, deixando cidades na selva, pirâmides em ruínas, hieróglifos e artefatos impressionantes que confundiram a mente dos arqueólogos e estudiosos por séculos.

Uma das tribos indígenas mais importantes da América Central, os Maias eram um povo agrícola, ocupando o que é hoje Yucatán, Chiapas e Tabasco, no México, Honduras, Guatemala, Belize e El Salvador.

Eles eram famosos por sua arquitetura, seu conhecimento astronômico e matemático, e sua excelência estética. Eles também foram os únicos índios pré-colombianos que desenvolveram uma linguagem escrita, agora cerca de 80% decifrada.

As descobertas recentes lançam luz sobre a linguagem única escrita do povo Maia e seu sistema de calendário complexo. A profecia do fim de mundo expressa pelos Maias preocupa muitas pessoas, que pensam que o mundo vai acabar em 21 de dezembro de 2012.

Porém existe um calendário que explica como os Maias calculavam o tempo e que a sua maneira de medir o tempo mostra um novo começo, previsto para começar no final de 2012, em vez de um final cataclísmico.

Cultura da complexidade

Os Maias possuíam uma cultura complexa, diferente da nossa, com governantes divinos com funções sagradas, complexa vida no palácio, operários, artesãos, agricultores e escravos (prisioneiros de guerra e criminosos).

Havia sacrifícios humanos e sangrias, bem como de escarificação, tal como o alargamento da orelha, como forma de beleza estética.

Antes da queda, a arte Maia era altamente desenvolvida. Durante o século IX, muitas cidades Maias foram abandonadas, mas o fim desta civilização não surgiu de repente, como na guerra, mas aconteceu gradualmente, ao longo de um século.

Uma explicação é que eles experimentaram esgotamento do solo, pois sem ferramentas agrícolas, os Maias queimavam as plantações de milho replantadas semeando com estacas nos mesmos domínios, um método que é impactante para o solo.

Rotas de comércio de seca e mudança são outras possíveis razões para o declínio. É também possível que doenças e decadência social foram outros problemas. A chegada dos espanhóis foi definitivamente um fator.

As esculturas Maias alcançaram sua melhor expressão entre 317 e 987 d.C, quando magníficas pedras esculpidas marcaram os períodos em que o calendário foi feito. Eles eram geralmente pintados de vermelho escuro, mas algumas vezes as cores eram azuis ou outras.

Susan Hallett é escritora premiada e editora, que já escreveu para The Beaver, The Globe & Mail, Wine Tidings e Doctor’s Review, entre muitos outros. E-mail: hallett_susan@hotmail.com

 
Matérias Relacionadas