Publicado em - Atualizado em 17/07/2017 às 16:15

“Maduro foi revogado” em Plebiscito na Venezuela, diz oposição

Opositores contam mais de 7,1 milhões de votos contrários ao governo

Líder opositor venezuelano Julio Borges (ao centro, acenando) (Arquivo ABr)

Líder opositor venezuelano Julio Borges (ao centro, acenando) (Arquivo ABr)

Diante de sete milhões de votos favoráveis à proposta da oposição no plebiscito realizado em Caracas, capital da Venezuela, o presidente da Assembleia Nacional do país, Julio Borges, afirmou que o resultado coloca o presidente Nicolás Maduro quase como “revogado”.

“Com os votos do povo venezuelano, matematicamente Nicolás Maduro está revogado no dia de hoje. Esse era o medo que [ele] tinha do plebiscito revogatório e, por isso, impediu; por isso o governo não quer fazer eleições nunca mais”, afirmou Borges depois que tomou ciência dos desfechos eleitorais.

O opositor garantiu que, apesar dos cidadãos venezuelanos terem contado com um número menor de centros de votação à sua disposição, diferentemente de quaisquer outras disputas nacionais anteriores, a consulta popular foi realizada “com total beleza e confiança”.

“No entanto, o povo superou todos os obstáculos, não somente o de haver menos lugares para votar, mas também superou o medo, superou a violência, superou as ameaças do governo aos funcionários públicos, às pessoas que recebem programas sociais”, continuou Borges.

Com base em 95% da totalidade de votos, a conhecida comissão de fiadores do plebiscito opositor havia declarado, anteriormente, que 7.186.170 de venezuelanos tomaram parte da consulta realizada à margem do poder eleitoral e que ao menos 98% dos eleitores votaram “sim” nas três questões.

“Esperamos o número final que será divulgado [nesta segunda, 17] para que nós possamos ter a certeza de que vamos conseguir a mudança democrática no país”, concluiu.

Leia também:
Forte massa de ar polar avança pelo Brasil
Eleições 2018: Jair Bolsonaro lidera no Rio, aponta pesquisa
Reforma política recebe ‘Emenda Lula’ para blindar candidatos

Todo conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada. Para reproduzir a matéria, é necessário apenas dar crédito ao Epoch Times em Português e para o repórter da matéria.
Leia a diferença. Epoch Times Todos os direitos reservados © 2000-2016