Keanu Reeves tem uma mensagem para a China

Por que se posicionar? Por que colocar em risco sua carreira de ator? Para Reeves, parece haver coisas mais importantes do que dinheiro

Por John Mac Ghlionn 

Comentário

O caso de amor de Hollywood com a China tem sido bem documentado. Mas o caso de amor dos atores de Hollywood com a China não.

Nos últimos anos, atores americanos como Michael Douglas, Michael Pitt, Frank Grillo (que desempenhou um papel de protagonista em “Wolf Warrior 2”, o filme chinês de maior bilheteria da história), Bruce Willis e Adrien Brody, todos contribuíram para o sucesso da narrativa pró-China.

É claro que não se pode discutir atores e narrativas pró-China sem discutir John Cena, um homem que teve a audácia de chamar Taiwan de país. Por esse “passo em falso”, ele pediu desculpas ao Partido Comunista Chinês (PCCh). Profusamente. Em mandarim fluente. Há desculpas, e depois há desculpas. A atuação de Cena foi digna de Oscar.

Felizmente, há um ator que não está interessado em pedir desculpas ao PCCh. Esse homem é Keanu Reeves. Quando se trata da China, ao contrário dos atores mencionados acima, a estrela de “Matrix” claramente escolheu a pílula vermelha sobre a azul.

Nascido em Beirute, Reeves, de 57 anos, não é apenas um ator talentoso. Ele também é um músico talentoso. No dia 3 de março, ele se apresentará no 35º Tibet House US, ao lado de nomes como Patti Smith, Trey Anastasio e Jason Isbell.

Fundada a pedido do Dalai Lama em 1987, a Tibet House é uma organização educacional sem fins lucrativos com sede em Nova Iorque comprometida com a preservação e proteção das antigas tradições de filosofia, arte e cultura do Tibete.

Como mostrei anteriormente, o PCCh está interessado no Tibete por uma razão muito específica – seus recursos naturais. O planalto tibetano, que abriga mais de 46.000 geleiras, possui uma das maiores reservas de água doce do mundo. Conhecida como a “torre de água” da Ásia, cerca de um quarto de bilhão de pessoas, em 10 países diferentes da Ásia – Bangladesh, Camboja, China, Índia, Laos, Birmânia (Mianmar), Nepal, Paquistão, Tailândia e Vietnã – necessitam desta “torre” para água. Não se engane, o PCCh quer controlar o abastecimento de água do continente, daí sua obsessão em controlar o Tibete.

O rio Yarlung Zangbo é visto durante uma visita organizada pelo governo para jornalistas em Linzhi, região do Tibete, na China, no dia 4 de junho de 2021 (Kevin Frayer/Getty Images)
O rio Yarlung Zangbo é visto durante uma visita organizada pelo governo para jornalistas em Linzhi, região do Tibete, na China, no dia 4 de junho de 2021 (Kevin Frayer/Getty Images)

Tomando uma posição

O povo do Tibete está desesperado. Enquanto a maior parte do mundo fica de braços cruzados, Reeves, para seu crédito, está preparado para tomar uma posição. Não surpreendentemente, os chineses estão longe de estarem felizes.

Como o The Hollywood Reporter relatou recentemente, o ator “incorreu na ira” de milhões de nacionalistas chineses. Os “Pequenos Vermelhor”, um grupo de guerreiros digitais jovens, hiper-agressivos e excessivamente jingoístas estão agora sugerindo que Reeves e todo o seu trabalho futuro sejam banidos da China. A estrela de cinema está rapidamente se tornando uma “de fato, uma persona non grata no cenário do entretenimento chinês” – o que torna sua disposição de defender o Tibete ainda mais impressionante.

Valendo algo em torno de US $380 milhões, Reeves não precisa se apresentar. Ele não precisa fazer nada. Mas ele se ofereceu. E isso é algo que vale a pena comemorar.

Afinal, faz muito tempo desde que um verdadeiro peso pesado de Hollywood enfrentou a China. Na verdade, essa tem sido a melhor parte em 30 anos.

Em 1993, Richard Gere, então uma das maiores estrelas de Hollywood, foi manchete em todo o mundo – especialmente na China. No Oscar, Gere subiu ao palco para entregar o prêmio de melhor diretor de arte. Antes de anunciar o vencedor, no entanto, Gere, um budista praticante e amigo de longa data do Dalai Lama, saiu totalmente do roteiro, criticando a ocupação do Tibete pelo PCCh, bem como sua “horrível, horrenda situação de direitos humanos”. Por dizer a verdade, Gere foi punido severamente. O comitê optou por bani-lo de futuros Oscars, uma proibição que existe até hoje.

É claro que Gere pagou um alto preço por sua honestidade. Em 2017, o ator afirmou ao The Hollywood Reporter que havia (e ainda há) “filmes nos quais não posso participar porque os chineses dirão: ‘Não com ele’”. Ele acrescentou: “Recentemente, tive um episódio em que alguém disse que não poderia financiar um filme comigo porque isso incomodaria os chineses”.

Um ano antes desta entrevista bastante deprimente, a musicista Lady Gaga, uma formidável atriz por direito próprio, encontrou-se com o Dalai Lama. Por causa disso, ela se encontra em um barco semelhante ao do Sr. Gere. A artista agora está proibida de realizar turnês ou vender mercadorias na China.

O que nos traz de volta ao Sr. Reeves. Por que se posicionar? Por que colocar em risco sua carreira de ator?

Quando se trata de filmes, o mercado chinês, não esqueçamos, é de longe o maior do mundo. Para Reeves, parece haver coisas mais importantes do que dinheiro. Em 2019, a The New Yorker publicou um artigo interessante, intitulado “Keanu Reeves É Bom Demais Para Esse Mundo”. Após ler o artigo, é difícil não concordar. Ele certamente parece ser bom demais para Hollywood, um lugar cheio de arrogância moral e preocupações superficiais.

Enquanto muitos atores fingem defender algo, Reeves realmente o faz. Por isso, ele merece muito crédito.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas