EXCLUSIVO: preocupado com o constrangimento do PCC nas Olimpíadas, oficial chinês ordena medidas duras para conter a COVID-19

'É anti-humano e é um controle social exigido ao custo de atropelar a vida e a dignidade do povo chinês'

Por Rita Li 

Faltando seis semanas para as Olimpíadas de Pequim, assim como a cidade chinesa de Xi’an estava sob bloqueio total devido a um grave surto da COVID, o principal funcionário da região ordenou que as autoridades dobrassem as duras medidas de contenção – temendo que um aumento nos casos pudesse afetar os Jogos e prejudicar a imagem do regime comunista.

Isso está de acordo com um discurso interno proferido pelo governador da província centro-norte de Shaanxi, cuja capital é Xi’an, no dia 24 de dezembro, cuja transcrição (pdf) foi obtida pelo Epoch Times.

Observando a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim no início de fevereiro, o principal funcionário da província, Zhao Yide, afirmou que a disseminação do surto “criaria o caos na situação geral do país e mancharia a imagem nacional”.

Zhao, em um discurso virtual proferido às autoridades de saúde da região, ordenou que “as medidas mais duras” fossem postas em prática para interromper a transmissão do vírus por Xi’an.

Seu discurso veio um dia após os 13 milhões de moradores da cidade terem sido colocados em isolamento, enquanto as autoridades relatavam os piores números da COVID-19 do país em 21 meses. Esses números oficiais, no entanto, provavelmente não refletem as verdadeiras taxas de infecção, dada a prática do Partido Comunista Chinês de suprimir informações negativas para manter sua imagem.

O discurso de 5.300 palavras do governador concentrou-se no uso de medidas “duras” e “rígidas” para “bloquear a cadeia de transmissão”. Mencionando apenas brevemente a necessidade de garantir o abastecimento diário dos cidadãos, de modo a garantir a “estabilidade geral” da sociedade. Ele não abordou a questão dos cuidados médicos ou do bem-estar dos residentes confinados.

Um membro da equipe recebe um teste de ácido nucleico para a COVID-19, no ginásio de uma empresa em Wuhan, na província central de Hubei, na China, no dia 5 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)
Um membro da equipe recebe um teste de ácido nucleico para a COVID-19, no ginásio de uma empresa em Wuhan, na província central de Hubei, na China, no dia 5 de agosto de 2021 (STR / AFP via Getty Images)

Revolta pública e censura

As duras medidas da cidade, implementadas sob a política “zero COVID” do regime, desde então desencadearam uma onda de raiva e desespero do público, já que os moradores foram às mídias sociais para expressar suas lutas para obter acesso a alimentos e cuidados médicos.

“Já se passaram mais de 20 dias e [autoridades locais] enviaram comida uma vez – apenas uma vez”, escreveu um internauta em um publicação de mídia social, no dia 9 de janeiro, preocupado com seus amigos que também estavam trancados em sua casa.

Como é rotina para eventos que refletem desfavoravelmente sobre o regime comunista, a censura online da China entrou em ação para suprimir esse conteúdo negativo.

A Secretaria Municipal de Agricultura e Assuntos Rurais de Xi’an, em outro documento interno (pdf) obtido pelo Epoch Times, declarou no dia 28 de dezembro que “reforçaria o monitoramento em tempo real da opinião pública durante os Jogos Olímpicos de Inverno e temporadas de férias”, em uma tentativa de “reduzir o impacto negativo”.

No dia 5 de janeiro, alguns moradores receberam um “anúncio importante” no WeChat, uma popular plataforma de mensagens chinesa, avisando que seus grupos de bate-papo estavam sendo monitorados ativamente, de acordo com capturas de tela compartilhadas com a Rádio Free Asia. “Rumores” e vídeos relacionados ao surto foram estritamente banidos dos bate-papos, afirmou o anúncio, acrescentando que qualquer disseminação de “notícias negativas” desencadearia uma suspensão da conta.

Os documentos internos mostram que o governo provincial considerou o sucesso dos Jogos Olímpicos de Inverno como o principal objetivo político, que Pequim prometeu ser “seguro e grandioso”, afirmou o comentarista de assuntos da China Li Linyi à edição em chinês do Epoch Times.

“Quando o Partido Comunista Chinês estava promovendo medidas extremas de prevenção à pandemia, estava pensando na imagem do Partido, e não na vida das pessoas”, declarou ele.

“É anti-humano e é um controle social exigido ao custo de atropelar a vida e a dignidade do povo chinês”, acrescentou.

 Um trabalhador de manutenção caminha por uma seção vazia de arquibancadas perto de um logotipo dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim, no Oval Nacional de Patinação de Velocidade, em Pequim, no dia 10 de outubro de 2021 (Mark Schiefelbein/AP Photo)

Um trabalhador de manutenção caminha por uma seção vazia de arquibancadas perto de um logotipo dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022 em Pequim, no Oval Nacional de Patinação de Velocidade, em Pequim, no dia 10 de outubro de 2021 (Mark Schiefelbein/AP Photo)

Medidas duras

Desde o início do bloqueio no dia 23 de dezembro, os moradores de Xi’an inundaram as mídias sociais com histórias de desespero e dificuldades resultantes das rigorosas medidas de controle da cidade.

Uma mulher grávida abortou do lado de fora de um hospital no dia de Ano Novo após o hospital recusar seus cuidados devido ao resultado negativo para a COVID ser inválido por algumas horas.

Outros abortos espontâneos ocorridos em circunstâncias semelhantes e histórias de pacientes gravemente doentes tendo cuidados negados foram compartilhados nas mídias sociais, atraindo protestos públicos.

“A vida não deveria vir primeiro?” escreveu um internauta no Weibo, plataforma chinesa semelhante ao Twitter.

À medida que a raiva do público aumentava, funcionários do Partido Comunista Chinês emitiram um raro pedido de desculpas público em relação ao caso da mulher. No dia 6 de janeiro, o vice-primeiro-ministro chinês Sun Chunlan afirmou estar “profundamente envergonhado” pelos maus-tratos, enquanto Liu Shunzhi, diretor da comissão de saúde da cidade, curvou-se em desculpas pelo tratamento do caso. O governador Zhao, que fez o discurso anterior, também pediu às autoridades que priorizem a vida e a saúde física das pessoas.

No entanto, no mesmo dia, o regime chinês demitiu um funcionário que criticou as duras medidas de bloqueio das autoridades de Xi’an em um post de mídia social. Ele descreveu casos relatados publicamente de moradores tomando medidas extremas para escapar do bloqueio, incluindo um homem de 31 anos que caminhou no frio por oito dias e noites para voltar para sua cidade natal. A postagem do funcionário foi designada como “rumor” e removida da internet.

Enquanto as autoridades de Xi’an declararam que o surto estava sob controle no dia 5 de janeiro, uma parte dos moradores da cidade ainda está trancada. Alguns moradores recentemente afirmaram ao Epoch Times que foram selados dentro de suas casas com um suprimento cada vez menor de alimentos.

Long Tengyun contribuiu para esta reportagem.

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas