Ex-diretor da CIA: Colapso do Afeganistão é ‘Baía dos Porcos’ de Biden, credibilidade dos EUA está ‘sendo questionada’

Por Jack Phillips

O ex-secretário do Departamento de Defesa do governo Obama e diretor da CIA, Leon Panetta, disse que após o colapso do governo e do exército do Afeganistão , a credibilidade dos Estados Unidos no cenário mundial sofreu um golpe significativo.

Autoridades americanas surpresas no fim de semana lutaram para explicar a rapidez com que o Talibã avançou pelo Afeganistão antes que o grupo tomasse a capital, Cabul, no domingo e declarasse vitória em meio a rendições em massa de oficiais do governo e soldados. Enquanto isso, funcionários do Departamento de Estado dos EUA e da Casa Branca confirmaram que um número significativo de americanos ainda está dentro do Afeganistão enquanto os militares tentam proteger o aeroporto de Cabul para realizar voos de evacuação.

Panetta, um antigo funcionário democrata, criticou a execução da retirada do Afeganistão pelo governo Biden, comparando-a à invasão da Baía dos Porcos em 1961, quando forças cubanas apoiadas pelos EUA tentaram desembarcar em Cuba, mas foram rejeitadas pelo regime comunista.

“De muitas maneiras, penso em John Kennedy e na Baía dos Porcos, sabe?” Panetta disse à CNN na segunda-feira, referindo-se ao então presidente John F. Kennedy. “Foi muito rápido e o presidente achou que ia dar tudo certo e não foi o caso. Mas o presidente Kennedy assumiu a responsabilidade pelo que aconteceu. ”

Leon Panetta, ex-diretor da Agência Central de Inteligência e Secretário de Defesa (Kevork Djansezian / Getty Images)

“Recomendo veementemente ao presidente [Joe] Biden que assuma a responsabilidade e admita os erros que foram cometidos”, acrescentou o ex-chefe do Pentágono.

Em meio à campanha bem-sucedida do Talibã e à captura de Cabul, Biden, a vice-presidente Kamala Harris e outros porta-vozes da Casa Branca, incluindo Jen Psaki, permaneceram em silêncio. Biden divulgou um comunicado no fim de semana que, em parte, culpou o colapso do governo afegão nas negociações do ano passado que foram mantidas pelo governo Trump e pelo Talibã em Doha.

Biden tem enfrentado críticas significativas de legisladores republicanos e democratas, bem como de ex-generais dos EUA, por seu silêncio sobre o assunto.

Panetta disse que Biden precisa deixar claro que é o comandante-chefe das Forças Armadas dos Estados Unidos.

“Passamos alguns dias difíceis aqui no Afeganistão, e ele precisa deixar claro para o povo americano que, como comandante-em-chefe, ele continuará a proteger nossa segurança nacional e que iremos atrás de terroristas onde quer que diabos eles estejam ”, acrescentou o ex-chefe da CIA.

Biden, disse ele, tem “de garantir que os Estados Unidos da América permaneçam um líder mundial forte que possa trabalhar com nossos aliados para tentar proteger a paz e a prosperidade”, acrescentando: “Essa é a mensagem que ele tem a dar ao povo americano e o mundo, porque a nossa credibilidade agora está sendo questionada. ”

O Epoch Times entrou em contato com a Casa Branca para comentar o assunto.

Entre para nosso canal do Telegram

Siga o Epoch Times no Gettr

 
Matérias Relacionadas