EUA garantem que “ninguém espera” que as eleições na Venezuela sejam “livres e justas”

Por VOA

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, garante que “ninguém espera” que as eleições regionais a serem realizadas em 21 de novembro sejam livres e justas, mas mostram o caminho a seguir para a Venezuela “retornar” à democracia.

“Ninguém aqui espera que seja uma eleição livre e justa (…) mas é por isso que acredito que a participação de certos grupos (…) é uma oportunidade, não para validar uma eleição roubada, mas para demonstrar à comunidade internacional todo o caminho que devemos avançar para que a Venezuela volte a ser um país democrático ”, garantiu à Voz da América o assessor para assuntos hemisféricos da Casa Branca, Juan González, ao ser questionado sobre as eleições de domingo.

González sublinhou que “vamos vê-los de muito perto”. “Não se espera que seja um exercício de democracia, mas sim que nos dê um bom sinal do trabalho que tem de ser feito”, acrescentou.

Na mesma linha, um porta-voz do Departamento de Estado indicou em um comentário à VOA que, não importa o que aconteça em 21 de novembro, o regime de Nicolás Maduro “impediu uma disputa justa que atenda aos padrões internacionais básicos”.

Menciona “ações não democráticas”, como impedir que os candidatos concorram, perseguir e deter oponentes e restringir o acesso da oposição à mídia. “Juntas, essas ações tornam impossível a realização de eleições que reflitam a vontade popular”, disse o porta-voz.

Da mesma forma, indicou que os “candidatos democráticos” não veem as eleições como um “fim em si”, mas, como lhes foi dito, como “uma oportunidade de organização e mobilização”. Nesse sentido, ele afirma que sua participação “não legitima estas eleições nem o regime de Maduro”.

“Eles e os eleitores democráticos participantes defenderão e buscarão ampliar os pequenos espaços democráticos que ainda restam na Venezuela. Temos que respeitar sua coragem e compromisso ”, disse o porta-voz à Voice of America.

Nessas eleições, serão eleitos 23 governadores e 335 prefeitos, entre outros cargos.

O líder venezuelano Nicolás Maduro pediu aos venezuelanos que votem. “Mais uma vez o povo venezuelano dará uma lição de democracia para todo o mundo”, publicou na sexta-feira em sua conta no Twitter.

 

Entre para nosso canal do Telegram

Assista também:

 
Matérias Relacionadas