Estudo denuncia suposto trabalho forçado em empresas de energia solar em Xinjiang

Por Agência EFE

Muitas das empresas que fabricam e fornecem componentes para construir painéis solares em Xinjiang (China) exploram seus trabalhadores minoritários, como os uigures e outros grupos minoritários na região, com trabalho forçado, de acordo com um estudo divulgado nesta sexta-feira.

A pesquisa, realizada por acadêmicos da Universidade Britânica de Sheffield, e intitulada ‘In Broad Daylight: Uyghur Forced Working and Global Solar Power Supply Chain’, fornece centenas de evidências que destacariam a prática de trabalho forçado por trás da criação do elementos com os quais essas empresas abastecem o resto do mundo para gerar energia limpa.

As autoridades chinesas sempre negaram estar cometendo qualquer tipo de violação dos direitos humanos em Xinjiang.

De acordo com o estudo, “a demanda global por energia solar tem incentivado as empresas chinesas a darem o seu melhor para tornar nossa responsabilidade climática o mais barata possível, mas ela tem um alto custo para os trabalhadores que operam na fonte de energia na cadeia de Suprimentos” .

Trabalhadores da construção civil instalam painéis solares na Usina Solar de Hami em 22 de agosto de 2011 em Hami, região autônoma de Xinjiang Uyghur, China (VCG / VCG via Getty Images)

Laura Murphy, professora de escravidão contemporânea e direitos humanos do Centro Helena Kennedy para Justiça Internacional da citada universidade britânica e coautora do estudo, morou naquela região chinesa por 19 anos.

O referido texto traz evidências extraídas, afim de determinar se havia trabalho forçado em suas cadeias de abastecimento. de alguns desses trabalhadores, comunicações governamentais, reportagens na mídia, mensagens postadas em redes sociais, relatórios industriais e imagens captadas com satélite em mais de 30 empresas que fabricam produtos para o desenvolvimento da energia solar.

De acordo com esses acadêmicos, as empresas de painéis solares que operam naquela região da China criam “energia verde consumindo carvão barato e emitindo dióxido de carbono”.

Além disso, lamentam que essas empresas “sacrifiquem condições decentes de trabalho”.

O estudo indica que as autoridades chinesas colocam milhões de uigures e outras minorias de Xinjiang em programas em fazendas e fábricas com as quais supostamente treinam essas populações e que, segundo o regime, são voluntários e voltados para o combate à pobreza.

No entanto, o relatório observa que há evidências de que existe um “ambiente de coerção sem precedentes” para essas populações minoritárias.

Os autores indicam que “muitos trabalhadores indígenas não podem recusar ou abandonar esses empregos” e acrescentam que esses programas “equivalem a transferências forçadas de população e escravidão”.

Também consideram que é “fundamental examinar quais bens estão sendo produzidos em decorrência desse regime de trabalho forçado”, focado, neste caso, na indústria de energia solar.

Entre para nosso grupo do Telegram.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas