Congressista democrata diz que ajudou migrantes a entrar nos Estados Unidos

"Eu fui capaz de intervir e garantir que eles pudessem simplesmente se apresentar para o asilo nos Estados Unidos"

Por Zachary Stieber

Uma congressista democrata disse que ajudou alguns imigrantes a entrar nos Estados Unidos no fim de semana.

O pronunciamento veio na medida em que parte da caravana de imigrantes, composta majoritariamente de homens em idade de luta, foi transferida de Tijuana para uma cidade mais distante da fronteira.

A representante democrada de Washington, Pramila Jayapal, disse que ajudou cinco imigrantes a entrar nos Estados Unidos.

Ela disse que dois eram o que se denomina menores desacompanhados – ou pessoas que dizem ter menos de 18 anos e que não estão viajando com nenhum dos pais – , um jovem “com uma condição médica séria” e uma mãe e seu filho de 9 anos de idade.

Não está claro como ela conseguiu exatamente colocar os imigrantes para dentro do país, mas ela disse que inicialmente eles foram impedidos de entrar.

Migrantes voltam para o acampamento depois de uma tentativa fracassada de invadir a fronteira dos EUA e entrar ilegalmente, a oeste da travessia de San Ysidro, em Tijuana, México, em 25 de novembro de 2018. A cerca no fundo não é a fronteira, é uma cerca secundária no lado do México (Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times)
Migrantes voltam para o acampamento depois de uma tentativa fracassada de invadir a fronteira dos EUA e entrar ilegalmente, a oeste da travessia de San Ysidro, em Tijuana, México, em 25 de novembro de 2018. A cerca no fundo não é a fronteira, é uma cerca secundária no lado do México (Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times)

“Eu fui capaz de intervir e garantir que eles pudessem simplesmente se apresentar para o asilo nos Estados Unidos”, disse ela no Twitter.

Cerca de 90% dos migrantes que tentam reivindicar asilo nos Estados Unidos são rejeitados porque muitas vezes não atendem aos requisitos de asilo. Um número exorbitante de reclamações levou a um enorme atraso nos tribunais federais, já que os migrantes são instruídos por coiotes, advogados e outros a se candidatar, mesmo que obviamente não atendam aos critérios.

Jayapal disse que ela foi assistida pela ONG Al Otro Lado (“Para o outro lado”), que tem ido ao encontro de migrantes para dar conselhos, de acordo com o Epoch Times.

A diretora de contencioso da organização, Erika Pinheiro, disse aos migrantes em Tijuana, em 19 de novembro, que até os migrantes que foram deportados e cometeram crimes poderiam ser elegíveis para “retenção de remoção” ou permissão de trabalho.

Rep. Pramila Jayapal (D-Wash.) Dos EUA em uma coletiva de imprensa em frente a um Centro de Detenção Federal de mulheres migrantes em SeaTac, Washington, em 9 de junho de 2018 (Karen Ducey / Getty Images)
Pramila Jayapal, congressista democrata de Washington,  discursa em uma coletiva de imprensa em frente a um Centro de Detenção Federal de mulheres migrantes em SeaTac, Washington, em 9 de junho de 2018 (Karen Ducey / Getty Images)

Jayapal disse que um intérprete da Human Rights First também estava envolvido.

Jayapal voou até a fronteira em 30 de novembro para se juntar à caravana, disse ela a Politico. Ela alegou, sem provas, que o presidente Donald Trump “criou a crise na fronteira”, indicando que toda a caravana deveria entrar no país.

Autoridades federais disseram que há centenas de criminosos condenados na caravana, incluindo membros de gangues. Um migrante admitiu que era membro da gangue MS-13 e foi capturado na Califórnia depois de atravessar ilegalmente a fronteira. Dezenas de migrantes que conversaram com agências de notícias admitiram ter sido deportados e alguns admitiram ter cometido crimes que provocaram as deportações, incluindo dirigir sob influência e tentativa de homicídio.

As caravanas de migrantes também receberam asilo no México, mas a maioria dos migrantes recusou-se a aceitar a oferta e continuou viajando até chegar à fronteira dos Estados Unidos.

Jayapal faz parte de um grupo radical de democratas que ganhou mais poder e influência dentro do partido nos últimos anos. Ela pediu a abolição da agência de Imigração e Alfândega.

Migrantes atravessam a cerca da fronteira dos Estados Unidos logo depois da entrada leste de pedestre da travessia de San Ysidro, em Tijuana, México, em 25 de novembro de 2018 (Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times)
Migrantes escalam a cerca da fronteira dos Estados Unidos logo depois da entrada leste de pedestre da travessia de San Ysidro, em Tijuana, México, em 25 de novembro de 2018 (Charlotte Cuthbertson / The Epoch Times)

O deputado Matt Gaetz (R-Fla.) Estava entre os que criticaram as ações de Jayapal, afirmando no Twitter: “Pramila Jayapal é uma pessoa muito bem estudada; agradável de se conviver. Mas o fato dela se juntar à caravana como uma espécie de “coiote congressista” é loucura!

Nem todos os democratas se opunham às ações da administração Trump na fronteira. O deputado Henry Cuellar, um democrada do Texas, disse que apoiou o uso de gás lacrimogêneo pelos Estados Unidos para dispersar a multidão de imigrantes que invadiram a fronteira em 25 de novembro.

“Se começarem a atirar pedras, e eu as vi sendo atiradas ali – se você tiver 100 pessoas correndo, seja qual for o número, e você tiver menos policiais da CBP de Patrulha de Fronteira … você vai usar gás lacrimogêneo. Você vai se defender – especialmente se eles estão atirando pedras ”, disse Cuellar ao site conservador Daily Caller.

“Eu permaneço com a Patrulha de Fronteira em sua resposta porque eu tenho estado em contato constante com eles por anos. As famílias não deveriam estar lá, especialmente quando viram o que estava acontecendo. Eles deveriam ter levado seus filhos para longe disso.

NTD News

 
Matérias Relacionadas