Austrália fará exercício militar com EUA em plena tensão com a China

Por Agência EFE

A Austrália participará novamente, depois de mais de uma década, dos exercícios militares do “Malabar”, ao lado dos Estados Unidos, Índia e Japão em novembro, em meio a crescentes tensões diplomáticas e comerciais entre Canberra e Pequim.

Manobras como a de Malabar são “críticas para aprimorar as capacidades marítimas da Austrália, criando interoperabilidade com nossos parceiros próximos e demonstrando nossa determinação coletiva em apoiar um Indo-Pacífico aberto e próspero”, disse a ministra da Defesa australiana, Linda Reynolds, em um comunicado.

As manobras, que começaram em 1992 como uma atividade bilateral entre Washington e Delhi, reúnem neste ano quatro potências indo-pacíficas, onde persistem as preocupações com a militarização da China e as disputas territoriais entre os países da região.

Reynolds, que se encontrou com seu homólogo japonês Nobuo Kishi em Tóquio na segunda-feira, expressou sua “forte oposição a qualquer ação unilateral coercitiva ou desestabilizadora que possa alterar o status quo ou aumentar as tensões no Mar da China Oriental”.

Da mesma forma, a ministra australiana indicou que se opõe a qualquer tentativa de modificar o status quo do Mar da China Meridional e reafirmou a importância da livre navegação na região estratégica em termos militares e comerciais, sem mencionar abertamente Pequim.

O Executivo de Canberra acredita que a participação em Malabar “fortalecerá a capacidade da Índia, Austrália, Japão e Estados Unidos de trabalharem juntos para manter a paz e a estabilidade em toda a nossa região”, disse Marise Payne, Ministra Itamaraty do país oceânico, em comunicado com Reynolds.

A Austrália participou pela última vez em 2007 no Malabar, que havia sido descrito por Pequim como exercícios de uma “coalizão anti-China”, após forte pressão sobre o governo trabalhista de Kevin Rudd para manter relações com o gigante asiático, seu maior parceiro comercial.

Este ano, as relações entre Pequim e Canberra ficaram ainda mais tensas depois que a Austrália lançou uma investigação independente sobre a origem da pandemia do vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), também conhecido como o novo coronavírus, a China, por sua vez, suspendeu ou aumentou as tarifas sobre vários produtos importados do país oceânico.

Da mesma forma, as recentes leis contra espionagem e interferência em assuntos internos na Austrália também contribuíram para irritar Pequim, que mantém uma relação tensa com Canberra sobre questões relacionadas aos direitos humanos e liberdade de imprensa.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

 
Matérias Relacionadas