‘América precisa liderar o mundo’ para acabar com a perseguição ao Falun Gong, afirma Pompeo

Por Eva Fu

Os Estados Unidos devem ajudar a pôr fim à “horrível” perseguição ao Falun Gong pelo regime chinês para que os adeptos possam exercer a liberdade de crença, disse o ex-secretário de Estado Mike Pompeo enquanto a campanha brutal de Pequim marca seu 22º ano.

Pompeo falou com a NTD, uma mídia irmã do Epoch Times, na véspera do aniversário do início da perseguição.

“Com relação ao Falun Gong”, disse ele, “a ausência de liberdade religiosa na China é horrível, é trágica, já se prolongou por muito tempo e os Estados Unidos precisam liderar o mundo para garantir que essas pessoas tenham a oportunidade de praticar sua fé da maneira que querem.”

Os praticantes do Falun Gong participam de um desfile que marca o 22º aniversário do início da perseguição ao Falun Gong pelo regime chinês, em Washington em 16 de julho de 2021 (Samira Bouaou / The Epoch Times)

O Falun Gong, uma disciplina de meditação que defende os valores de “verdade, compaixão e tolerância”, foi introduzido pela primeira vez no norte da China em 1992 e ganhou amplo apelo entre o público chinês por seus benefícios à saúde. No entanto, ameaçado por sua popularidade, o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou uma campanha de erradicação contra o Falun Gong em 20 de julho de 1999.

Todo o aparato estatal se voltou contra os adeptos da prática, que, segundo estimativas oficiais, eram de 70 a 100 milhões na época.

Os praticantes nas últimas duas décadas se tornaram alvos de prisão prolongada, trabalho escravo, tortura, abuso psiquiátrico e sexual e extração forçada de órgãos por persistirem em sua fé.

Em conexão com o aniversário de 20 de julho, pelo menos 15 legisladores dos EUA emitiram cartas, proclamações ou mensagens de vídeo em apoio ao Falun Gong, bem como uma coalizão internacional de políticos de 20 países. O Departamento de Estado também pediu ao PCC para “ cessar imediatamente ” sua longa campanha e libertar todos os adeptos presos.

“Ninguém deveria ser preso, torturado, ou pior, simplesmente por que escolhem praticar a sua religião”, o senador Bob Menendez (DN.J.), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, disse em um comunicado.

A deputada Vicky Hartzler (R-Mo.) descreveu o tratamento dado pelo regime aos praticantes do Falun Gong como “injusto”.

“É realmente uma violação dos direitos humanos no mais alto nível”, escreveu Hartzler em uma carta.

Em relação ao crime de extração forçada de órgãos, Hartzler observou que uma  resolução da Câmara de 2016 (H.Res. 343) condenando a prática terrível foi “um passo na direção certa”. Mas “mais precisa ser feito”, disse ela. A congressista é um dos 17 legisladores que patrocinaram a Lei de 2021 para a Colheita Forçada de Órgãos (HR 1591) para combater o problema.

Praticantes do Falun Gong participam de um desfile que marca o 22º ano da perseguição ao Falun Gong na China, em Brooklyn, NY, em 18 de julho de 2021 (Chung I Ho / The Epoch Times)

O senador Marco Rubio (R-Fla.) divulgou um comunicado em 20 de julho “em comemoração às vítimas” sob a perseguição contínua ao Falun Gong.

“O PCC deteve praticantes do Falun Gong e, em alguns casos, várias vezes, em centros de ‘transformação através da reeducação’ – uma prévia do internamento em massa em curso e atos de genocídio contra uigures e outros muçulmanos em Xinjiang”, disse ele.

A perseguição continuou inabalável em meio à pandemia, com cerca de 9.500 adeptos sofrendo assédio policial, prisões ou batidas policiais durante o último semestre, de acordo com o Minghui.org, um site dos EUA dedicado a documentar a perseguição.

A repressão chegou perto de casa para aqueles que têm família na China.

Praticantes do Falun Gong em uma vigília comemorativa do 22º aniversário da perseguição na China, em Los Angeles, em 18 de julho de 2021 (Cortesia de Debora Cheng)

Deng Cuiping, da província de Yunnan, mãe de outro residente da Flórida, foi presa em 2016 junto com outros quatro praticantes por compartilhar materiais informativos sobre a perseguição. Deng, que estava presa há três anos e foi demitida da escola primária onde lecionava, atualmente cumpre uma pena de seis anos após ter sido detida por oito meses sem julgamento.

“Os praticantes do Falun Gong, como minha mãe, são sinceros e gentis e nunca machucam ninguém. Por que eles têm que desistir de seis anos de suas vidas ou mais apenas para defender sua consciência e crença? ” disse a filha de Deng, Iris Lu Wanqing, contadora em Temple Terrace, Flórida, ao Epoch Times em 2019.

Vários legisladores também destacaram os valores fundamentais promovidos pela prática. Sean Patrick Maloney (DN.Y.), em uma proclamação do Congresso para “honrar as práticas pacíficas do Falun Dafa”, disse que os ensinamentos da prática “unem culturas, nacionalidades, raça, gênero e idade” que “contribuem para uma vida mais saudável e uma sociedade mais harmoniosa. ”

“Nosso mundo certamente seria mais pacífico se centrássemos esses valores em nossas vidas diárias”, disse o deputado Dean Phillips (D-Minn.).

“Se permanecermos calados diante dessas transgressões, negligenciaremos esse imperativo moral e o faremos com perigo à sociedade civil”, disse ele em um discurso pré-gravado.

Siga Eva no Twitter: @EvaSailEast

Entre para nosso canal do Telegram.

Siga o Epoch Times no Gab.

Veja também

 
Matérias Relacionadas