Xi Jinping e a líder de HK Carrie Lam na lista de predadores da liberdade de imprensa em 2021

Por Frank Yue

A Repórteres Sem Fronteiras (RSF) publicou a lista  de predadores da liberdade de imprensa de 2021, que identifica 37 chefes de estado ou governo que implementam restrições à reportagem de notícias. A lista inclui o líder chinês Xi Jinping e a executiva-chefe de Hong Kong, Carrie Lam, um sinal da deterioração da liberdade de imprensa na China comunista e em Hong Kong.

A China está classificada em 177º lugar entre os 180 países e regiões do Índice de Liberdade de Imprensa Mundial de 2021 da RSF, pouco melhor do que o Turcomenistão, a Coréia do Norte e a Eritreia. Hong Kong está na 80ª posição.

RSF fornece um perfil para cada predador, descrevendo seu comportamento opressor.

No caso de Xi Jinping, a RSF acusa a China de Xi de ser “o maior capturador mundial de defensores da liberdade de imprensa, com mais de 115 detidos em 2021, muitas vezes em condições que representam uma ameaça às suas vidas”.

A publicação observa que jornalistas cujas reportagens não se enquadram na narrativa do regime são frequentemente mantidos em vigilância residencial em um local designado (RSDL), um eufemismo para detenção incomunicável em uma das “prisões negras” da China, onde os detidos correm o risco de serem torturados.

Desde que chegou ao poder em 2013, Xi apertou ainda mais a censura do regime comunista chinês, “restaurando, em apenas alguns anos, uma cultura de mídia comparável à era maoísta”, disse RSF.

O presidente chinês Xi Jinping é aplaudido por delegados usando máscaras protetoras ao chegar na abertura do Congresso Nacional do Povo no Grande Salão do Povo em Pequim, China, em 22 de maio de 2020 (Kevin Frayer / Getty Images)

Em 19 de fevereiro de 2016, Xi deu uma conferência sobre a imprensa e o trabalho de opinião do PCC em Pequim, depois de inspecionar os três principais veículos da mídia estatal: o Diário do Povo, a Agência de Notícias Xinhua e a Televisão Central da China (CCTV).

“Os meios de comunicação dirigidos pelo Partido e pelo governo são frentes de propaganda e devem ter o Partido como sobrenome”, enfatizou Xi. “Eles [jornalistas] devem amar o Partido, protegê-lo e alinhar-se estreitamente com a liderança do Partido em pensamento, política e ação.”

Repórteres estrangeiros na China também enfrentam ameaças e intervenções quando mostram interesse no que o PCC considerou assuntos delicados, incluindo violações de direitos humanos na região de Xinjiang.

Em 23 de março, John Sudworth, correspondente da BBC China, foi forçado a deixar a China continental com sua família por preocupações com a segurança, depois de morar na China por nove anos.

“Quando estávamos saindo, fomos seguidos por um policial à paisana no saguão de embarque do aeroporto”, disse o premiado jornalista à  BBC World News.

Os primeiros oito denunciantes – todos médicos, incluindo Li Wenliang, que morreu do vírus do PCC – expuseram a notícia em grupos de bate-papo nas redes sociais privadas e receberam um aviso administrativo da polícia local.

Os jornalistas cidadãos Zhang Zhan, Chen Qiushi, Fang Bin e Li Zehua que buscavam a verdade em Wuhan foram detidos e silenciados um após o outro, com Zhang ainda preso e Fang desaparecido.

Consequentemente, a infecção se espalhou internamente e globalmente, e causou 4 milhões de mortes, de acordo com o site norte-americano  Worldometer .

Esta é a primeira vez que o nome da líder de Hong Kong, Carrie Lam, aparece na lista de predadores da liberdade de imprensa.

RSF critica Lam por apoiar abertamente as políticas predatórias de Xi em relação à mídia desde 2017, marcando-a como fantoche do líder chinês.

Foi sob sua liderança que as autoridades de Hong Kong prenderam o fundador do Apple Daily, Jimmy Lai, laureado pela liberdade de imprensa da RSF em 2020, alegando preocupações com a segurança nacional.

Eles congelaram os ativos do principal jornal independente da cidade, o que paralisou financeiramente o veículo e causou seu fechamento em 24 de junho de 2021.

Além disso, pelo menos cinco executivos do Apple Daily foram presos sob acusações semelhantes de violação da lei de segurança nacional de Hong Kong.

 
Matérias Relacionadas