Venezuela está se abrindo para o ‘espírito altamente totalitário’ do regime chinês, diz deputado

A interferência da China está minando a tomada de democracia na Venezuela

Por Eduardo Tzompa

Em meio à pandemia do COVID-19, a Venezuela está se abrindo cada vez mais para o “espírito altamente totalitário” do Partido Comunista Chinês, que desempenhou um papel mais incisivo e sistemático contra autoridades que defendem a democracia no país, disse um deputado venezuelano da Assembleia Nacional em entrevista exclusiva ao Epoch Times.

Em 12 de maio, o regime de Maduro havia relatado uma suposição de 423 casos confirmados do vírus do PCC e apenas 10 mortes. No entanto, a Academia Venezuelana de Ciências Físicas, Matemáticas e Naturais contradisse as estatísticas da ditadura em seu último relatório, projetando um pico da pandemia em junho com 4.000 novos casos diariamente e em setembro com 1.000.

“A pandemia da COVID-19 chegou à Venezuela no pior momento de sua história”, disse Armando Armas, presidente da Comissão Permanente de Política Externa da Assembleia Nacional, ao Epoch Times, lembrando como a Venezuela costumava ser um país de destaque na área de saúde pública, mas nos últimos 20 anos sofreu a destruição de todas as suas instituições.

Agora, Armas estima que a Venezuela tenha cerca de 100 camas com ventiladores entre instituições públicas e privadas, em um país com mais de 28 milhões de habitantes. “Aqui estamos falando de uma bomba-relógio entre uma crise humanitária e uma emergência humanitária complexa que já estava acontecendo na Venezuela (…) É uma crise dentro de uma crise”, acrescentou o deputado venezuelano.

O presidente da Comissão Permanente de Política Externa da Assembléia Nacional, Armando Armas (Cortesia: Armando Armas)
O presidente da Comissão Permanente de Política Externa da Assembleia Nacional, Armando Armas (Cortesia: Armando Armas)

Venezuela está “perdendo seu papel” diante do PCC

As relações entre o regime venezuelano e o Partido Comunista Chinês (PCC) são “históricas”, disse Armas, remontando à época de Hugo Chávez, quando Maduro era chanceler.

“Obviamente [agora] esses relacionamentos se firmaram. Posso dizer-lhe que dos mais de 400 tratados internacionais assinados com a República Popular da China, apenas 84 são conhecidos. Há muita opacidade”, afirmou.

Um relatório da Transparency Venezuela, organização que luta contra a corrupção, apontou que esses acordos foram assinados entre 1999 e 2019 durante os regimes dos líderes chineses Jiang Zemin, Hu Jintao e Xi Jinping; e que até agora apenas as informações completas de 62 delas são conhecidas. Os tratados assinados com o regime chinês tratam de diferentes assuntos, como telecomunicações, eletricidade, mineração, comércio, saúde, tecnologia, questões aeroespaciais, entre outros.

No entanto, esta questão não é tão estranha ao deputado da Assembleia Nacional.

Em novembro de 2018, a Reuters relatou uma queixa contra a empresa chinesa ZTE, que aconselhou o regime Maduro em 2017 a desenvolver e implementar o cartão do país como um sistema de controle social.

O projeto foi inspirado no programa nacional de identidade do PCC, que rastreia o comportamento social, político e econômico dos cidadãos. Isso permite que o regime controle tudo, desde as finanças pessoais de um cidadão até seu histórico médico e atividade eleitoral.

“O cartão do país é um mecanismo de espionagem altamente invasivo à privacidade dos dados dos venezuelanos e que representa o ‘apartheid‘ político da melhor maneira possível”, disse Armas, observando que aqueles que não têm cartão na Venezuela não podem acesso a alimentos ou benefícios sociais. O deputado disse que esse mecanismo pode ser visto da mesma maneira na China continental”, com um sistema de pontuação social em que aqueles que o regime detectar como pessoas dissidentes ele irá retirar a possibilidade de acessar o crédito público ou [restringi-lo]”.

“Este é um sistema de controle social que está sendo testado ao máximo na Venezuela”, acrescentou.

Em dezembro de 2018, os senadores dos EUA também alertaram o governo Trump de que a ZTE estava ajudando o regime Nicolás Maduro com táticas de vigilância chinesas sobre a população. Eles também observaram que o sistema na Venezuela havia sido construído com componentes da Dell Technologies nos Estados Unidos, o que havia alarmado os senadores.

Ele lamentou que a Venezuela esteja “perdendo um pouco seu papel” em relação ao regime chinês, já que os tratados com o PCC não são apenas econômicos, mas também militares. O deputado disse que Diosdado Cabello, o número dois da ditadura de Maduro, anunciou recentemente que estava conversando com altos funcionários do regime chinês.

Armas também observou que a China e o Irã terão o controle de certas refinarias e instalações críticas na Venezuela, de acordo com informações recentemente fornecidas ao deputado; e que a interferência da China está minando a tomada de democracia na Venezuela.

“A embaixada chinesa na Venezuela recentemente teve um trabalho mais incisivo e sistemático contra aqueles que representam a legitimidade democrática na Venezuela”, disse Armas, acrescentando que, infelizmente, o país está “se abrindo um pouco mais ao espírito do Partido Comunista Chinês, que é um espírito vocacional altamente totalitário”.

Nicolás Maduro (R) e o líder do regime chinês Xi Jinping (3-direita) durante uma cerimônia de assinatura de acordos, em Caracas, em 21 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)
Nicolás Maduro (R) e o líder do regime chinês Xi Jinping (3-direita) durante uma cerimônia de assinatura de acordos, em Caracas, em 21 de julho de 2014 (LEO RAMIREZ / AFP / Getty Images)

Censura e assédio durante a pandemia

O deputado venezuelano disse que os regimes comunistas de Cuba, China e Venezuela compartilham níveis muito baixos de transparência na comunicação durante a pandemia, quando na verdade a primeira coisa a ser abordada é “informações eficientes, oportunas e verdadeiras”.

Referindo-se particularmente à China, onde se originou o surto do vírus do PCC, Armas disse que a falta de liberdade de expressão foi terrível para a população chinesa e que a pandemia poderia ter sido evitada “com o manuseio correto das informações, com transparência, com medidas muito mais abertas (…) Infelizmente, não foi esse o caso, e hoje estamos sofrendo as consequências”.

“O caso do Dr. Li Weiliang é totalmente um caso emblemático de como fingir reduzir o direito à informação e censurar a informação; algo que é vida ou morte agora”. Li Wenliang, um oftalmologista de 34 anos do Hospital Central de Wuhan, foi uma das primeiras pessoas a divulgar informações sobre o surto em Wuhan.

Armas também enfrenta perseguição pelo regime em seu país.

Em 2017, houve um ataque ao Parlamento no dia da independência da Venezuela por chavistas, onde eles atingiam sua cabeça. Recentemente, devido à pandemia, ele e 86 pessoas receberam ameaças por expressar sua opinião ou emitir informações relacionadas à COVID-19 na Venezuela, de acordo com um relatório de janeiro da Coalizão de Direitos Humanos e Democracia.

“O que a pandemia do COVID-19 fez foi fortalecer a perseguição e intimidar a dissidência na Venezuela”, afirmou.

Por outro lado, os recentes incidentes ocorridos nas prisões de Guanare e Mérida, onde várias ONGs relataram protestos de prisioneiros para exigir comida e assistência médica, Armas disse que “é uma situação de anos de aniquilação da população”.

“Devemos ter em mente que esta é uma ditadura de ferro, não como qualquer ditadura latino-americana que tivemos em nosso continente. É algo semelhante ao que eram a ditadura da Europa Oriental e da União Soviética, mas adicionalmente com o elemento criminoso muito marcado, o narcoterrorista criminal”.

No entanto, o deputado destacou que a comunidade internacional está cada vez mais consciente do “conglomerado criminoso” que o regime Maduro representa e disse que as medidas para congelar os ativos do regime chavista são algo positivo para os venezuelanos.

“Devemos distinguir que isso não é uma sanção para o país, é uma medida de proteção para os venezuelanos e o futuro dos venezuelanos, de que precisaremos de todos esses ativos para canalizar o país assim que recuperarmos a democracia”, acrescentou.

Ao longo dos 14 anos em que Hugo Chávez permaneceu no poder, o socialismo na Venezuela foi introduzido em etapas. O líder venezuelano primeiro concentrou seus esforços em ganhar o controle das instituições e mudar a constituição. Ao mesmo tempo, promulgou leis contra o setor privado e ficou encarregado de nacionalizar as operações locais dos setores considerados essenciais, como telecomunicações, mineração, petróleo e eletricidade.

Atualmente, a Venezuela está passando por uma crise política e econômica com uma hiperinflação devastadora que levou a uma grave escassez de alimentos e medicamentos. O programa mundial de alimentos da ONU revelou que 1 em cada 3 venezuelanos enfrenta condições de fome no país afetadas pelas políticas de socialismo implementadas pelo regime chavista.

“Segundo Marx e Engels, o socialismo é o estágio pré-comunista. Aqueles que tentaram esse modelo infligiram fome, desespero, morte e perseguição em diferentes sociedades no passado. Atrocidades que, embora muitas delas estejam documentadas, aparentemente não penetraram no nível de consciência da humanidade como deveriam”, afirmou o deputado venezuelano.

“O socialismo é a cepa de um vírus político chamado comunismo. Um vírus do século 20 que sobreviveu inexplicavelmente até o século 21, mesmo depois de encontrar o tratamento: democracia liberal. Mas, assim como os vírus evoluem, o tratamento deles também deve”, acrescentou.

Apoie nosso jornalismo independente doando um “café” para a equipe.

Veja também:

O Método do PCC

 

 
Matérias Relacionadas