Venezuela enfrenta nova onda de apagões em todo o país

Por Luke Taylor, Especial para o The Epoch Times

BOGOTÁ, Colômbia – Milhões de venezuelanos foram mais uma vez mergulhados nas trevas nesta semana devido aos apagões em todo o país, a mais recente lembrança das profundezas da prolongada crise econômica e política de seu país. O regime venezuelano afirma que a rede nacional está sendo sabotado, mas especialistas afirmam que a corrupção desenfreada e a má administração estão causando as falhas de energia.

Luzes se apagaram em Caracas às 4 da tarde de 22 de julho, a primeira vez que a capital foi atingida desde março deste ano. O metrô parou, as torneiras secaram e as principais bases militares ficaram no escuro quando a iluminação de emergência falhou. Canais de TV estatais, geralmente um porta-voz confiável de 24 horas para o regime de Nícolas Maduro, também estavam fora do ar, informaram agências.

As autoridades foram rápidas em fazer comentários, com o ministro das Comunicações e Informação, Jorge Rodriguez, declarando na televisão, três horas depois, que as represas hidrelétricas no sul do país foram atingidas por um “ataque eletromagnético”.

Em um comunicado de imprensa oficial, o governo disse que devido a “atos de sabotagem” anteriores, estava pronto para lidar com a situação “no menor tempo possível”.

Maduro acusou os Estados Unidos de orquestrar um apagão de uma semana que causou o caos em março.

Especialistas no setor de energia do país, no entanto, alegam que o anúncio do governo é outra desculpa para sua própria incompetência e corrupção.

“Esta é uma estratégia repetida e totalmente não credível”, disse José Aguilar, consultor de energia e especialista em energia dos Estados Unidos. “Algo acontece e é sempre culpa de outra pessoa, ‘o império do mal dos Estados Unidos’, mas eles não mostram provas, justificam o injustificável”.

Aguilar disse que, embora o regime de Maduro tente se manter de boca fechada sobre o estado da infraestrutura elétrica – não liberando informações na rede nacional por quase nove anos -, as informações continuam a escassear, mostrando falta de recursos, gerenciamento e pessoal qualificado para lidar com a crise crescente.

Como as usinas de combustíveis fósseis falharam, a pressão sobre o sistema hidrelétrico – que agora alimenta cerca de 80% da energia elétrica – foi aumentada para níveis insustentáveis para compensar, e isso significa que falhas futuras “provavelmente voltarão a ocorrer”, disse Aguilar.

Freddy Brito, o ministro da Energia do país, anunciou na manhã de terça-feira que a energia havia sido restaurada em Caracas, assim como em cinco estados. Alguns moradores de Caracas, no entanto, continuaram relatando interrupções nesta semana. Outros reclamaram que fora da capital – onde o governo concentra seus esforços – as interrupções de energia tornaram-se uma ocorrência diária.

“Eles falam de um ‘terceiro blecaute nacional’, mas desde o primeiro registro em 7 de março deste ano, em Barquisimeto, temos quedas de energia de até 12 horas, todos os dias”, lamentou Vanessa Ovalles, uma pasteleira de 27 anos, que disse que muitas vezes é incapaz de trabalhar em sua cidade no noroeste da Venezuela, devido à escassez de gás e água criada pelos apagões.

Juntamente com as falhas de energia, a crise política e econômica da Venezuela sob Maduro significa que a escassez de bens básicos e alimentos é generalizada e, quando disponível, muitas vezes inacessível devido à hiperinflação, que pode chegar a dez milhões este ano, segundo o Fundo Monetário Internacional. Pelo menos 4 milhões – mais de 10% da população – fugiram do país, segundo a agência de refugiados da ONU.

Juan Guaidó, o novo líder da oposição, que tem como objetivo remover Maduro do poder e se impôs como presidente interino em janeiro, até agora não conseguiu derrubar o regime de Maduro. Guaidó é reconhecido por mais de cinquenta nações, incluindo os Estados Unidos, como líder legítimo da Venezuela.

Guaidó, que é o líder do congresso controlado pela oposição do país, esperava capitalizar a nova onda de descontentamento público causada pelas interrupções para obter apoio.

“Eles tentaram esconder a tragédia racionando todo o país, mas o fracasso é claro. … Os venezuelanos não se acostumarão com esse desastre”, twittou ele .

 
Matérias Relacionadas