Venezuela: aprovadas questões da Consulta Popular em meio aos apelos pelo fim do socialismo no país

“Mais de 80% dos venezuelanos estão convencidos de que os problemas do país serão resolvidos quando o socialismo não for mais praticado e quando Maduro e a falsa oposição partirem”

Por Débora Alatriste

A Assembleia Nacional anunciou na quinta-feira a aprovação das questões para a próxima Consulta Popular, uma proposta do presidente interino Juan Guaidó de rejeitar as eleições de 6 de dezembro estabelecidas pelo regime; no entanto, vários ativistas acreditam que o fim dos problemas na Venezuela será resolvido quando “o socialismo não for mais praticado”.

Durante a sessão ordinária de 17 de novembro que será realizada entre os dias 7 e 12 de dezembro, a Assembleia Nacional Constituinte aprovou três questões finais contempladas na Consulta Popular:

“Exige a cessação da usurpação da presidência por Nicolás Maduro e pede eleições presidenciais e parlamentares livres, justas e verificáveis?”
“O senhor rejeita o evento de 6 de dezembro organizado pelo regime de Nicolás Maduro e pede à comunidade internacional que o ignore?”
“O senhor ordena que sejam tomadas as medidas necessárias perante a comunidade internacional para ativar a cooperação, o apoio e a assistência que nos permitam resgatar nossa democracia, enfrentar a crise humanitária e proteger as pessoas dos crimes contra a humanidade?

Guaidó não participará das eleições de dezembro e convocou uma pesquisa para perguntar aos venezuelanos se eles rejeitam ou não as eleições legislativas de 6 de dezembro e se aprovam ou não exercer “toda a pressão” nacional e internacionalmente para se retirar Maduro do poder.

As eleições convocadas por Maduro não são reconhecidas pelos Estados Unidos – que as denominaram uma “farsa eleitoral” – e outros países latino-americanos, como Espanha e Colômbia. Da mesma forma, o Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, os identificou como “mais um mecanismo de impunidade”.

“Cada dia a mais da ditadura venezuelana significa mais fome, mais doenças e menos justiça e mais impunidade para os ditadores”, disse Almagro.

A Consulta Popular será realizada em duas fases: a primeira denominada “Operação Contra a Fraude”, na qual os observadores estarão presentes nos centros de votação de 5 a 6 de dezembro, segundo nota da AN de 13 de novembro.

O objetivo é “registrar a realidade da participação” e “irregularidades” para denunciá-las “ao país e ao mundo”, segundo o documento.

A segunda fase, a consulta – cujo início estava previsto inicialmente para 5 de dezembro – foi adiada para o dia 7 e se estenderá até o dia 12 digitalmente por meio de plataformas habilitadas para isso e, segundo Guaidó, do mecanismo será secreto e auditável.

O presidente Juan Guaidó disse que a iniciativa é “um mecanismo da poderosa soberania do povo venezuelano” para exercer a maioria na luta pela mudança política que é urgente no país.

“Não nos cansaremos de convidar todos os venezuelanos a participarem da Consulta Popular; não nos cansaremos de convidá-los a exercer a maioria nas ruas. No dia 6 de dezembro as fraudes não terão legitimidade, vão se sair muito pior do que em 2018. Não vamos esquecer que estamos defendendo a República”, disse ele.

No entanto, a Consulta Popular parece não ter o apoio de toda a oposição ao regime chavista. Segundo uma pesquisa divulgada no final de setembro, apenas 5,9% dos entrevistados apoiam a Consulta Popular como forma do Chavismo e de Maduro saírem do poder. A iniciativa ficou em último lugar das cinco levantadas.

Por outro lado, um grupo de venezuelanos enviou uma carta à União Europeia no final de outubro, solicitando a rejeição do governo responsável por Guaidó e pediu para não apoiar a Consulta Popular, alegando que o país já havia sido consultado em 16 de julho de 2017 e o mandato não havia sido cumprido.

José Miguel Pérez, editor da Revista Libertaria IF e signatário da carta, disse ao Epoch Times que manteve sua posição de não apoiar a consulta popular por não se sentir representado pelo “cartel político conhecido como MUD-FA [Tabela do Unidade Democrática e Frente Ampla] ”.

“Como venezuelano que viveu o socialismo em meus primeiros 30 anos de vida na Venezuela (…) não me vejo representado pela liderança que – com todas as propriedades – chamo de A Falsa Oposição; muito menos para os bandidos do Chavismo”, disse Pérez, referindo-se ao MUD.

O MUD é uma coalizão de partidos políticos que se opõem ao Chavismo que inclui Un Nuevo Tiempo, Acción Democrática, o partido Voluntad Popular de Juan Guaidó, Primero Justicia, La Causa es la Democracia e Movimiento Progresista de Venezuela. Os signatários da carta indicam que todos os membros do MUD “são da esquerda e na maior parte deles estão registrados na Internacional Socialista”.

Em outra pesquisa da Meganalysis realizada em outubro, observa-se que 81,1% dos entrevistados consideram que os problemas da Venezuela começarão a ser resolvidos quando “não houver mais socialismo e todos forem embora: Maduro, Chavismo, Guaidó e o G4”.

“Mais de 80% dos venezuelanos estão convencidos de que os problemas do país serão resolvidos quando o socialismo não for mais praticado e quando Maduro e a falsa oposição partirem”, disse Pérez.

“Minhas razões pessoais? Enquanto eu defendo a liberdade, eles defendem a coabitação com narcoterroristas. Enquanto eu defendo o livre mercado, eles querem operar com o mesmo sistema chavista (…) Vinte anos na liderança da oposição que só resultou na aparafusamento de Chávez ao poder, e agora Maduro. Eles enganaram inúmeros venezuelanos que depositam sua confiança neles”, acrescentou.

Em 16 de julho de 2017, foi realizado um plebiscito organizado pela oposição para rejeitar o presidente Nicolás Maduro e a Assembleia Constituinte proposta por ele mesmo, do qual participaram venezuelanos dentro e fora do país, porém, segundo Pérez, nada foi feito sobre isso.

“A pergunta já foi feita, já foi respondida e ficou claro que aqueles que hoje alguns conhecem como ‘a direção da oposição venezuelana’ não o fizeram, nem têm qualquer intenção de absolutamente fazer nada para que a Venezuela seja livre”, disse.

“Eu não apóio políticos socialistas. Não são meus valores, não são meus princípios e não é o tipo de país em que acredito”, acrescentou.

Com informações da Agência EFE.

 

 
Matérias Relacionadas